Postado por

Dakila, Corpo de Luz e MDPL

Dakila, Corpo de Luz e MDPL
Print Friendly

O atual momento de despertamento que passam os “filhos das estrelas”, agora sintonizados à frequência de Dakila com seu sentido voltado à Ciência Lilarial, ele se dá em outro nível de frequência mental gerando instantes, em que a energia emocional conduzida pelo pensamento agora se modula. E, eles por já também possuírem outro nível evolutivo, se compatibilizam às frequências dos mundos paralelos mais sutis ou de luz, que para mentalmente “adentrá-los”, é necessário o “veículo/corpo” também de luz – o Eu do Futuro que para ele não existe mais noção de espaço/tempo do “mundo” humano.

Apoiando-se no exposto acima, aconteceu com esse dimensional uma experiência de interação mental com realidades paralelas mais sutis no penúltimo dia da atividade de campo em Mateus Leme/MG, do dia 28 de abril a 1º de maio de 2017.

Pousada Morada do Rei, em Mateus Leme/MG – Imagem da Internet

Já de madrugada do dia 30 de abril de 2017, na Pousada Morada do Rei situada naquela cidade, o grupo constituído por homens, casais e crianças separado como de praxe do outro grupo só de mulheres por certa distância e, naquela ocasião evitando contato visual entre eles e, sobretudo interferência de polaridades (energias + e -), o grupo dos homens recebeu via radinho do grupo das mulheres, que ali as divindades (deuses da natureza) tinham para algumas delas se mostrado e comunicado que três participantes do grupo dos homens poderiam ter naquele momento e naquele nível sutil de vibração/frequência uma interação mental e, receber mensagem/visualização que pela sua importância e necessidade deveria ser transferida aos demais.

Passado algum tempo, em torno das 01h:30min, esse dimensional já esquecido dessa comunicação e, com seu corpo físico “relaxadamente” sentado em uma cadeira, mas com seu corpo mental bem ”acordado” em lucidez total com sua mente permanentemente ativa, ele “viu” repentinamente e de maneira clara através de sua tela mental as presenças de nove silhuetas humanas, que de costas (não identificáveis) mostravam-se para ele não só umas juntas às outras, como também de mãos dadas.

Se com essa sua clara percepção mental ele foi um dos escolhidos mencionados pela comunicação através do rádio, ele não pode dar essa certeza, mas pode dar total certeza dessa manifestação paralela à realidade física, que para ele se mostrou.

E, ele pode também ter clareza das presenças dessas nove formas/silhuetas humanas juntas e de mãos dadas, que de costas se mostravam aí escurecidas talvez pela intensa luz dourado-prateada que recebiam de frente ofuscando essa parte de seus corpos – e ainda se intuir, que se elas mostraram assim, era bem provável que estariam transmitindo alguma mensagem com essa forma de visualização.

Essa luminosidade era suave e ao mesmo tempo intensa e, ainda consistente e opaca (sem propagação). Ela era percebida mais à frente desse dimensional sentado na cadeira e parecia como vinda do alto e irradiada de uma fonte à sua direita – ou, de onde o grupo das mulheres estavam.

Para “esse filho das estrelas” alguns desses seus instantes de interação mental com os mundos paralelos já estão ficando para ele mais nítidos, quando às vezes a sua visão da realidade física e a sua percepção do mundo mental se confundem, como se tornassem uma só, como aconteceu nessa interação, ao olhar para sua calça jeans, ela parecia ser de veludo pelo brilho fosco que dela irradiava e também ao “ver” a mesma luminosidade que era lançada sobre as nove formas humanas, projetando-se ainda junto aos seus pés e por todo o chão em sua volta.

Algum tempo depois não mais sob o impacto da surpresa que foi gerado por essa “visão”, esse dimensional procurou interpretá-la, apesar de saber que essa interpretação poderia não estar totalmente completa e, ou não totalmente correta.

Já feitas essas observações, para ele essa sua “visão” mental se mostrou (intuitivamente) associada à frequência dos vencedores ou, dos já transmutados de forma triplamente manifestada. Ainda, o sentido dessas nove presenças de costas e de mãos dadas teve um profundo significado simbólico, relacionado à importância de conjunto com seu sentido de se somar para realizar, que mais facilmente é conseguido quando não se identifica e não salienta o “personagem”, que quase sempre se mostra na realidade física como o “ente” conflitante e gerador de desunião – o “ego”.

O “ego” quase sempre se mostra mais na realidade física como o “ente” conflitante e gerador de desunião – Imagem da Internet.

O dimensional desperto em função de seu corpo físico ainda não transmutado vivencia a realidade de um mundo denso (dos sentidos normais), mas com a aproximação das “ aberturas das janelas” (anos de 2018/2028), ele precisa já estar mais conscientemente afinado com seu corpo mental, para que com ele possa mais constante interagir com frequências dos mundos paralelos de maior sutileza/luz. Frequências que estão em mais sintonia com o sentido de Dakila, que com ele o dimensional já desperto entra agora em outro nível de realização consigo e de interação com o Cosmo, por mais facilmente interagir através de seu corpo de luz com o Eu Superior/Eu do Futuro.

