Postado por

Planeta Azul Terra Alienígena

Planeta Azul Terra Alienígena
Print Friendly

A raça humana é para o Cosmo diferentemente emocional e a maioria dos seres humanos é vista com procedimentos ainda instintivos e primitivos, tentando dar os seus primeiros passos para “fora da caverna”. Grande parte deles orienta-se por dez preceitos (mandamentos) para eles ditados por seres de outra realidade de existência, que nela existem (vibram) cientes de sete princípios universais, os impulsionando em sua condição de seres cósmicos ou universais.

Esses dez preceitos como dez mandamentos que estão a seguir, são necessários às criaturas ainda engatinhando em sua escalada evolutiva e cósmica: 1º “Não terás outros deuses diante de mim…”; 2º “Não farás para ti imagem esculpida…”; 3º “Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão…”; 4º “Lembra-te do dia do sábado, para o santificar…”; 5º “Honra a teu pai e a tua mãe…”; 6º “Não matarás”; 7º “Não adulterarás”; 8º “Não furtarás”; ”9º “Não dirás falso testemunho contra o teu próximo”; “10º “Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo…” Essas leis são normas de conduta para seres inteligentes e conscientes, mas ainda “crianças” limitadas ao pequenino mundo Terra, perdido na imensidão do universo – um mundo de terceira dimensão também bastante limitado de informações, conhecimentos e experiências.

Os sete princípios (leis) universais validos para qualquer parte do universo físico são: 1º princípio universal expressa a verdade que o universo é mental, que ele está dentro da Mente d’O Todo…”: “2º princípio universal de correspondência encerra a verdade o que está em cima é como o que está embaixo e o que está embaixo é como o que está em cima…”; “3º princípio universal de vibração, diz que o movimento é manifestado em tudo no universo, que tudo move, circula e vibra, matéria e energia são apenas modos de movimento vibratório…”; “4º princípio universal de polaridade expressa a verdade que todas as coisas manifestadas têm dois lados, com dois polos opostos, com muitos graus de diferença entre os dois extremos…”; “5º princípio universal de ritmo aplica-se à qualquer questão ou fenômeno nos diversos planos da vida, inclusive em todas as fases da atividade humana ao manifestar em seus estados mentais, a sucessão de condições, estados e emoções…”; “6º princípio universal de Causa e Efeito encerra a verdade que nada no universo acontece por acaso, toda causa tem seu efeito, todo efeito tem sua causa…”; “7º princípio universal menciona que há gênero manifestado em tudo, mas em seu sentido mais amplo o gênero e o sexo no uso ordinariamente aceito do termo, não são a mesma coisa”.

As consciências cósmicas cientes desses sete princípios validos para qualquer parte do universo físico, ao se conduzirem (vibrarem) em sintonia e em harmonia com eles se mostram como seres universais e aqueles outros que já extrapolam esses princípios, existindo (vibrando) além da realidade física (de campos de energia eletromagnética), se manifestam como seres multidimensionais – Seres de Altíssima Frequência de Luz e de Cor, que aqueles ainda com visão e necessidade voltadas aos ditames dos dez mandamentos, os têm como divindades.

Cenaculo

Foto tirada no Cenáculo/Jerusalém, em setembro de 2014, quando se mostrou um instante de um outro Plano de Altíssima Vibração, de Luz e de Cor, não mais alcançável por Leis para a realidade física – Mais informações no texto “Voltando ao passado buscando o futuro”, Página Interações, nesse Site – Foto de Antônio Carlos Tanure.

Será que o ser humano nessa sua longa e quase sempre confusa caminhada de autoconhecimento, tentando se perceber em sua verdadeira realidade humano divina, vive atualmente momentos ainda mais confusos e antes impensáveis, que estão sendo acrescentados já nesse seu difícil caminhar? … Será que o planeta azul Terra está agora se tornando “cinzento” pela presença de seres de outras partes do universo (principalmente “greys”), que em conchavo com um governo humano paralelo e oculto “estão tornando-o não tão mais azul assim”? … E, por isso mesmo, esse planeta está também tornando-se não tão mais humano como era antes? …

—————————————————-

De 1947 até 17 de dezembro de 1969, a Força Aérea dos EUA investigou ativamente um grande número de avistamentos de objetos voadores não identificados – óvni, através de um programa chamado “Projeto Livro Azul”. Inicialmente esse programa era um sério programa de pesquisas envolvendo relatos de avistamentos de óvni por grandes cientistas da época, como Dr. J. Allen Hynek (1910-1986), que mais tarde se tornou um dos ufólogos mais conhecidos e respeitados. Mas, a partir de 1954, as pesquisas de óvni do “Projeto Livro Azul” começaram preencher objetivos outros do governo (paralelo) dos Estados Unidos. O de desacreditar esses avistamentos alienígenas através de altos funcionários e comandantes militares norte-americanos, que “analisavam” em relatórios esses eventos à medida que iam surgindo.

Registro fotográfico de um óvni – Imagem da Internet

Mesmo assim dos doze mil seiscentos e dezoito avistamentos de óvni descritos no “Livro Projeto Azul”, setecentos e um permaneceram sem explicação oficial. Acredita-se, que naquele tempo as investigações de óvni tinham também a intenção de acalmar a histeria pública sobre este fenômeno. Mas, ao longo do tempo alguns pesquisadores desse contraditório projeto, resolveram o que fosse considerado inexplicável ou que poderia causar preocupação pública, não deveria ser incluído nesse livro, que acabou por se tornar uma fonte de desinformação propositalmente criada, para esconder a verdade sobre a presença alienígena na Terra. Atualmente o “Livro Projeto Azul” em versão arranjada no formato PDF está disponível gratuitamente na Internet.

