Postado por

MÁXIMA XXXIV

MÁXIMA XXXIV
Print Friendly, PDF & Email

Este texto como os anteriores das Paginas Máximas foi feito com informações tiradas de algumas partes dos últimos textos das Paginas Interações e se nele, varias informações foram dispostas em uma só frase, foi com o intuito de melhor facilitar a interação com o seu conteúdo e, com isto, facilitar também uma melhor fixação mental do mesmo, no sentido de despertar (em outro nível de consciência e razão) a percepção para as realidades paralelas – para uma Nova visão da Realidade. 

Com o Raio Sincronizador emanado do Centro da Galáxia, às 14h17min (horário de Brasília), do dia 21 de dezembro de 2012, começou com este Impulso Cósmico uma nova disposição mental e vibratória predispondo a humanidade a um novo pensar e agir, para que possa readquirir sentimentos outrora existentes, mas que foram depois distorcidos por falsos valores e por conceitos impostos e que desde então ficaram inseridos no proceder dos seres humanos – e, muitos deles associados à sua sexualidade.

Sentimentos de uma época mais remota da humanidade e expressos por pensamentos e ações mais puros, mais harmônicos (Energia mais Pura) começam agora ser resgatados inspirados nas Amazonas Matriciais, Seres Especiais que não possuindo energeticamente em seu campo vibratório nenhuma mistura, elas se preservavam, não misturando-o com o campo vibratório de outras pessoas, neutralizando qualquer energia em desarmonia que por acaso tentasse aderir ao seu campo eletromagnético (aura).

A presença das Amazonas Matriciais em outra época na historia da humanidade sempre foi do conhecimento de alguns, entretanto, para o publico em geral esta presença é tida como uma lenda na forma de mulheres guerreiras, mas estas Sumo-Sacerdotisas viveram de fato foi para harmonizar o ambiente através da estabilização da Freqüência Schumman, vivendo em comunidades sem a presença de homens, que só eram aceitos quando demonstravam capacidade mental e vibracional associada à paranormalidade (à sua condição de “sacerdotes”).

Durante muito tempo a lenda das Amazonas já povoava o imaginário dos gregos e dos romanos, sendo citada no poema épico Eneida de Virgilio e também na Ilíada de Homero – ela estava ainda presente em todos os continentes, com exceção da Oceania e, todas as mulheres citadas na Bíblia são da linhagem das Amazonas Matriciais, que contribuíram para a presença física de Cristo na Terra.

Atualmente as mulheres que herdaram a genética das Amazonas são as caucasianas, mas no Brasil existem também tanto mulheres com a sua descendência na vibração de “sacerdotisas” quanto os homens com a sua descendência na vibração de “sacerdotes” – pessoas diferenciadas geneticamente pela sua sensibilidade, criatividade e  habilidades paranormais.

O motivo verdadeiro da presença das Amazonas no planeta Terra não esteve relacionado “à arte de guerrear”, mas o de trazer Harmonia à humanidade através da estabilização da Freqüência Schumman, com o auxilio das vibrações sonoras que produziam através de suas cordas vocais, emitindo um som melódico que ressoava como vibrações celestiais, para que sincronizassem as moléculas da água no formato tetraédrico e influenciassem com esta vibração todos os corpos vivos (vegetais, animais e seres humanos), que são constituídos em grande parte de água – portanto, elas tiveram uma missão muito especial, que só elas poderiam realizar, ajudando harmonizar a maneira de pensar e de agir das pessoas daquela época, quando já as preparava vibratoriamente para a vinda de Cristo Jesus, com a responsabilidade de propagar a Energia da Paz e não a de propagar conhecimentos relacionados às lutas, à guerra como diz a lenda. 

As Amazonas Matriciais com os conhecimentos de “Sumo-Sacerdotisas” possuíam diversos dons extrasensoriais, entre eles aqueles que as permitiam dominar com facilidade as Leis Universais para a terceira dimensão, também o de trazer em seu olhar o poder da magia como uma força extraordinária e ainda, o de poder apenas mentalmente serem compreendidas, sem se expressarem oralmente.

A energia que elas irradiavam era de muita pureza, porque não tinham bloqueios emocionais ou de julgamento em relação ao que faziam – após o ato sexual que tinham com os “sacerdotes” apenas por necessidade de procriação, elas neutralizavam através do seu campo energético (aura) a energia do homem (inserido no “sacerdote”), conservando-se com a sua pureza vibratória inicial, como se não o tivesse feito e sem o sentido de pecado como muitas vezes a sexualidade ainda é vista hoje.

As Amazonas Matriciais tiveram a missão de reciclar a energia sexual, que naquele tempo como hoje era muito má utilizada, para uma vibração mais pura através de vibrações sonoras provenientes de suas cordas vocais na forma de canções e de “mantras” ultra-sônicos – a entonação por elas criada vibrando na freqüência semelhante à da harpa, gerava uma sincronia com tudo e com todos.

As Amazonas Sumo-Sacedotisas (Matriciais) pertenciam uma raça de um mundo em uma galáxia em espiral, que está distante da Terra 2,2 milhões de anos-luz, uma galáxia que em um ciclo de 144 mil anos tem uma aparência como estivesse esticada, para depois em mais 144 mil anos ter a aparência de uma espiral ou de uma cobra enrolada – dai, a energia da kundalini ser representada na forma de uma serpente enrolada por este motivo.