Na medida em que o dimensional vai se despertando e se aproximando (mentalmente) do seu Eu do Futuro no mundo intermediário/paralelo, ele vai também gerando através de seu campo de energia (biomagnetico) um clímax, que se identifica pela sua sensibilidade/intuição para melhor discernir entre o positivo (certo) e o negativo (errado), estimulando-o para comportamentos emocionalmente equilibrados e assim, se tornar realmente senhor de seu próprio destino não só nessa realidade, mas sobretudo nos mundos paralelos.

A frequência do “vencedor” ou daquele que procurando se transmutar modula suas emoções através de seu pensamento, ela está relacionada ao MDPL, que é uma “tecnologia dos mundos paralelos envolvendo forças/energias de magnetismo, densidade, pressão e luz. E, com a orientação desses mundos que utilizam da luz (do biossatélite), os dimensionais dela se valem para gerar através de exercícios físicos mais carga elétrica, com o sentido de que seu metabolismo melhore bastante, gerando melhor funcionamento biológico/bioquímico em seu organismo.

Os dimensionais já vêm sendo trabalhados com esta tecnologia desde de outubro de 2014, para que possam, inclusive, mais facilmente interagir com os mundos paralelos e até fotografá-los, desde de que nesses momentos estejam também dentro da frequência da alegria espontânea – ou, da alegria d’alma.

As duas fotografias logo abaixo foram tiradas por esse dimensional no ano de 2002, quando ele ainda não tinha informações e conhecimentos que hoje os possui dos mundos paralelos, mas já era possuidor principalmente nesses instantes em suas interações mentais com eles de uma alegria interior, que o seu motivo não era outro a não ser a própria alegria em si, como nesse momento quando “se transformou” através de frequência mental bastante acelerada em “um portal vivo” e registrou na realidade física o vórtice, ao direcionar (intuitivamente) sua máquina fotográfica para um ponto e mencionar com “leveza” d’alma que iria ali registrar “o forró dos intras” (dos seres intraterrenos), contagiando divertidamente também aqueles dimensionais, que perto o escutaram.

Duas fotos tiradas dentro de uma mata, quando nela esse dimensional atravessava o leito seco de um córrego, que cortava uma trilha. As fotos mostram o mesmo local, que foi fotografado por ele praticamente no mesmo instante. A primeira foto à esquerda, já com seu processo mental de interação com os mundos paralelos, mostra um túnel na configuração de uma espiral na horizontal, que acompanha o leito de pedra deste córrego, enquanto a foto à direita, sem o processo de interação, mostra a paisagem como ela é – Fotos tiradas no dia 22/04/2000, às 12:00 horas, por Antônio Carlos Tanure

A tecnologia do MDPL é uma força/recurso a mais dos mundos paralelos, oferecida àqueles que buscam a transmutação, quando sob o seu efeito se exercitam, como acontece em um jogo de futebol. E, nesse esporte com grupos de pessoas disputando em um campo físico uma mesma coisa e, nesse caso sobre ele uma bola que busca o gol, a visão literal desse campo é a mesma tanto para os planetários com origem na própria Terra e sem a genética para desenvolverem habilidades mentais paranormais, quanto para os dimensionais despertos com origem em vários pontos no Universo e possuidores dessas habilidades.

Entretanto, o sentido (emocional) dessa competição que podem possui-lo os planetários, não devem possui-lo totalmente os dimensionais despertos. O motivo para esses últimos deve ser outro, se eles tiverem em mente o MDPL como verdadeiro sentido do jogo – ou, se perceberem naqueles instantes, mais que disputarem estão de fato procurando energeticamente se somarem voltados à sua transmutação.

Durante o do jogo de futebol sob a influência do MDPL é gerado sobre o campo físico da disputa e arredores, a presença de uma “diferente” fonte de energia que impulsiona os jogadores correrem atrás da bola com um esforço físico incomum, ou diferentemente sobre-humano, ainda estimulados pela contribuição da torcida que funciona como “ampliadora” dessa energia.

Nesse jogo “diferente” entre dimensionais inicialmente jogam as crianças, depois as mulheres e no final os homens em um campo físico preparado para disputas. Mas, por ser “diferente” pela influência do MDPL ele é jogado de fato em um outro campo”, que nele deve-se jogar também com pensamentos condutores de emoções através de processos mentais cada vez mais acelerados não por gols com o uso de uma esfera física, mas por “gols” pelos esforços cada vez mais presentes e necessários dos participantes em busca da modulação de seus sentimentos.

No jogo de futebol sob a influência do MDPL incialmente jogam as crianças, depois as mulheres e logo a seguir os homens, estimulados pela torcida funcionando como “ampliadora energética”. – Imagens da Internet.