Uma equipe do “Projeto Blue Book”, tendo no centro sentado o oficial Hector Quintanilla – Imagem da Internet

Naquela ocasião já existia tanto curiosidade quanto euforia sobre o fenômeno óvni, que dava condições para um rico trabalho de pesquisas desses objetos. Já se podia encontrar informações para explicar ou contradizer essas presenças, que anteriormente não poderiam considerá-las ou investiga-las. Os arquivos com informações do “Projeto Livro Azul” contem cento e trinta mil páginas.

Naquela época que aconteceu o relato do piloto Kenneth Arnold, em 1947, como um dos mais antigos e mais famosos avistamentos de óvni, quando esse piloto relatou ter visto uma frota de objetos voadores não identificados muito brilhantes voando em formação sobre Mount Rainier, em Washington, com uma velocidade em torno de três mil cento e cinquenta quilômetros por hora, portanto mais rápido do que qualquer avião conhecido na época.

Ilustração do avistamento de Kenneth Arnold – Imagem da Internet

A hipótese sobre a colonização do planeta Terra por seres extraterrestres ganha cada vez mais espaço entre pesquisadores e estudiosos desse assunto em todo o mundo. Ufólogos e cientistas ainda não têm certeza, mas eles não descartam a possibilidade desse mundo fazer parte de um grande projeto científico extraterrestre. Para eles a teoria da Evolução das Espécies de Charles Darwin, não está totalmente descartada, entretanto está incompleta.

Estudos já apontam para a possibilidade de ter surgido vida inteligente nesse “planeta azul” em pouco espaço de tempo e não gradativamente em milhões de anos de acordo com a teoria de Darwin, graças à intervenção de seres que habitam planetas distantes. Essa teoria ganhou mais força impulsionada pelas novas descobertas do Projeto Genoma, quando cientistas canadenses detectaram que 97% das sequências não codificadas do DNA humano, correspondem a uma porção de herança genética proveniente de formas de vida extraterrestre. E, essa influência não teria restringido apenas ao passado. Muitos pesquisadores e estudiosos do assunto óvni acreditam ainda, que esses alienígenas estão no meio dos seres humanos, estudando-os de perto em sua escalada evolutiva. 

Alguns formatos de óvni relatados pelo mundo – Imagem da Internet.

Esses “infiltrados” estariam acompanhando o processo evolutivo humano, menciona o ufólogo e presidente da Entidade Brasileira de Estudos Extraterrestres (EBE-ET), Roberto Affonso Beck. De acordo com esse pesquisador esses “infiltrados” seriam seres extraterrestres com aparência semelhante à humana e, mais de uma raça extraterrestre já teria visitado esse planeta. Segundo ele, na década de 80 pesquisadores já haviam mapeado 86 espécies diferentes de seres vindos de outros planetas, que teriam tido algum contato com seres humanos. Seriam mais antigos que esses e donos de tecnologias superiores.


Ainda de acordo com esse pesquisador e estudioso de eventos alienígenas, a ciência e a religião são os principais responsáveis por tolher as pessoas diante à lógica da vida extraterrestre. A religião limita os indivíduos, impedindo-os de ver esses eventos além da “viseira” dos dogmas. A ciência não acredita na existência de alienígenas, por faltá-la a
aplicação de um raciocínio lógico em seu pensamento cartesiano – ou, por faltá-la ideias claras e procedimentos rigorosos de análise.

Após a explosão da primeira bomba atômica aconteceu o aumento súbito do fenômeno óvni. Mas, essa presença extraterrestre na Terra vem sendo encobertada pelas forças de segurança agora não só americana, mas também de outros países através do que é hoje chamado de “amplo governo secreto” … Será então, que nesse segredo estão informações que devem ser escondidas do conhecimento público, estão informações mais bem protegidas da era moderna?

Foto de uma “nuvem” em formato discoide (nuvem lenticular?) durante a auto avaliação dos dimensionais do Projeto Portal – Corguinho/MS, na madrugada do dia 23 de março de 2008 ao alvorecer do dia anterior (02h22min), quando aconteceu a presença de uma imensa “névoa” que aparentemente de dentro dela plasmou-se uma forma discoide, em uma ocasião também que houve mudança de temperatura, com uma sensação estranha de um frio intenso – Foto de Antônio Carlos Tanure.

No “esquema de segredo” e contrapondo as informações associadas aos eventos alienígenas acontecidos principalmente após a segunda guerra mundial, existiam normas de procedimentos para a contrainformação ditadas pelo governo paralelo (e oculto), como as expressões: “circule, não existe nada para ver, você está alucinado, o que viu foi simplesmente um balão meteorológico! … A queda de um disco voador, em que lugar, se não encontrou restos deles? … Se você testemunhou alguma coisa, deve excluí-lo de sua memória! … Na verdade nada aconteceu, você tem provas? … Se você falar será ridicularizado! … Acreditar em “homenzinhos verdes ou cinzentos”, não é bom para a sua reputação, nem para a sua carreira! …”

Procedimentos na tentativa de esconder a realidade desses eventos extraterrestres, através de ridicularizar as pessoas diretamente ou indiretamente ligadas a eles continuam até hoje, portanto dizeres semelhantes aos mencionados acima foram empregados no caso mais recente de Varginha/BR e não apenas no mais distante Caso Roswell/EUA. Talvez esses dois casos pela maneira que de certa forma aconteceram, sejam os mais contundentes dentro dos eventos ufológicos.