A 13ª. Constelação (Ophiuchus, Ofiúco – Caçador de Serpentes) tem como signo do zodíaco a cobra, ela está relacionada à “13ª Tribo” (às Amazonas), que supera todas as outras doze tribos pelo seu alto grau de evolução e de iluminação.

Os indícios mais autênticos desta “13ª. Tribo” foram apagados ou removidos propositalmente com o sentido de eliminar tanto os ensinamentos destes seres quanto a prova de suas presenças, portanto foram removida da face da Terra qualquer lembrança mais precisa do poder mágico destas Sumo-Sacerdotisas, que eram seres iluminados com o poder alquímico da transformação e que irradiavam através do seu olhar, do seu sorriso e da sua voz grande magnetismo e magia.

As atividades vibracionais do Projeto Portal estão voltadas para este Novo Ciclo, portanto estão também em sintonia vibracional com a Freqüência das Amazonas e, estas atividades resumindo agora tudo o que nele já foi feito em relação à energia da kundalini (à energia sexual já transformada em Frequências Multivibracionais), elas finalizam nesta freqüência as demais atividades que até agora foram ali realizadas.

As “sacerdotisas e os sacerdotes” de hoje descendentes das Amazonas Matriciais possuem qualidades extrassensoriais ativas, possuem também informações conseguidas através das linhas de reencarnação e ainda, possuem informações através de treinamentos, despertando-os para a percepção de altas frequências vibratórias, que são posteriormente convertidas em Energia Taquiônica (Energia do Pensamento), acelerando o seu padrão evolutivo.

As mulheres e homens pesquisadores do Projeto Portal que possuem a genética destas Matriciais e que agora estão interagindo com seus parceiros de outras realidades ficam mais informados e aprendem transformar a Energia da Kundalini (energia sexual) primeiro em Energia Vibracional e depois em Freqüência Multivibracionais.

Os dimensionais e pesquisadores do Projeto Portal (“sacerdotisas e sacerdotes” de hoje) sabem que a Energia Vibracional transforma em Freqüências Multivibracionais e, se isto acontece, é através da Energia Taquiônica, que é a soma de todas as formas de energia (sexual e emocional) por eles geradas em sintonia com o Cosmo, quando então podem de fato se expressar na Vibração do Amor Universal, que agora o percebem não mais como o amor limitado por sensações humanas pregado por religiosos, filósofos e poetas, mas como uma Vibração mais ampla, que os permitem equilibrar totalmente as três linhas básicas do destino pré-programado de suas Três Linhas da Vida.

O Novo Ciclo que agora se inicia com a Era de Aquário, identificando-se com a presença mais consistente da Energia Feminina, ele é também o momento que se inicia (pelo Quinto Princípio Universal – o de Ritmo) “O Retorno”, permitindo que principalmente as mulheres (as “sacerdotisas modernas”) possam a partir de agora direcionar com muito mais sensibilidade e também com a firmeza de “guerreiras” o comando da humanidade, para que ela volte aos verdadeiros valores e objetivos do Cristo Cósmico.

Chegou o momento para que as mulheres liderando (auxiliadas pelos homens) usem de fato sua Vontade e possam finalmente em um grau de Equilíbrio e Firmeza Mentais que lhes é peculiar, não mais deixarem a humanidade mover à direita e à esquerda pelo pendulo mental das condições e das emoções coletivas, que sempre a jogaram para lá e para cá em varias ocasiões de sua historia.

As “sacerdotisas” modernas já possuem capacidade de mudar a vibração de tudo através do seu direcionamento mental, quando já são vistas cada vez mais e em maior numero nas atividades do cotidiano humano, comandando-as – elas podem, e podem muito mais, porque têm mais condições de se tornarem “senhoras de todas as Leis”, por agirem com mais acuidade de acordo com os Princípios que as regem.

Neste Novo Tempo de sensibilidade e de criatividade mais presentes e mais relacionadas à mulher, serão desmitificados certos paradigmas e dogmas que pontuam doutrinas religiosas e mesmo esotéricas (herméticas) e serão paulatinamente derrubadas teorias que versam sobre liturgias, cerimoniais e a verdade da criação da raça humana, para que se reescreva a história da humanidade, já extirpada de versões que ainda nos dias de hoje, elas ocorrem como verdades imutáveis.

Neste reiniciar para a humanidade com a Era de Aquário, se mostra também cada vez mais, a presença da mulher de maneira gradativa e silenciosa conquistando com a sua versatilidade espaços de trabalho praticamente em todas as atividades humanas, ao usufruir do seu poder mais criativo de seus trinta e sete canais mentais, que o homem apenas os possui em numero de dezoito.

A mulher possuindo mais do dobro de canais mentais que o homem, ela é mais intuitiva e mais criativa do que ele, é mais capacitada para se inserir nesta nova etapa do conhecimento e de realizações humanos, fazendo-se mais presente, quando não é mais necessária a força bruta masculina anexadora de novos espaços físicos, como acontecia comumente como conquistas territoriais na era anterior, na Era de Peixes – hoje a força bruta é utilizada empregando-se a tecnologia das maquinas, que podem facilmente ser comandadas tanto por homens quanto por mulheres.