Os atletas do MDPL quando estiverem disputando a bola com seus corpos físicos, esses devem ser sobrepostos por seus “corpos mentais”/frequências, para que possam nessa disputa as energias que geram não se dividam, mas que se somem, em sintonia ao momento em que vivenciam, se realmente despertos – ou, se estão realmente em sintonia com seu corpo de luz e esse com o seu Eu Superior/Eu do Futuro.

Eles atualmente se preparam para gerar energias não só originadas do mundo físico, mas também àquelas mais sutis necessárias nessa sua nova fase de frequência mental transmutativa, que se relacionam às frequências de suas almas, quando procuram modular suas emoções, com o intuito de alcançarem a capacidade de sintonia às ondas moduladoras (positivas/negativas entrelaçadas), que em comportamento ondulatório são em sentido maior Energia Criadora (Deus) neles atuando.

Assim, mesmo quando jogando utilizando-se de seus corpos físicos, eles vão paralelamente se modulando também pela “luz”, com o intuito de adquirirem maior nível mental, mais energia transmutativa e mais sensibilidade relacionada a um outro e maior padrão evolutivo, com mais compreensão e sabedoria.

Eles já estão se preparando para controlar seus impulsos instintivos, ao buscarem agora sua transmutação, já conscientes da responsabilidade como portadores de conhecimentos e de tecnologias relacionadas à convergência das ondas eletromagnéticas moduladoras do Cosmo – ou, simplesmente relacionadas à ciência das ondas moduladoras (Ciência Lilarial).

Quando o jogo de futebol é para muitos apenas um momento de lazer, para os dimensionais conscientes ele é “diferente” pela influência do MDPL, que procura moldá-lo ao equilíbrio emocional a partir de seu corpo físico – e, esse resultado quando positivo deve ser para eles o sentido e a sensação verdadeiros da vitória.

E, se durante esse jogo mostra-se o inverso através da agressividade e da violência pelo desequilíbrio emocional em campo, essas lhes trazem literalmente a sensação de derrota através das “marcas” de contusões, rupturas de menisco e de músculos, quando não acontece o pior como fraturas e danos cerebrais.

É a natureza pela lei de causa/efeito cobrando àqueles, que em campo físico procuraram excessivamente se evidenciar, deixando de lado o campo mental que nele poderiam gerar harmonia/equilíbrio emocional, que evitaria seu afastamento temporário ou definitivo das competições.

O jogo de futebol quando apenas jogado excessivamente com o corpo físico sem o direcionamento mais presente do corpo mental, ele quase sempre gera agressividade, violência e danos corpóreos pelo desequilíbrio emocional em campo – Mais informações nesse Site, com o texto: “Jogando a bola para a quarta dimensão”, que apesar de ter sido escrito alguns tempo atrás (ano de 2010) com outro enfoque, portanto sem o atual enfoque do MDPL, ele mesmo assim não deixa de se acrescentar ao texto de agora – Imagens da Internet

Como já foi anteriormente mencionado, o campo de energia que é gerado pela tecnologia do MDPL atuando sobre o campo de futebol e ao seu derredor quando a partida está sendo realizada, ele é sentido pelos atletas em seus corpos físicos, que se mostram como acrescidos de mais peso, deixando seus movimentos como “emperrados” e, por isso, exigindo deles mais esforços.

Também, aquele dimensional mesmo que não esteja participando do jogo ou da torcida por algum motivo, mas se já alcançou certo nível de percepção através de uma maior “sensibilidade mental” (mental sutil relacionado à quinta camada de seu campo energético – aura) , ao se aproximar do local do jogo, vai sentindo refletir em seu corpo físico uma agradável sensação de uma “leveza estonteante”, como essa originasse ao mesmo tempo e confusamente misturada de seus vórtices de energia (chacras) umbilical e frontal.

Esse dimensional depois da atividade de campo de Mateus Leme/MG mencionada no início desse texto, ele já em casa relendo as informações de um outro texto que tinha escrito nove dias antes com o título Ziguratz-Dakila, voltou sua atenção especialmente para uma frase ali posta: Quando todos fazem alguma coisa ao mesmo tempo de coração, ausentes de inveja e de competição voltado ao coletivo, o resultado final é extraordinário, é tranquilo, sem sobressaltos, sem preocupações, com todos caminhando de mãos dadas, mesmo quando enfrentam dificuldades, que são muitas”.

Frase que provavelmente foi por ele escrita anteriormente, já intuído em sintonia mental com seu Eu do Futuro sobre “algo”, que em seu futuro iria ainda acontecer em seu passado – e, tido para ele agora como um instante de seu presente na Pousada Morada do Rei, em Mateus Leme/MG.

O sentido de Dakila voltado à Ciência Lilarial, o Eu do Futuro e o MDPL se direcionam para uma só frequência/vibração, que através dela o futuro do “filho das estrelas” que agora no presente se desperta, vai delineando sua transformação para sua transmutação e, com essa à sua real condição de ser universal possuidor de corpo de luz, conduzindo-o em sua jornada à condição final de deidade.

Translate »