Ilustração da aparência de um dos seres do “rumoroso” Caso Varginha. Mais informações em arquivoconfidencial.blogspot.com/2006/01/1996-o-caso-varginha.html – Imagem da Internet.

Com esses e outros dizeres de escarnio começou o esforço da contrainformação em relação aos eventos óvni, com o intuito de ridicularizar e de amedrontar os observadores de tais acontecimentos, ao retirar ainda dos locais da queda desses aparelhos alienígenas qualquer prova ou evidencia, recuperando dali absolutamente tudo. Mas, a atitude decisiva nesse processo de contrainformação foi (é) o de ameaçar as testemunhas desses eventos em relação às suas profissões, suas famílias e suas vidas – e finalmente se necessário eliminá-las, dissimulando um suicídio.

Para a organização e funcionamento desses programas secretos que cercaram (e cercam) o fenômeno óvni, foram gastas quantias imensas nos Estados Unidos. Dinheiro dos orçamentos militares e de outros financiamentos públicos não transparentes, já antes mesmo do governo Eisenhower.

Gastos gigantescos foram direcionados a partir daquela ocasião, para um número importante de serviços oficiais especialmente secretos. No inicio esses gastos eram direcionados para às atividades (desconhecidas) da CIA e em seguida foram redirecionados (até hoje) às atividades da Agência de Segurança Nacional (NSA), com plenos poderes para organizar e manter ações relacionadas ao segredo alienígena. E mais tarde, a partir da década de 50, o Grupo Majestic 12 completou a unidade governamental secreta encarregada pelo arquivo extraterrestre, com um pacote organizado de diretorias, conselhos e grupos formando elementos para um governo secreto em escala mundial.

Esse “governo americano sombra” com o seu complexo industrial-militar adquiriu no governo Eisenhower através do exército, da força aérea e da marinha mecanismos próprios de drenagem de fundos e a capacidade de pôr em pratica sua própria concepção de ação alegando interesse nacional e, sem nenhum controle e contrapeso agindo fora de leis especificas, buscar através da engenharia reversa tecnologias extraterrestres muitíssimo mais avançadas, conseguidas de aparelhos derrubados alienígenas (“greys”). Eisenhower foi o único presidente americano diretamente envolvido com eventos alienígenas, depois de encontrar em 1954 com uma delegação extraterrestre (pequenos (“greys”) na base militar Muroc, hoje Edwards Air Force Base.

Após o presidente Eisenhower o seu sucessor J.F. Kennedy (1963) pagou com sua vida, sua firme postura de governo contrapondo interesses de vários grupos, entre eles aquele (governo paralelo) contrário em revelar aos cidadãos americanos e aos demais cidadãos do mundo a verdade sobre os extraterrestres. A ordem de organizar e executar seu assassinato partiu dos novos senhores do mundo, a CIA foi apenas uma executante. Seu assassinato foi ordenado pela polícia do comitê de Vilderbergers – o MJ-12, que implementou plano e executando-o em Dallas. Esse complô executante envolveu agentes da CIA, Divisão 5 do FBI, o Serviço Secreto, e o Escritório da Inteligência Naval. 

Segundo Milton Willian Cooper (acima) o ex-presidente Kennedy foi assassinado por William Greer, seu motorista naquele momento, que usou uma pistola eletricamente operada, alimentada à gás e especialmente desenvolvida pela CIA para matar pessoas em pequenas distâncias e assim pôde disparar uma capsula com uma espécie de pílula explosiva contendo dentro dela porção de marisco especialmente preparada e injeta-la no cérebro de Kennedy, que praticamente ficou diluído. Mas, documentos oficiais mascarando esse acontecimento, declararam que o seu cérebro foi removido, quando de fato ele literalmente desapareceu – Mais informação www.mortesubita.org › Ufologia › Textos Ufológicos – Imagem da Internet.

Em 06 de novembro de 2001, Milton William Cooper faleceu em um tiroteio e tudo indica, ele estava tentando resistir à prisão, mas não existem maiores detalhes a respeito desse acontecimento que culminou com a sua morte, como acontece também com outros principalmente nos EUA, com quase todos aqueles que são atuantes em relação aos eventos óvni.

Desde do ano de 1947 (data do primeiro acidente de Roswell) centenas de militares e também de funcionários americanos, britânicos, soviéticos foram induzidos ao silencio para eventos ufológicos. Entretanto, Dr. Steven M. Greer começou em 1993 através Centro de Estudos de Inteligência Extraterrestre (CSETI) desenvolver um amplo e serio projeto de pesquisas nessa área, que em 1998 tornou-se um programa de ampla envergadura – “Disclosure Project” – ou, Projeto Revelação, com o objetivo de recolher uma soma de testemunhos primários sobre o fenômeno óvni, quando mais de cem depoimentos foram coletados, entre militares e funcionários aposentados (já desvinculados de seus serviços), em diversos países do mundo.

