Postado por

Frequência das Amazonas

Frequência das Amazonas
Print Friendly, PDF & Email

De Sônia M. Dias (sm.dias@terra.com.br) –  Abril/2006

Libertando-nos da Dualidade

Como já dizia Einstein: “Somos blocos de energias condensadas, regidos por uma consciência”. Portanto, quando falamos de consciência, não estamos nos expressando em uma linguagem esotérica hermético-obscura, como muitos pensam.

Nós só aproximamos do que chamamos de “Verdade”, quando ligamos a Ciência ao Divino, percebendo o universo pulsar e vibrar.

O que os cientistas chamam de Big-Bang é nada mais que a Expansão do Criador Supremo em infinitas Partículas Conscientes de Luz. Estas Partículas que são carregadas/codificadas eletricamente nas “Polaridades Negativa e Positiva”, obedecem a Lei do Eletromagnetismo e se espalharam em densidades diferentes, constituindo as diversas dimensões com as suas freqüências vibratórias específicas, que estão em constante expansão e retração, formando o que chamamos de Dinâmica Cósmica ou “Dança das Polaridades”.

A Pulsação Cósmica se faz através da expansão evolutiva da Consciência existente nestas Partículas. É a Divindade em movimento, manifestando-Se e gerando os universos físicos. “A Lei da Polaridade rege a relação e o movimento entre todas as forças opostas, que vibram em todos os níveis, com a finalidade de gerar toda Criação. E, através Dela todo o universo físico se expressa na Bipolaridade”.

O quê está embaixo, está em ressonância com o quê está acima, portanto, como o microcosmo é em escala menor o reflexo do macrocosmo, a nossa fisiologia está também dentro deste principio, quando em nosso metabolismo as células do nosso corpo apresentam esta mesma dinâmica, ao fazerem as trocas celulares através de osmose/difusão que são processos metabólicos que visam o equilíbrio ao nível celular. Também dentro deste principio o nosso cérebro possui dois hemisférios equilibrados, nosso coração pulsa em sístole e diástole, nossa respiração tem os movimentos de inspiração e expiração.

Ainda temos um corpo emocional onde as emoções geradas pelo “ego” vibram dentro do quê ele conceitua de “negativo/mal” ao “positivo/bem” e dentro destes limites poderíamos citar como exemplos, infindáveis momentos geradores de emoção.

Portanto, Somos Partículas Conscientes de Luz vibrando/interagindo num mar de energias plasmadas. E, sem medo de nos expressarmos com cunho religioso e de maneira emocional, afirmamos com certeza “O Quê” liga o universo, fazendo a interação entre as suas Partículas Conscientes, é a Energia Neutra “Do Quê” chamamos de Amor Puro Uno da Manifestação, que é o Ponto de Coesão “No Quê” codificamos/chamamos de Unicidade.

Ä Consciência está em constante experimentação nas diversas dimensões. Vai além da terceira dimensão, experimentando o aparente e também o que não é visto. “Tudo está vibrando, tudo está em movimento, tudo está procurando o caminho de volta, à sua Fonte de Origem”.

Somos Luz mesmo quando vivenciamos no plano denso, mesmo quando estamos limitados pelo nosso corpo físico experimentando o dualismo, que através do “ego” gera a “energia magnética” de nossas emoções, que às vezes atraem ou às vezes repelem. São as emoções que fazem a dinâmica do nosso cotidiano nos mostrando, como se estivéssemos em uma balança e na frente de um espelho, que precisamos do nosso semelhante para a nossa oscilante caminhada evolutiva.

Portanto, em nossas experiências com o dualismo gerando emoções, não conseguiremos sozinhos evoluir, se não tivermos como contraparte os nossos semelhantes. Nas atitudes dos outros é que vemos as nossas, principalmente aquelas que escondidas em nosso subcosnciente não gostamos de vê-las.

Como normalmente só notamos o que nos interessa, apenas “acenderemos” a nossa Luz Interior, quando nos reconhecermos limitados em nossa condição humana pelo “jogo da dualidade”. Entretanto, devemos ter a devida cautela, quando estamos aprendendo a sair do jogo Luz/”sombra”, porque na medida em que nos iluminamos, “a sombra” ressonante pode também ficar cada vez mais camuflada/dissimulada em nossos pensamentos e atitudes. Assim, devemos sempre nos observar, não julgando as atitudes dos nossos semelhantes e vigilantes dentro do possível, vivenciarmos o auto-julgamento sem conflitos/tensões.

Em relação à dualidade o Dicionário Aurélio apresenta os seguintes sinônimos:
a) – dual é composto de duas partes;
b) – dualidade tem o caráter do que é dual ou duplo;
c) – dualismo refere a coexistência de dois princípios ou posições contrárias, opostas e, como alguns exemplos de dualismo citamos: positivo/negativo, expansão/retração, claro/escuro tudo/nada e sim/não, entre vários outros exemplos.

O ser humano é um ser para uma consciência dual, que nos limites do seu aprendizado na “arena da dualidade” (terceira dimensão), exercita-se com a energia emocional do dualismo através dos seus cinco sentidos.