Na Era de Aquário com novas descobertas tecnológicas e de transformações profundas relacionadas ao comportamento humano, “vícios” milenares serão a partir de agora mais firmemente removidos, mas talvez aqueles mais difíceis de serem removido estejam na forma de informações acumuladas como aparente cultura, que para ser removidas vai exigir uma esforçada “faxina mental” – principalmente àquelas fundamentadas em culturas religiosas.

A verdadeira transmutação é uma Arte Mental. 

A palavra transmutar significa mudar de uma natureza (substancia) em outra e, da mesma forma então, a Transmutação Mental é a arte de transformar e de mudar os estados, as formas e as condições mentais em outras – é a Arte da Química Mental.

O “universo humano” é criação mental de uma mente finita (humana), enquanto o Universo d’O Todo é criação de uma Mente Infinita (Deus) e ambos são semelhantes em natureza, mas infinitamente diferentes em grau.

A Mente Infinita d’O Todo é a matriz dos Universos. 

O Universo como a humanidade o conhece não é substancial e nem duradouro – é uma coisa de tempo, espaço e mobilidade. 

A Verdade Absoluta pode ser definida como sendo as Coisas como a Mente de Deus as conhece, ao passo que a verdade relativa está relacionada às coisas como a mais elevada razão da mulher e do homem as compreendem.

Conhecedores de Princípios Universais as “sacerdotisas” e os “sacerdotes” de hoje (no Projeto Portal) valendo-se da Primeira Lei Universal que estabelece ser o Universo Mental em sua natureza, eles aceleram a sua freqüência mental para “chamar” com o auxilio da “Mãe Natureza” as “Naves” (GNA, Gemus, Ophiúcus e outras), para que elas se mostrem fisicamente como se aparecessem “do nada” e depois como se sumissem “no nada” e quando então, deduzem que é através da Infinita Mente Vivente (Deus), que mentes finitas (humanas) mesmo em realidades diferentes podem se comunicar e interagir.

Neste Novo Ciclo de especial abertura mental o ser humano precisa sair de uma realidade estática e obscurantista que tempos foi nele incutida pelo GO (Governo Oculto) e começar a vivenciar outra realidade mais dinâmica e mais vibrante, percebendo-a realmente mais eterna, tendo a noção mais clara que a vida é conhecer, é vivenciar o eterno conhecimento e, sobretudo, é cada um se conhecer cada vez mais, buscando no mais profundo de seu ser, o que ele chama de seu Cristo interno.

Aquela ou aquele que busca si mesmo deve ter a alma transbordando de aventura, certo de que se jogou destemido no mundo do nada das coisas materiais, mas tendo a certeza de que neste mundo visível como ponto mais baixo, encontrará o ponto mais alto alem mesmo do Universo físico, ao ser conduzido mentalmente através de seu Cristo interno para os mundos multidimensionais.

O “novo ser” desta Nova Era que realmente está em busca de si mesmo, ele deve “ser mental”, mas ao mesmo tempo deve ser também “espiritual” dentro de uma “alquimia” necessária para que se descubra harmonicamente em relação à realidade em sua volta, tanto aquela que ele vê, quanto àquela que ele normalmente não a vê, exercitando-se como “o observador” além mesmo dos processos quânticos de “entrelaçamento”, que envolvem realidades paralelas – o mundo do físico/real (da matéria) ao mundo do bioplasma e, respectivamente também, o mundo das emoções (da ilusão) ao mundo do mental (mágico e da criatividade).

A Física Quântica desmitificou a dicotomia matéria-onda, tendo o conhecimento que o Universo em constante vibração é composto de ondas e que nele o pensamento esparge ondas propagadoras na veiculação da energia empregada.

O direcionamento do pensamento submetido à Vontade de forma concentrada realiza “milagres”, pela interação ondulatória do pensamento na estrutura ondulatória da própria matéria.

As “novas” mulheres e os “novos” homens deste Novo Tempo já são capazes “como desbravadores em postos avançados”, concentrarem e utilizarem de sua Força Mental (Vontade), para que possam dominar Leis Universais como Co-Criadores e então, manipulando Freqüências Multivibracionais no mundo real, materializar ou transformar energias em matéria.

O Universo pode ser dividido em três grandes classes conhecidas de fenômenos, que como Três Grandes Planos são denominados: Grande Plano Físico, Grande Plano Mental e Grande Plano Espiritual e estes três Planos que se interpenetram e esta divisão que não é solida e nem exata pode ser colocada entre os mais elevados fenômenos do Plano Físico e o mais inferior do Plano Mental.

A vida antes de emergir em um nível de complexidade da matéria, já existia potencialmente nela.

A mente que também emerge com certo nível de complexidade da vida com o auxilio do cérebro, já existia potencialmente nela.

O “mundo Terra” já existia na Infinita Mente Vivente, projetado para que através dos elementos fogo, água, terra e ar servissem ao reino mineral, vegetal e animal coexistindo em equilíbrio.