Informações colhidas pelo Projeto Revelação mencionam que aparentemente deve existir, uma relação direta entre as explosões nucleares com testes atmosféricos ou subterrâneos e aparecimentos de óvni. Entre 1950 e 1990 a curva de frequência desses avistamentos acompanha de perto a dos testes nucleares, parecendo que os alienígenas demonstram preocupação com o uso de armas nucleares. Voo de óvni sobre as bases militares com armas nucleares é também uma ocorrência comum e a intervenção deles até física é ainda uma realidade, chegando desativar e destruir ogivas nucleares em testes, levados por misseis em pleno voo.

Segundo alguns desses testemunhos os alienígenas aparentemente interviram no acidente nuclear de Chernobyl/Rússia, para ajudar a evitar uma catástrofe, quando durante seis horas, vários objetos não identificados (óvni) circularam e depois estacionaram em volta do quarto reator, que foi responsável por esse gravíssimo acidente. Segundo essas informações os aparelhos alienígenas teriam baixado o nível crítico das emissões radioativas, evitando uma explosão nuclear, que então foi apenas de origem térmica.

A intervenção de óvni é às vezes também física, chegando até desativar e destruir em pleno voo ogivas nucleares, que em testes são levados por misseis – Imagem da Internet

Mutual Ufo Network ou Mufon, é também uma das mais antigas e maiores organizações investigativas sobre a questão óvni. A organização possui atualmente mais de três mil membros em todo o mundo e a maioria deles localizada nos Estados Unidos. Mufon opera uma rede global de diretores regionais para investigações de campo sobre essas aparições, com relatos desses objetos voadores não identificados. Essa organização faz um simpósio internacional anual e publica o jornal mensal Mufon. A missão dessa organização é estudar cientificamente o fenômeno óvni, para o benefício da humanidade através de investigação, pesquisa e instrução.

Com a implantação tecnológica da “Guerras nas estrelas”, começou uma nova estratégia político militar através da exopolitica, que desde de 2009 está tendo um sentido mais explícito, ao envolver interesses humanos com interesses extraterrestres – de abranger hipoteticamente estudos de relações políticas entre a civilização humana e as civilizações extraterrestres.

A militarização do espaço é o último objetivo desta exopolítica secreta, que é feita totalmente sem o conhecimento dos cidadãos comuns. A SDI (Strategic Defense Initiative), comumente chamada de “Star Wars” – “Guerra nas estrelas”, foi formalizada por Reagan, em 1983, preocupado com a questão alienígena. Ele declarou à Assembleia Geral da ONU em Setembro de 1987: “estamos tão obcecados pelos nossos antagonismos do momento (entre países), que quase não pensamos nos laços poderosos que unem todos os membros da humanidade (todas as nações). Talvez pensaríamos mais vezes se fôssemos expostos a uma ameaça (comum) alienígena… Pergunto-lhes, essa força extraterrestre já não estará infiltrada entre nós”? …

O presidente russo Medvedev disse (ano 2013) no Fórum Econômico Mundial (WEF) – Davos/Suíça, que a “hora está chegando”, para que o mundo saiba a verdade sobre os alienígenas … Essa afirmação espantosa foi feita por Medvedev, ao ser questionado por um repórter se “o presidente detém arquivos secretos, quando ele recebe a maleta necessária para ativar o arsenal nuclear da Rússia”. Ele respondeu, que junto com a maleta sobre códigos nucleares, é dada também ao presidente do país uma pasta “top secret”. Essa pasta em seu conjunto contém informações sobre os alienígenas, que visitaram (visitam) esse planeta… Mais informações: 1 – medob.blogspot.com/2013/01/russia-avisa-se-os-eua-nao-contarem.html; 2 – https://www.youtube.com/watch?v=abgj-GbnmlE.

A guerra fria entre blocos de países que eram comandos pelo EUA/URSS (através da Otan e do Tratado de Varsóvia), disputando entre outras coisas conquistas tecnológicas espaciais, foi agora substituída pela cooperação aéreo-espacial entre vários desses países (principalmente entre os Estados Unidos e a Rússia). Essa cooperação inimaginável anos atrás, visa com a “Guerra nas estrelas” um mesmo objetivo, defender a raça humana do inimigo comum alienígena? … Na foto acima o presidente russo Medvedev – Imagem da Internet.

Depois dessa afirmação surpreende de Medvedev algumas fontes de notícias do Ocidente começaram (como de praxe) desmenti-la, dizendo que o presidente ao mencionar os alienígenas, associando-os aos homens de preto (MIB), ele estava referindo àqueles do filme americano de comédia e de aventura sobre dois agente secretos, que combatem alienígena nos Estados Unidos. Medvedev contudo não estava se referindo ao filme americano, mas estava ao invés disso, referindo-se ao famoso documentário russo “Men In Black”, que detalha muitas anomalias de óvnis e alienígenas.

Vários testemunhos fortalecem a realidade da “Guerra nas estrelas”, com a derrubada de naves alienígenas. Um engenheiro que trabalhou em operações ultrassecretas a maior parte de sua vida confidenciou ao ufólogo Steven Greer (fundador do CSETI), que visa a divulgação de informações óvni supostamente suprimidas: “eu trabalhei num projeto chamado Eyelass, que resultou num sistema de laser de 1 bilhão de watts que lançávamos do espaço para abater objetos alienígenas, eu vi… Essas armas já existem desde o início de 1960. São armas de plasma, utilizando feixes de luz electroplásmicos localizados em plataformas no espaço e agora, a bordo dos aviões Boeing 747”.

