Postado por

Magnetosfera e raios cósmicos

Magnetosfera e raios cósmicos
Print Friendly

Afetando a Terra e os seres humanos

De Teodoro Gimenes (cienciasparalelas@homail.com) – em fevereiro de 2011

 

As informações contidas neste texto são de uma explanação por mim feita para cerca de duzentos e oitenta pessoas, em um local conhecido como Sondas no Hotel Fazenda Projeto Portal – Corguinho/MS-BR, no inicio do mês de janeiro de 2011.

Magnetosfera é produzida pelo núcleo da Terra. É o resultado do que sai de dentro dela para fora, gerando uma diferença de potencial que causa eletricidade e que por indução causa também o magnetismo em sua volta.

Mas, em relação à magnetosfera está acontecendo algo bastante serio – ninguém sabe por que ela está diminuindo.

A ciência desconhece o porquê desta diminuição.

Nos últimos trezentos anos ela diminuiu de quatro graus (a sua medida) para 0,4 graus e têm ainda lugares na Terra que ela já está em 0,2 graus.

De onde estamos (no paralelo 19) até um pouco mais acima (no paralelo 20), existe a anomalia do Atlântico Sul, que torna aqui a magnetosfera ainda mais fraca e, com isso, ficamos ainda mais desprotegidos – ficamos eventualmente mais atingidos.

Outro problema ligado à magnetosfera além de estar ficando mais fraca, existem também nela buracos do tamanho do Estado de Minas Geras, que a ciência ainda não sabe o porquê da presença deles.

E ainda existe em relação ao enfraquecimento (diminuição) da magnetosfera uma maior presença de tridium.

O tritium é o terceiro isótopo do átomo de hidrogênio. É um isótopo radioativo, portanto à medida que vai emitindo radiação ele vai acabando – o que acontece em sua meia vida de doze anos.

O tritium é formado por forças incríveis que conseguem entrar na chamada cromodinâmica do núcleo atômico, que tem na chamada Força Potter o que é somente reproduzido por fusão nuclear ou por raios cósmicos de altíssima potencia – aqueles que conseguem atingir a magnetosfera.

A produção de tridium se dá por raios de altíssima potência que atingem a magnetosfera e que são chamados de raios primários.

Os raios primários quando batem na magnetosfera transformam em raios secundários, que continuando o seu percurso, estão neste momento nos atravessando sem que os percebamos. Estes raios secundários nos atingindo poderão causar graves danos ao nível de nossas células.

E se por ventura, os raios primários de altíssima potencia também nos alcançar (possibilidade cada vez maior pelo enfraquecimento da magnetosfera), eles poderão causar problemas ainda mais graves em nossa saúde.

Recordando, o tridium é causado exatamente por raios de altíssima potência originados não só do Sol, mas também do Cosmo. Os raios vindos do Sol e do Cosmo estão nos atingindo durante as 24 horas do dia. Estamos a todo o momento expostos a eles, já que os telhados e as paredes de nossas casas não nos protegem deles – e, já vemos sofrendo este “bombardeio” bastante tempo.

E estes raios que estamos em relação a eles constantemente expostos, não têm nada haver com o raio sincronizador, que é outra coisa.

Sobre o raio sincronizador a ciência não sabe o que ele é. Mas já descobriu que ele é originado do que é chamado da super wave – super onda, que foi descoberta pelo trabalho de um PhD (cientista) da Universidade Nova Iorque, que fez pesquisas nas camadas cada vez mais profundas do gelo (nos pólos), até chegar àquela profundidade que correspondia há 26.000 anos.

Por sorte, como este cientista tinha também “certo conhecimento esotérico”, foi o que intuiu para que pesquisasse a porção do gelo correspondente àquele período do passado e pudesse descobrir através desta amostra, que naquela ocasião ocorreu algo diferente na Terra.

Nestas suas pesquisas ele encontrou traços de um elemento químico chamado de iridium, que está presente no planeta em uma proporção (porcentagem) comumente bastante baixa, mas nesta amostragem no gelo relacionada à data procurada ela apresentava uma proporção de dez mil por um, portanto ostentava milhares de vez mais uma proporção além do que normalmente apresentava em outras épocas.

A única explicação da presença absurda deste elemento químico há 26.000 anos, é que ele deve ter vindo do espaço.

Entretanto, o raio sincronizador não nos atinge ciclicamente apenas após 26.000 anos. Ele está constantemente nos atingindo, mas com uma potencia não tão intensa como acontece nestas datas especificas.

E em relação ao raio sincronizador (super onda) que no momento está chegando, apesar de não existir uma informação científica mais concreta sobre ele, já se sabe que é aparentemente mais forte, com possibilidade de causar até alteração em nosso DNA. Por isso que estamos aqui e buscamos a proteção tecnológica de nossos parceiros de outras realidades, que é absolutamente necessária.

Este raio é aparentemente originado de nossa Galáxia. Ele vem do centro dela, que é um enorme buraco negro e que nele entrando nada mais sai – seja a luz ou qualquer matéria.

Em relação a este buraco negro a ciência descobriu algum tempo atrás, que a nossa Galáxia tendo o formato de um disco, o buraco negro existente em seu centro produz radiação gama para cima e para baixo – radiação que se mostra perpendicularmente à ela.

A radiação gama que é mortal para nós.

Os raios x e os raios ultravioletas sendo muito potentes, eles também são nocivos para nós, provocando alterações em nosso organismo, inclusive, provocando também alterações em nosso DNA.

Existe ainda outra fonte de radiação chamada de pulso eletromagnético, que não causa malefício ao organismo humano, mas interfere nos aparelhos eletrônicos. Estes pulsos chamados também de “beijo da morte”, afetam os caixas eletrônicos, os celulares e todas demais tecnologias eletrônicas, que param de funcionar.

A ciência espera que aconteça este “beijo da morte” para o próximo máximo solar que acontecerá no ano de 2012.

A ciência ainda diz que este próximo máximo solar será um dos piores dos 100 anos.

Alguns físicos teóricos já estão indo à televisão para alertarem que erraram em seus estudos por um fator de vinte, que para a ciência é um erro extraordinário.

Portanto, eles já estão esperando por consenso que estas radiações vão chegar à Terra.

E de acordo com eles são basicamente duas as formas de radiação de muitíssima potencia que estaremos sujeitos a elas.

Então, se estamos aqui neste momento buscando a ajuda de nossos parceiros de outras realidades, para que nos protejamos destes raios, é porque para eles não existe proteção ao nível do conhecimento humano atual.

Translate »