As “sacerdotisas e os sacerdotes” de hoje estão em busca do Verdadeiro Conhecimento, que se perdeu no tempo e muitos deles associados distorcidamente às lendas e aos mitos, mas com informações que agora estão sendo recuperadas procuram tornar as “Senhoras” e os “Senhores” que dominam Leis Universais, porque é através destas que podem ser também os donos de suas próprias leis em seu “mundo interior”.

Buscar informações para adquirir novos conhecimentos é “vibrar” em outro nível de consciência e hoje as buscadoras e os buscadores de si mesmos buscam desenvolver a sua Potencialidade de Co-criadores, desenvolvendo intenso processo de criatividade interior para melhor perceber o “Mecanismo” da Causalidade Descendente – ou, a Consciência Cósmica ou Deus fazendo presente em sua vida de “observadores”.

A Nova Ciência traduzida pelos conceitos da Física Quântica exige das “sacerdotisas e dos sacerdotes” de hoje que pesquisem neste novo campo, desenvolvendo um estado de percepção (intuição) mais apurado e que os permite também mais interiorizados, “se ligarem” mais à Consciência Cósmica – o Ser Quântico que é o Verdadeiro Portador da Criatividade.

Tudo no Universo é Energia, os seres humanos são partículas conscientes no Universo, são partículas divinas constituídas de memória e vibrando através de suas Freqüências de Onda.

Aqueles que ficam em relação aos seus semelhantes flutuando entre a atração e a repulsão acaba por interferir no padrão evolutivo destes últimos, influenciando-os ao nível de seus campos eletromagnéticos, ao utilizarem de seu olhar ou do que falam – portanto, é necessário que todos os caminhantes destes novos tempos (mulheres e homens) abram para novos conhecimentos, abram a mente para uma maior compreensão em relação às Energias e não apenas aquelas de campos eletromagnéticos relacionados aos objetos.

No Universo tudo se move em movimento como “Pulsante Vida” em tudo o que existe, com os átomos agitando continuadamente ao embalo dos movimentos que compõem sua estrutura subatômica.

O corpo humano através do “circuito” cérebro-mente emite em sintonia com o processo vibratório universal uma Onda de Freqüência, que é a sua Identidade Vibracional, que está também interagindo constantemente com outras Frequências de Onda e que tanto é uma forma de onda eletromagnética quanto um campo cósmico de memória que se movimenta.

As buscadoras e os buscadores do Conhecimento deste Novo Tempo caminham para uma mente mais cósmica, distanciando-os daquela outra dos Dez Mandamentos, que “apenas olhando para baixo”, os enquadra às necessidades próprias de um ser, que vive em um pequenino planeta (Terra) perdido na vastidão do Universo – as Leis contidas nos Sete Princípios Universais que agora delas eles têm mais noção, são claras e validas em qualquer parte do Universo e os impulsionam aceleradamente ao Multidimensional.

O objetivo destas “novas” mulheres e destes “novos “homens” é voltado à evolução mental, que os permite utilizar corretamente de sua energia vibracional e ter o pleno domínio de suas potencialidades mentais, permitindo-os que alcancem níveis mentais compatíveis com as mudanças vindouras necessárias a uma nova etapa evolutiva físico-mental e emocional-comportamental para a humanidade – estes “novos seres humanos” têm por finalidade aprender coordenar seus pensamentos e desejos e, com isto, canalizarem energias para que atuem favoravelmente de acordo com os seus objetivos voltados ao Todo – a Deus.

As “novas mulheres” e os “novos homens” deste Novo Tempo apresentam uma série de características emocionais e mentais, que os sinalizam como possuidores de habilidades extrassensoriais e, com uma grande sensibilidade possuem também padrões de comportamento, que geralmente estão caracterizados como intuitivos e direcionados a um conjunto de procedimentos especialmente muito próprios compatibilizados à Era de Aquário – são possuidores de uma nova visão da Realidade, já sabendo também dar os seus “cliques mentais” que os permitem alcançar alem da ilusão do chamado mundo real (físico), registrando com fotos ou com filmagens, acontecimentos que normalmente não são vistos, não estão comumente circunscritos à ilusão limitadora dos sentidos.

As “sacerdotisas e os sacerdotes” destes novos tempos já estão lidando com inteligências de universos paralelos dentro de freqüências também universais paralelas, quando transformam o seu corpo físico (e mental) em uma “maquina” consciente e eficiente, gerando um campo de energia, que através dele podem de forma direcionada ligar ao campo de energia maior da Terra (malha magnética) e desta com a Energia vibrátil presente em todo o universo, que com ela por fim, podem “se entrelaçar” às realidades paralelas – eles já possuem uma visão mais à frente e sem mais ficarem presos às preocupações do dia a dia dentro de freqüências mais aceleradas dos “portais”, já aprenderam desligar da “viscosidade energética” do plano físico.

Nesta Era de Aquário, a mente humana já desperta, está agora mais voltada à Consciência Cósmica, o ser humano mais intuitivo já percebe que “parte do mistério” a ser desvendado não está fora, mas está dentro dele, que nele está de fato a próxima grande fronteira a ser descoberta e que ele em sintonia com a sua evolução mental, deve caminhar junto com a busca do “espiritual”, em momentos em que a sua mente agora “mais maleável” e menos limitada pelos sentidos, se abre para o Verdadeiro Conhecimento.