Antes de 1947, os militares perceberam que seus radares de alta potência desestabilizavam gravemente óvni que voava baixo e lentamente – desestabilização provocada pela perturbação de campos eletromagnéticos utilizados por essas naves. E como os alienígenas frequentemente sobrevoam bases nucleares, equipadas com potentes radares, correm o risco de caírem e, foi isso exatamente o que aconteceu em Roswell, Julho de 1947, onde se encontrava a primeira base militar munida de bombas nucleares.

Um segundo acidente ocorreu em Roswell, em 1949, agora deliberadamente provocado pelos militares, como explica o sargento Dan Morris: “concentramos sobre eles (óvni) feixes de vários radares super potentes, o que causou a colisão de dois deles. Em uma dessas naves estava o alienígena depois conhecido como EBE, que foi levado para a base militar de Los Alamos. Essas naves eram pilotadas por dois extraterrestres. Um deles, que não morreu no acidente, foi levado para essa base militar e mantido ali em prisão especial”.

Foto da suposta nave acidentada em Roswell, um assunto que até hoje permanece um mistério envolto em tramas e teorias de conspiração do governo (paralelo) norte americano com o sentido de esconder fatos e provas desse tão controverso caso – Imagem da Internet.


A rejeição de óvni não é contra energia nuclear, mas contra bombas nucleares. A primeira fissão de urânio em laboratório ocorreu em 1939 e o primeiro reator nuclear foi construído em 1942. Mas, o fenômeno óvni só apareceu em grande quantidade dois anos depois que ocorreram explosões nucleares.

Para alguns estudiosos pode-se também junto aos eventos óvni, imaginar pela singularidade dessas explosões, que nessas ocasiões um rastro no espaço-tempo é gerado e que pode ser detectado facilmente como “ótima referência” para localizar a Terra em época e local, mesmo hoje já aparecessem remotos.

Então, de acordo com essa teoria a presença de óvni não poderia ser também o efeito visível das primeiras experiências com viagem no tempo, que seres do futuro estariam realizando, na tentativa de mandar “algo” ou algum aviso para o passado, além de bolas de luz que no presente são normalmente mostradas nesses eventos? …

Um depoimento emocionante foi dado por um ex-agente da CIA, já bastante doente. Ele falou publicamente pela primeira vez por meio de um vídeo sobre sua experiência com extraterrestres, suas naves e o acobertamento desses fenômenos. O vídeo de 15 minutos foi ao ar em 3 de maio de 2013, mostrando um homem de 77 anos em estado precário de saúde, falando vagarosamente, mas de maneira bem articulada. Ele trabalhou para a CIA ainda no governo do presidente Eisenhower, em 1958, e decidiu quebrar o silêncio de longa data, ao sentir que já aproximando o fim de sua vida.

Primeira vez um oficial norte-americano e ex-agente da CIA, revelou ao entrevistador Richard Dolan o que sabia sobre seres extraterrestres, – Imagem da Internet.

O entrevistador desse ex-agente da CIA foi Richard Dolan, mas, o vídeo foi mostrado ao público por Steve Bassett – o organizador do último programa “Audiência Cidadã” /EUA, que mencionou no vídeo, o entrevistado iria oferecer uma visão de sofrimento associada aos eventos alienígenas, o que era também sentimento de muitos outros militares e funcionários do governo. Disse ainda esse apresentador, que “esse senhor tem recebido inúmeras ameaças para não falar, mas ele queria que seu testemunho fosse apresentado e nós concordamos.

De acordo com as informações dadas por esse ex-agente da CIA ao entrevistador Richard Dolan, foi composto (resumidamente) o texto abaixo:

Eu me alistei nas forças armadas e entrei no exército norte-americano, em seguida, fui enviado para o centro de treinamento de sinalização no Leste dos EUA. Em 1958 eu fiz o curso de sinalização, que naquela época era o curso de rádio teletipo e criptografia e, por isso, eu fui selecionado como instrutor. Naquela época ainda não trabalhava para a CIA. Certo dia meu chefe veio até mim e me perguntou se eu gostaria de ganhar um dinheiro extra e eu disse que dinheiro era bom. Então, ele me explicou que eu poderia fazer algo, mas isso iria requer antes, eu ter acesso ultrassecreto à Casa Branca para esse trabalho (acesso de segurança), o que me fez pensar que fosse algo bastante especial”.

Eu não tinha muito conhecimento além do que meu chefe me informava, sobre o Projeto Livro Azul e aquilo que eles haviam descoberto a respeito dos greys e do incidente de Roswell. Eu prometi que não diria nada por 40 anos e para algumas outras informações mantê-la em segredo por 50 anos – promessas que acabaram em 2010. Naquela época (1958) o Projeto Livro Azul já tinha sido descartado, com eles declarando que não havia nada. Diziam ao mundo que óvni era falsificação, erro de identificação, balão meteorológico de teste e questão psicológica (imaginação) … Então, meu chefe veio até mim e disse-me, que tínhamos uma nova atribuição. Ele disse-me, que iriamos à capital (Washington), que faríamos parte de uma iniciativa de Eisenhower; que estava tentando saber tudo sobre os alienígenas, algo que o MJ-12 já deveria estar investigando, mas nunca lhe enviava relatórios”.