Sabemos que o universo físico movimenta por impulsos eletromagnéticos, porque o fisicamente manifesto é energia na forma de partículas ou ondas (plasma) onde energias (seres) mais sutis conscientes nele às vezes vivenciam através de corpos físicos, que são gerados pela energia da criação ativa/kundalini. Na Terra estes seres conscientes somos nós chamados de humanos, vivenciando/decodificando na dualidade a energia de nossas emoções.

Somos energias conscientes “inseridas”‘ em corpos físicos e, portanto, contrapondo à densidade da matéria onde estamos no momento, deveríamos em estados alterados de consciência “entrar” com mais constância em sintonia com o “Eu Superior” e não permanecermos em nosso cotidiano no já cansativo diálogo com o “eu menor”/dual, que através do “ego” nos mantêm prisioneiros no mundo das emoções.

Somos sempre comandados pelo “ego”, que constrói em nossos afazeres diários a nossa personalidade/caráter, através das nossas satisfações/preocupações. Mas, não deveríamos mais ficar delegando poderes ao “eu menor”, porque já sabemos que Somos Seres Divinos Conscientes “escondidos” em corpos físicos humanos e que ao nível da nossa Consciência Superior é que deveríamos nos conduzir. O “Eu Superior” é o Divino em nós, não podemos mais deixar de sintonizá-Lo.

Nossas experiências na terceira dimensão estão circunscritas aos limites da dualidade e a maior parte das vezes gerando desarmônicos sentimentos competitivo-antagônicos. E, entre muitíssimos outros referenciais duais que são observados em nossas experiências de dualidade na terceira dimensão temos: bonito/feio, melhor/pior, bom/ruim, forte/fraco, rico/pobre e certo/errado. Devemos aprender a ficarmos eqüidistantes destes referenciais externo-extremos, para que os transcendendo, nos direcionemos para o “equilíbrio do meio”, transitando pela Neutralidade do Caminho do Meio. Não devemos fazer o jogo da dualidade gerando a energia do dualismo em um vai e vem ou em um sobe e desce sofrido, para que possamos centralizados, nos percebermos como Unidade em sintonia com a nossa Essência Divina.

Só conseguiremos expandir nossa consciência para outras dimensões se sairmos deste jogo emocional através da “Neutralidade”. Agir com a “Energia da Neutralidade” significa não reagirmos/conflitarmos, mas, agirmos baseado em um estado de consciência que está além do mundo tridimensional, onde o “ego” ilusoriamente está competindo no mundo da forma. Estar “Neutro” ou vibrar em um “Estado de Neutralidade” não é ser alienado como muitos pensam. Pelo contrário, a alienação é quando não “dando ouvidos” ao nosso Eu Interno, ficamos a mercê do “ego”.

Quando ouvimos a nossa Consciência Divina, sintonizamos para além da terceira dimensão em um estado de consciência alterado. Quando ficamos fisicamente em sentido de alerta e com as nossas ondas cerebrais aceleradas, podemos em um processo intuitivo, sintonizarmos com o nosso “Eu Superior”, recebendo informações/orientações diretas Dele sem necessidade de mentores intermediários.

Na Terra estamos “jogando o jogo dual”, através da energia de nossas emoções, que nos prendem à densidade da matéria, mas, no momento em que conseguirmos irradiar a nossa Força Crística em um “estado de graça”, estaremos em Sintonia com o Cosmo e conseguiremos mais facilmente interagir com os Planos Superiores de Criação.

Agora, chegou o momento de nos sublimarmos através do direcionamento da nossa Energia (Neutra) do Pensamento, que “diluindo” a energia de nossas emoções, nos possibilita sintonizarmos na Freqüência Energética da Harmonia, que tudo equilibra.

Momentos especiais se aproximam, trazendo mudanças à situação atual do planeta. E, nos preparando para eles, os Seres das Dimensões Superiores estão nos orientando/ajudando. Estamos recebendo flashes luminosos do DNA Divino (GNA), que estão sendo implantados em nossos corpos físicos e que ativados pela nossa freqüência mental e de acordo com o nosso nível de consciência, estão se tornando plasmados ou físicos e interferindo em nosso DNA físico.

E, neste novo cenário que já descortina, receberemos também a ajuda dos dimensionais de polaridade negativa (mulheres) que conseguirem desenvolver os seus dons de sacerdotisas em sintonia com a Freqüência das Amazonas. Elas terão um papel fundamental neste novo contexto, porque aprendendo a decodificar/despertar as suas habilidades paranormais de sacerdotisas, que estão nelas latentes, mudarão no Planeta “Vivo” Terra a vibração molecular da água, estabilizando a Frequência da Ressonância Schumann e, portanto, modificarão também os seres humanos, que possuem em seus corpos físicos setenta por cento de água.

Como já mencionamos, a mudança vibratória que será feita por estas sacerdotisas sintonizadas com a Freqüência das Amazonas, ativará/potencializará em nossos corpos físicos o GNA Divino, para que aumentando o nosso nível de consciência, nos percebamos como Unidade e possamos cortar as amarras energéticas do dualismo, que alimentando o “ego” através de nossas emoções, nos prende à terceira dimensão.

Translate »