Em muitos trabalhos vibracionais do Projeto Portal é posto em pratica o Principio Universal de Gênero, quando as mulheres (energia feminina) apesar de possuírem trinta e sete canais mentais, portanto superando muito em capacidade criativa (nos trabalhos alquímicos) os homens (energia masculina) com dezoito canais mentais, mesmo assim as “presenças vibracionais” destes são necessárias para potencializá-las, dentro do equilíbrio universal das polaridades – e nestes trabalhos também podem ser observados em ação cinco Princípios Universais: o de Mentalidade, (de onde todos os Princípios originam), o de Correspondência (Co-criadores), o de Polaridade (Energia Positivo-Negativa) e o de Vibração (em qualquer trabalho no Projeto Portal é sempre utilizadas Frequências Multivibracionais, originadas de energias emocionais e sexual – kundalini).

A Era de Aquário que está também relacionada à natureza mundano-corpórea, os seres humanos passarão fisicamente por uma formidável transformação, para que eles se sensibilizem e harmonizem com o corpo maior onde estão inseridos (Universo) e tenham uma maior compreensão de si mesmos através do aprimoramento mental, levando-os a uma maior sintonia com a sua energia interior através de vibrações “espirituais” de sua verdadeira natureza.

Nestes novos tempos mulheres e homens que estão em real busca do Cristo Universal procuram se vestir com uma nova e inteiriça roupagem – a do “Vencedores”, sem mais “os remendos” de dogmas e de outros conceitos arcaicos e inconsistentes na forma de preconceitos, que não os permitem que se vejam e ajam como Co-criadores e não se percebam de forma espontânea e mais integrada ao Todo – em fusão de sua condição de individuo parcial e finito com o Ser Universal e Infinito.

O ser humano é essencialmente um ser espiritual, condição que ele mostra quando faz a si mesmo três perguntas fundamentais: “quem sou, de onde vim e para onde vou?”

O ato de “ser espiritual” é se deixar estimular na vida, quando ele procura dá-la um significado como um ser criativo – como um ser Co-criador.

O QS ou o Quociente Espiritual identifica a inteligência espiritual sem manter, entretanto,  uma conexão necessária com qualquer tipo de religião ou seita, portanto, a condição de ter práticas religiosas não garante um QS elevado a quaisquer pessoas – ateus podem tê-lo muito alto, enquanto muitas “pessoas religiosas” podem tê-lo baixíssimo.

A inteligência espiritual permite integrar o intrapessoal e o interpessoal, ao extrapolar o imenso fosso entre uma pessoa e outra, através de mais compreensão e respeito, sem se deixar levar pela pequenez de ponto de vista, inclusive religioso – a sociedade atual perdeu o senso dos valores fundamentais, ela em relação aos reais valores espirituais atrofiou quando vive o imediatismo – o apenas visível.

A cultura do homem moderno tornou-se estúpida, literalmente sem sentido, quando palavras como alegria, felicidade, divino, compaixão, transcendência e amor, entre tantas outras que deveriam refletir a verdadeira riqueza da alma humana e também um significado maior ou mais universal, o sentido delas nas ações humanas se mostra deturpado.

Na cultura ocidental principalmente voltada ao consumismo e direcionada ao que se julga ser de fato o objetivo real, as pessoas deixam conduzir de forma excessiva pelos sentidos, vivenciando um mundo tipicamente de anseios materiais, portanto com dificuldade de conceberem e vivenciarem nele o imaterial, o mundo invisível do “espiritual” – e do multidimensional.

A inteligência espiritual requer que mulheres e homens se tornem conscientes de seu Eu Profundo e se enraízem neste centro da sua própria existência, obter alto QS (inteligência espiritual) requer também que eles vivam em constante espontaneidade e que sejam profundamente honestos com si mesmos – profundamente consciente de si mesmos.

Os seres humanos devem trabalhar para a sua transformação, fazendo revisão de suas emoções e de seus sentimentos, eles devem procurar vivenciar a “Somação”. 

A separação apenas existe na mente (dual) daqueles, que distorcidamente se vendo pequenos sem o necessário padrão evolutivo, não se percebem em sua imensa responsabilidade dentro de sua Verdadeira Realidade Vibratória e literalmente de Luz – os ensinamentos de Cristo Jesus se inserem dentro desta Visão e também em uma Visão essencialmente Cósmica.

É impossível tentar compreender pela lógica o espiritual contido nos quatro evangelhos (e em alguns apócrifos), se está movido apenas pelo “ego” físico-mental, porque a plenitude contida em seus ensinamentos não está ao alcance daqueles ainda movidos por apelos externos, daqueles que apenas voltados para a matéria não percebem que ser bom é o mesmo que ser feliz, com uma felicidade interior e espontânea por tudo amar – amar o próximo como a si mesmo, voltados para o Primeiro Princípio Universal, buscando o Verdadeiro Sentido do Bem que é inseparável do ato de “se buscar” em tudo e em todos – buscar o Todo, Deus.