Ele me disse ainda que era diretor da CIA no Leste dos EUA. Eu comentei que não sabia disso e ele respondeu que eu não deveria saber mesmo. Após seis semanas, meu acesso de segurança chegou. Recebi esse meu cartão da CIA, que era um cartão de identificação com a aparência de um cartão de crédito. Eu podia com ele abrir qualquer porta, apenas passando o cartão e simplesmente entrar. Naquela época eu já usava um pseudônimo, pois nunca usei meu nome real e então, comecei a trabalhar no projeto que nele estava agora envolvido – no Projeto Livro Azul (verdadeiro), mas que era também parcialmente fraudulento. Em alguns casos em que as informações eram pura ficção, acho que vinham do Forte Bellville (Belvedere), Maryland. Não vinham do Pentágono ou do quartel-general da CIA. Também recebíamos relatórios de avistamentos do México, da Itália e de outros lugares. Tínhamos pessoas que iam entrevistar as pessoas ali para verificar se os casos eram reais. Eu não viajava para o exterior, as pessoas da CIA que trabalhavam conosco faziam isso”.

O Grupo MJ-12 era o que tinha controle sobre os eventos com óvni e já naquela época esse grupo já era identificado apenas como MJ-12. Então, eles (as pessoas que trabalhavam junto ao presidente Eisenhower) nos chamaram e já no salão oval (Casa Branca) lá estavam o presidente Eisenhower e Nixon. Eles comentaram ter chamado também o pessoal do MJ-12 e da Área 51, mas esses disseram que o governo não tinha jurisdição sobre o que eles (ocultamente) estavam fazendo. Então o presidente disse, que queria meu chefe e eu fossemos até lá e transmitissem para eles uma mensagem pessoal. Diga para eles, ou para quem ali esteja no comando, que eles têm até a próxima semana para virem a Washington e me informar, porque se não fizerem isso, eu enviarei o primeiro exército do Colorado para tomar a base, sem me importar que tipo de material secreto eles tenham, mandarei dilacerar o local. Eisenhower iria invadir a Área 51 com o Primeiro Exército”.

Imagem de Groom Lake e da Área 51 (área branca acima à esquerda) e do lago Papoose (área branca à direita), local da alegada instalação subterrânea secreta S4 – Imagem da Internet.

Então, meu chefe e eu fomos levados à base militar S4 e nela entramos em diferentes aberturas semelhantes garagens ou armazéns, onde haviam diferentes discos voadores. O primeiro era da nave de Roswell um tanto destroçada e aparentemente todos os alienígenas nela morreram exceto dois. A nave de Roswell era realmente estranha, parecia feita de espessas folhas de alumínio. Podíamos nos aproximar e balançá-la, parecendo pesar cerca de setenta a cento e trinta e cinco quilos. A fonte de energia da nave já tinha sido identificada, era um tipo de inversor gravitacional. Na verdade, eu tive posteriormente acesso ao código matemático da gravidade funcional através de um cartão. Penso que existem diferentes tipos de greys. Mais tarde, vimos o filme da autópsia (de grey) e um coronel ali nos disse que teríamos entrevista com um alienígena grey. Até então eu pensava o que víamos, se era real ou um filme. Meu chefe pôde entrar e ter uma entrevista pessoal”.

O grey parecia um pouco oriental. Ele não parecia humano no que diz respeito à cor da pele, forma e tamanho. O seu cérebro era maior, o nariz muito pequeno, os ouvidos apenas orifícios e a boca também era pequena. Fomos levados para vermos um alienígena e para dizermos ao presidente que eles de fato tinham um, porque naquela ocasião o presidente ainda não sabia se havia um alienígena ali. Terminada a nossa missão naquele local, retornamos à Área 51. Eles nos conduziram ao prédio principal e vimos um U-2, que não sabíamos que existia, e um modelo do SR-71 (o Blackbird). Mas, esse não era o modelo atual Blackbird, mas uma versão anterior. Para voltamos pegamos um avião comum até a base aérea e então de lá tomamos um Lockheed Electra do presidente Eisenhower e voamos até Washington”.

Maquinas de guerra desenvolvidas secretamente pelas forças armadas americanas com informações e conhecimentos passados por alienígenas? Imagens da Internet.

Eu e meu superior encontramos o presidente. Nós o encontramos no segundo andar de um antigo prédio do Senado. Eisenhower e Nixon estavam lá e Hoover também. Eles perguntaram o que estava havendo e nós lhes contamos sobre os alienígenas, toda a situação e os projetos secretos, etc.; eles ficaram chocados. O presidente parecia preocupado pela primeira vez”. Surpreso sobre os projetos secretos. Eisenhower disse que deveríamos manter segredo completo, que não podíamos falar a respeito.

Mais recentemente eu estava indo a uma mercearia e dois homens de terno preto dirigindo um carro também preto aproximaram de mim e disseram que era melhor eu não publicar nada ou dizer qualquer coisa a Linda (ufóloga Linda Moulton Howe que também o entrevistou) sobre o que quer que fosse. Então, naquele momento, eu parei. Aquilo foi suficiente para me intimidar. Melhor permanecer anônimo. Mas, agora depois que isso aconteceu (essa entrevista), eu acho que foi uma boa ideia, porque me sinto muito melhor tendo falado a respeito. Sinto que um grande peso saiu dos meus ombros, porque guardei muitos segredos ao longo dos anos”

O rápido avanço tecnológico dos EUA em vários campos do conhecimento a partir das décadas de 40 e 50, está para muitos pesquisadores e estudiosos associado às trocas de informações, conhecimentos e experimentos com os pequenos alienígenas “greys”. Entre essas tecnologias que o governo paralelo (e oculto) conseguiu com esses alienígenas, estão também aquelas com informações associadas ao campo biológico – à manipulação genética, que provavelmente foi (é) o motivo de maior interesses desses seres com objetivos diversos, utilizando-se não só de corpos humanos como também de outras formas de vida desse planeta. Portanto, é muito possível que nessa maquinação de interesses entre seres humanos (governo paralelo e oculto) e alienígenas principalmente “greys”, existiram muitas troca de informações, conhecimentos e experiências.

Durante a época do apartheid, o Doutor Woter Basson lançou na África do Sul um projeto de armas biológicas secretas chamadas de “Project Coast”, recorda o portal de investigação independente Old-Thinker News, através de seu autor Daniel Taylor. De acordo com esse portal de investigação o objetivo do projeto era desenvolver (e aperfeiçoar) agentes biológicos e químicos, que pudessem matar ou esterilizar a população negra e assassinar inimigos políticos. Entre esses agentes encontravam-se os vírus marburg e ebola. O projeto foi levado a cabo nos anos de 1980 à 1987, quando foram desenvolvidos e aperfeiçoados uma gama de agentes biológicos, não só os vírus marburg e ebola, como também o antrax, o cólera, a toxina botulínica.

No período do apartheid na África do Sul as evidências em relação aos agentes patogênicos, se via de maneira muito clara, que não eram fenômenos naturais.
Mais informação em relação ao vírus ebola em:

www.guiaglobal.com.br › Mundo

Foto Reuters – Imagem da Internet

De acordo com um artigo publicado em 2001 para a revista “The New Yorker”, a embaixada dos Estados Unidos em Pretória se mostrou “terrivelmente preocupada” com a possibilidade de que Basson revelasse as profundas conexões entre o “Project Coast” e os Estados Unidos (conexões com o governo paralelo, oculto “e do mal” desse país).

Segundo o The Wall Street Journal ” a integridade do processo recaia exclusivamente sobre a honestidade do Dr. Basson”, que afirmava ter mantido contato com as agências ocidentais que proporcionavam a ele “assistência ideológica” no Project Coast e que reuniu várias vezes com o Dr. David Kelly um especialista em armas biológicas do Reino Unido, encontrado morto em 2003, próximo de sua casa em Oxfordshire. Segundo a versão oficial (de sempre) ele cometeu suicídio, mas esta afirmação foi contestada por médicos especialistas.

Em 2013 o Dr. Wouter Basson, foi declarado culpado por “conduta não profissional” pelo conselho de saúde da África do Sul. O programa de armas biológicas de Basson terminou oficialmente em 1994, mas nunca se produziu verificação independente para saber se os patógenos criados foram em algum momento destruídos.

Será que doenças para devastar populações inteiras foram geradas em laboratórios por cientistas de um governo paralelo e oculto, agora com condições de criar com informações e tecnologias alienígenas até monstros reais e outras formas de vida que já não poderiam ser contidos?

As respostas para estas perguntas assustadores podem estar na Ilha Plum, no condado de Suffolk em Nova York/EUA, quando em 2008, no estremo norte da ilha de Montauk, uma descoberta macabra transformou um dia de diversão, em um horror total. Ali em um dia movimentado de verão, frequentadores daquela praia encontraram uma criatura que parecia sair de um filme de terror. Diferente de qualquer ser vivo até hoje não identificado, ele contrariava qualquer lei da natureza.

O corpo de um animal encontrado perto da ilha de Montauk foi descrito como o cruzamento de um cachorro com um guaxinim, ou até mesmo com uma tartaruga. Parecia que tinham juntadas partes de vários animais, para criar o que quer que fosse aquilo – Imagem da Internet

Na costa de Nova York e não muito longe de Montauk, encontra a Ilha PLum e nela o Centro para Pesquisa de Doenças Animais (CPDA) – centro ultra secreto de pesquisas que assombra com boatos de experimentos biológicos (genéticos). Na época, todas as acusações foram obviamente negadas, mas em 2009 recomeçou uma série de eventos, mostrando que a Ilha Plum escondia de fato muito mais do que se conhecia publicamente desse centro de pesquisas. Outra criatura híbrida encalhou nas praias de Connecticut, seguida de mais uma em 2011 e ainda de mais duas no decorrer de um ano em Long Island.

Os Estados Unidos possuem um dos laboratórios de germes mais letais do mundo, mas na verdade cientistas do governo (paralelo) americano não o construíram, contrataram nazistas para fazer isso, como Doutor Eric Traub que depois da Segunda Guerra Mundial veio para EUA. Veio convidado para trabalhar em “sua especialidade” – manipulação genética na criação de armas biológicas. 

Doutor Eric Traub ainda na Ilha Reims/Alemanha realizou várias pesquisas de armas biológicas para a SS, incluindo transmissão de doenças fatais por picadas de insetos – Imagem da Internet.

Esse cientista foi escolhido pelo governo dos Estados Unidos como integrante do Projeto Paperclip, que através dele vários outros cientistas alemães nazistas foram também trazidos para a América e colocados para trabalhar no campo de pesquisas biológicas com manipulação genética

Com base nos projetos que antes esses cientista realizavam na Alemanha Nazista, os americanos (governo paralelo) montaram seu próprio laboratório na costa do Estado de Nova York. Dessa forma o Centro para Pesquisas de Doenças de Animais foi inaugurado em 1954, com essas autoridades americanas confiando tanto no conhecimentos e na experiências do Doutor Eric Traub, que lhe ofereceram a diretoria de pesquisas biológicas desse centro, na Ilha Plum.