No mundo da dualidade e das experiências humanas as duas maiores potências são intelecto e razão, que podem também estar associadas respectivamente ao significado de “Satan” e de Cristo – ou, do egoísmo e do amor que busca o Sentido do Bem.

Apenas quando a Inteligência humana dispõe a servir o Cristo interno – o Lógos, é que a felicidade mais verdadeira instalará na Terra – na Nova Era que já se inicia, com a presença mais premente do Bem. 

A presença de Deus não é obra que acontece em função de terceiros ou pelas circunstancias da natureza, mas é algo que mulheres e homens produzem dentro de si através da intima substancia de seu Ser.

Os seres humanos são induzidos a todo o instante se extrapolarem para além do mundo real e físico, para um mundo de mais vibração e de luz, onde comunidades de seres mais evoluídos conservam e dirigem a vida de todas as coletividades planetárias – e, para que consigam “fazer esta viagem”, devem se valer da Energia de sua Chama Trina irradiada de seu coração, que os possibilita no aqui e agora vibrar na Freqüência do Cristo Universal.

A Chama Trina se fazendo como chave, abre o coração e a mente de mulheres e homens para que entrem em outro mundo já com a visão ampliada de Realidade – ela possibilita que sintonizem e interajam com outros planos de existência e comuniquem com outros seres nestas freqüências, por exemplo, com os seres do plano devico.

Agora é a hora do despertar, de conectar com “O Mais Supremo”, de se integrar com os universos paralelos e de vibrar no Amor, mas não mais no amor que é traduzido apenas como emoção, como sentimento de um mundo humano que quase sempre está experienciando o dual, o antagônico gerador de conflitos – chegou o tempo do “Outro Amor”, do “Amor diferente”, já acrescentado e transformado.

Este ciclo que agora se inicia é o tempo da Chama Trina, da Realização e do Salto Quântico e também dos “Vencedores” – é a ocasião das “sacerdotisas e dos sacerdotes” realizarem os seus “próprios milagres”, já dominando Leis Universais e manipulando Freqüências Multivibracionais.

Neste Novo Tempo é a ocasião das pessoas se perceberem mais em sua Verdadeira Realidade, identificando-se de forma mais consciente com o “Sentido de Verdade”, que as aproxima cada vez mais também do “Sentido de Deus”, sem mais possuírem apelos distorcidos místicos e religiosos – aquelas que estão em busca de Deus, já estão vivenciando esta experiência intima não transferível.

Aqueles que buscam Deus de fora de si, não o possuem realmente nem depois de tê-lo aparentemente buscado, porque esta busca vem da própria alma da pessoa, quando ela “vibra” e “sabe” sobre Deus – aquelas pessoas que não trilham este caminho nunca alcançarão esta percepção, mesmo que teoricamente se sustentem em intermináveis definições teológicas.

Todas as coisas manifestadas têm dois lados, dois aspectos com dois pólos opostos (Quarto Princípio Universal – o de Polaridade), com muitos graus de diferença entre os dois extremos. 

As pessoas podem transformar coisas da mesma natureza, mesmo que estejam em graus diferentes, assim o ódio e amor são mutuamente transmutáveis, como também o medo e a coragem, mas o medo não pode ser mudado em amor e nem a coragem em ódio. 

Aquelas pessoas que estão cada vez mais procurando se informar, adquirir conhecimentos e se tornarem “observadoras” antes de tudo de si mesmas, torna-se mais fácil para elas perceberem que os seus estados mentais são todos eles uma questão de graus, portanto que elas podem elevar ou abaixar a sua vibração à vontade, procurando mudar os seus pólos mentais, neutralizando-os e não os deixando ser por eles dominadas.

Os seres humanos apenas usam de seu corpo, onde está presente “Uma “Inteligência” que não se deixa interferir pela sua mente, é a mesma “Inteligência Superior”, que sustenta também tudo mais na natureza e que com ela podem se identificar, quando se tornam ainda mais conscientes de seus campos eletromagnéticos corpóreos através de seus centros energéticos – de sua energia interna, percebendo-a como a fonte de sua vida, como a presença mais verdadeira que anima o seu corpo físico e os seus outros demais corpos.

No início deste Novo Tempo a “Caixa de Pandora” está sendo reaberta, para que dela flua o único benefício ali existente e que até então estava vedado à humanidade – o beneficio da Esperança (e da Realização).

As “sacerdotisas e sacerdotes” de agora – senhoras e senhores de seus próprios destinos, dominando Leis Universais e manipulado habilidades extrassensoriais, estão reconquistando o “Fogo de Prometeu – estão fazendo acontecer através da Energia Crística a “Sarça Ardente” ou, “o fogo que não queima”.

Aqueles que não só pesquisam buscando novos conhecimentos, mas que também buscam o “conhecimento” de si mesmos como os “Prometeus” de hoje, eles estão retomando o que foi tirado da humanidade desde o seu inicio, estão readquirindo Conhecimento para que eles possam cada vez mais manipular a “Luz” – literalmente o “Fogo” dos deuses (dos seres extraterrestres).