Em 1975 na pequena e pacata cidade de Old Lyme, cidade que abrigava sete mil e quinhentos residentes (ao leste do rio Connecticut), para eles ocorreu o que foi chamado marco zero de uma temível nova doença, um surto que causava febre, desmaio, psicose, comportamento delirante e paralisia. A infecção foi a primeira de seu tipo e recebeu o nome da cidade, ou seja, Doença de Lyme.

E o mais perturbador de tal doença era a maneira de sua transmissão feita por carrapatos. Assim a pergunta que fica no ar, se os carrapatos escaparam do laboratório ou se a doença foi disseminada intencionalmente, já que apenas quarenta quilômetros ao sul de Old Lyme está a Ilha de Plum e local das experiências biológicas do Doutor Traub, com o intuito de estudar efeitos de agentes biológicos em animais e possivelmente também em humanos.

Em janeiro de 2010 um caso estranho fez com que muitos acreditassem, que experimentos e agentes de doenças ali produzidos fossem um fato real e não mais uma suposição. O corpo de um homem afro americano foi levado pela maré até uma das praias vizinhas da ilha Plum e encontrado por seguranças do local. A sua aparência não era totalmente humana e tinha os braços bizarramente compridos.

O corpo de um homem afro-americano com aparência não totalmente humana, encontrado na praia perto da ilha Plum – Imagem da Internet.

Seria esse corpo bizarro que para ele não teve explicação e ainda mais por ter cinco perfurações em sua cabeça, vítima de “experimentos nazistas muito ao gosto” também dos alienígenas “greys”?

Estimulados” por conhecimentos e experimentos alienígenas esse tipo de cientistas, não estariam (ocultamente) utilizando-se de seres humanos como cobaias vivas em suas experiências, mesmo sabendo que o resultado desses procedimentos poderia ser letal?

Dentro dessa linha de raciocino não estaria o surgimento do vírus HIV/AIDS, que não se sabe de fato como surgiu? … Direta ou indiretamente esse vírus mão estaria associado à presença alienígena após o incidente de Roswell, em 1947, com seres alienígenas (“greys”) oferecendo conhecimentos tecnológicos aos cientistas e militares do governo (paralelo) americano, para manipulação genética em formas de vida, inclusive bacteriana e mesmo virótica?… E assim, explicaria uma doença desencadeada repentinamente sobre o mundo em 1971, a partir da área do canal do Panamá, mas também podendo supor que esses seres (“greys”) junto ao governo paralelo, possuiria tecnologia para a cura definitiva dessa doença, se assim quisessem?…

Essa doença virótica de imunodeficiência humana no seu inicio anos atrás não tinha para ela tratamento, portanto as pessoas atingidas por esse vírus eram condenadas à uma lenta e sofrida morte, em um tempo que “coincidentemente” ficavam mercê dele determinados grupos da população, até que ele “se democratizou” e alcançando todos indistintamente, a imunodeficiência por ele provocado pôde ser tratada, apesar de que ele ainda não pode ser totalmente eliminado do organismo humano.

Vírus HIV até pouco tempo atrás letal e aparentemente seletivo ou, criado para atingir determinados grupos da população?… Imagem da Internet.

Depois do HIV, vírus ebola e outros “o vírus da moda” é agora o Zika, que apareceu com total pujança e surpresa no cenário mundial, aterrorizando as autoridades mundiais de saúde, que no momento (início de 2016) não possuem recursos científicos para eliminá-lo ou evitar doenças por ele causadas. Em seres humanos ele é comumente transmitido através da picada do mosquito Aedes aegypti e depois em transmissão continuada possivelmente pela contaminação sanguínea e também pela relação sexual e talvez ainda, por várias outras vias de transmissão no momento não conhecidas.

Será que esse pequenino inseto tornou-se naturalmente um transmissor, ou foi feito agente portador poderosamente perigoso de várias doenças como dengue hemorrágica, febre chikungunya, febre zika, síndrome de Guillain-Barré e microcefalia em bebês e de várias outras possíveis doenças com ele relacionadas, mas ainda desconhecidas?.

Vírus Zika – Imagem da Internet

Qual a próxima bactéria ou o próximo vírus “inspirado” em tecnologias genéticas e secretas alienígenas, será lançado por um governo paralelo (e também secreto) no cenário mundial, com possibilidade de propagação e de destruição em massa?

Veja no vídeo abaixo a entrevista de Richard Dolan com o oficial ex-agente da CIA, sobre os eventos ufológicos (em inglês):

https://www.epochtimes.com.br/agente-da-cia-quebra-o-silencio-sobre-e…

Fontes de consulta:

www.extraterrestreonline.com.br/…/liberado-postado-na-internet-projeto

www.ufo.com.br/noticias/eles-estao-entre-nos: www.flogao.com.br/grupomatermistico/blog/2469434

www.ceticismoaberto.com/ufologia/2021/ovnisnucleares

www.epochtimes.com.br/agente-da-cia-quebra-o-silencio-sobre e

illuminatielitemaldita.blogspot.com/…/denuncia-projeto-secreto-criado-

Translate »