Como arautos da Boa Nova de Cristo os dimensionais e pesquisadores deste Novo Tempo já conseguem interagir com o “Fogo de Prometeu”, mas como outra Freqüência – como a Energia Crística (Luz/Cor Vermelha), fazendo com ela acontecer na terceira dimensão fenômenos inerentes aos mundos paralelos, que são muitas vezes citados no Velho Testamento como se fossem causas da presença física de Deus.

As “sacerdotisas e os sacerdotes” de hoje não vieram para se mostrarem em altares ou em púlpitos de igrejas ou de templos físicos, mas para em condição especial em todos os locais exercitar o seu compromisso também especial, ajudando a dar um basta no caos mental e na desarmonia vivenciados pela humanidade, que desviou de sua Verdadeira Realidade Vibratória e Multidimensional. 

Os arautos deste Novo Tempo vieram para ajudar redirecionar o que foi ensinado há dois mil anos atrás, vieram para passar conhecimentos relacionados ao domínio de Leis Universais e a manipulação de Frequências Multivibracionais como fez Cristo Jesus, que tinha um padrão vibratório como um ser humano, mas a Sua Consciência Divina estava sempre direcionada e conectada em outra Esfera de Realidade de muito mais vibração.

A Era de Aquário não é mais um tempo para uma linguagem contaminada pelo sentido religioso do pecado e do medo, mas para uma linguagem energético-vibracional mais sintonizada com a Consciência do Amor como uma Energia em Conexão com o Pensamento de Deus direcionado ao Sentido do Amor que só com ele a Vida pode ser gerada – e, a energia feminina em ressonância com este Amor é sublime, quando faz da mulher com a sua capacidade geradora kundalini, a fonte e o centro mágico da vida.

Agora é a hora, é a hora para a Realização para que se mostrem os Co-criadores e façam acontecer, que se mostrem as “guerreiras” e os “guerreiros” possuidores de habilidades paranormais e se façam mais presentes neste momento de transformação da humanidade.

É o momento para que estas “guerreiras e guerreiros” viajores no tempo “lutem” nesta “Batalha do Bem” programada no futuro e vençam – sejam “Vencedores”.

As relações amorosas e sexuais juntamente com a miséria e as doenças são as maiores fontes do sofrimento humano.

O comportamento sexual é modelado pela cultura do momento e a forma como o ser humano ama e pratica sexo é construída socialmente, com crenças, valores e expectativas determinando a conduta intima de homens e de mulheres.

Até cinco mil anos atrás era ignorada a participação do homem na procriação, supondo-se que a vida pré-natal das crianças começava nas águas, nas pedras, nas arvores ou nas grutas, que começava no coração da Mãe Terra, antes de ser introduzida por um sopro no ventre da mãe humana.

Na Grécia clássica o sentimento amoroso mais valorizado era entre os homens e, a bravura e o heroísmo sendo o resultado de tal amor.

Na Antiguidade Tardia, entre os séculos III e V, o sexo era algo tão abominado pela Igreja, portanto o casamento continente (totalmente sem sexo) tornou-se o ideal cristão – ainda nesta época, milhares de pessoas fugiam para o deserto em busca de pureza e também acreditavam que o martírio de seus corpos contra os desejos sexuais, os livraria “da danação eterna.”

Durante a Idade Media deu-se um grande passo – do amor unilateral para o amor recíproco, porque antes a Igreja ordenava amar unicamente a Deus, portanto até o século XII o amor por outra pessoa era impensável, porque o certo era amar Deus sem exigir nada em troca.

Na Renascença foi um período de pura crueldade (séculos XV e XVI), quando milhares de mulheres durante a “caça às bruxas” foram torturadas e queimadas vivas nas fogueiras, sendo acusadas de “feitiçaria”, roubo de sêmen de homens adormecidos, de provocar impotência e esterilidade, entre outros malefícios – e, moças atraentes, apenas por serem belas, eram suspeitas de ter relações sexuais com Satã.

No século XIX (período romântico) valorizava-se a palidez e a decadência física como prova de sensibilidade da alma, o amor no casamento passou a ser uma possibilidade, mas a repressão sexual continuou intensa.

A grande novidade do século XX foi os jovens passarem a marcar os encontros amorosos por telefone e sair a sós de carro e a partir de 1940 o casamento por amor se generalizou.

Na década de 1950 ainda se reprimia a sexualidade, a conduta principalmente das mulheres era controlada, casar para a mulher era a principal meta a ser alcançada na vida e, para isto, era necessário impor respeito.   

Mais posteriormente à Segunda Guerra, aconteceram (motivadas pela tecnologia) mudanças radicais em relação ao comportamento sexual humano, quando chegou ao mercado a pílula anticoncepcional, dissociando definitivamente a procriação do prazer sexual.

Hoje, os jovens do terceiro milênio vivem outros padrões de comportamento, quando discutem abertamente a sexualidade através dos veículos de comunicação e a sociedade já aceita comportamentos relacionados à orientação sexual, antes não aceitável.

Só refletindo sobre a mentalidade de épocas passadas, é que se transpõem as dificuldades presentes – para que se liberte do passado, precisa-se antes que se dê atenção a ele.

Algo” aconteceu no Oriente Próximo durante os misteriosos sete mil anos do Neolítico, quando o homem transformou-se de parceiro da mulher mais ou menos igual na sociedade, em um déspota reconhecido.

Após a instalação do patriarcado há 5 mil anos, a mulher adquiriu a condição de mercadoria, quando podia ser comprada, vendida ou trocada, ela passou a ser considerada inferior ao homem e, portanto subordinada à sua dominação – e, durante este período a cultura autoritária e violenta dominada pelo homem era vista como normal e adequada, apoiando-se em dois pilares básicos: do controle da fecundidade da mulher e da divisão sexual de tarefas, com a sujeição física e mental da mulher como o único meio de restringir sua sexualidade e mantê-la limitada às tarefas especificas.

O estabelecimento do patriarcado na civilização ocidental foi um processo gradual que levou quase 2.500 anos – entre 3.100 a 600 a.C.

A lógica patriarcal começa no Ocidente com a democracia ateniense, no século V a.C e o fim desta lógica se enraíza na Revolução Francesa, quando a democracia pretende aplicar-se a todos.

As mulheres tiveram sua sexualidade reprimida e distorcida a ponto de até hoje muitas serem incapazes de se expressar sexualmente e muito menos atingir o orgasmo e, os homens por sua vez também tiveram a sua sexualidade bloqueada, com a preocupação em não perder a ereção, até hoje muitos fazem sexo apressado com o objetivo de rapidamente ejacularem.

Os homens são levados a organizar sua energia e percepção em torno do desempenho e assim, se transformam em maquinas de fazer sexo, preocupados apenas em “marcar pontos” e ter ereções, o sexo passa ser para eles um esporte, transforma em um jogo que se disputa a dominação da mulher e, este roteiro “homem-caçador” versus “mulher-presa” causa sérios prejuízos à sexualidade masculina.

A maioria dos homens ainda persegue o ideal masculino – força, sucesso e poder, porque desde criança são ensinados a desprezar as emoções delicadas e a controlar os sentimentos, a não ser aqueles próprios de um guerreiro, portanto demonstrar ternura, se entregar relaxado à troca de prazer sexual com a parceira é difícil, porque perder o controle ou falhar é uma ameaça constante para ele.

O processo de socialização que transforma os meninos em homens (“machos”) impede a espontaneidade na relação com as mulheres – é impossível ser “sensível”, quando se está “travado emocionalmente”.

Na realidade a diferença entre os sexos é anatômica e fisiológica, o resto é produto de cada cultura ou grupo social, tanto o homem como a mulher podem ser fortes e fracos, corajosos e medrosos, agressivos e dóceis, passivos e ativos, dependendo do momento e das características que predominam em cada um, independente do sexo – insistir em manter conceitos de feminino e de masculino é prejudicial a ambos os sexos por limitar as pessoas, aprisionando-as a estereótipos.

A mentalidade patriarcal que definiu com tanto rigor o masculino e o feminino está perdendo as suas bases, cada vez mais as pessoas desejam ser o todo, ou seja, não ter mais que reprimir aspectos de sua personalidade para corresponder às expectativas de atitudes consideradas masculinas ou femininas – a dissolução da fronteira entre o masculino e feminino possibilita uma sociedade de parceria longe do modelo de dominação de uma parte da humanidade sobre a outra, como existiu nos últimos milênios, muito a grado da cultura religiosa judaico-cristã.

Os gregos “inventaram” o amor, dando-lhe dois nomes: Eros (amor físico) e Ágape (amor espiritual), elaborando a respeito dos dois tanto a teoria como a pratica: Ágape significando afeto profundo e afeição, Eros uma atração física intensa por algo ou alguém, significando um desejo vigoroso, um principio de ação cuja energia é a libido.

Dentro do mundo grego da sexualidade a cidadã grega só possuía dois direitos, que eram o de gerar descendentes legítimos e o de herança, porque na antiga Grécia as mulheres eram tidas como irracionais, hipersexuadas e moralmente defeituosas e a sua finalidade era apenas o aumento da prole e os cuidados com o lar – a repulsa contra o casamento era parte da repulsa geral contra a mulher e seu mundo.

Aristóteles afirmava o masculino como superior ao feminino em mente, corpo e processo procriador, para ele o sêmen continha a alma e as secreções femininas formavam o corpo físico, já Eurípedes retratava a mulher como adultera e perversa, enquanto Aristófanes satirizava-a como beberrona, fofoqueira, briguenta e ambiciosa.  

Como na antiga Grécia o homem era considerado mais próximo da perfeição, este podia ser objeto do amor ideal, particularmente o homem de cultura e requinte, que buscava afinidades de espírito como parte do amor – e, neste sentido, o adolescente com o seu rosto imaturo e com seu corpo ainda em desenvolvimento, com as suas forças espirituais ainda não desabrochadas e com a sua promessa de masculinidade ulterior, podia inspirar ao homem adulto grego uma emoção ainda mais intensa e mais apaixonada do que a provocada pelas hetairas (prostitutas).

A efebia (relação homossexual grega básica) se dava entre um homem mais velho e um jovem, porque o jovem tinha qualidades masculinas: força, velocidade, habilidade, resistência e beleza e o mais velho possuía experiência, sabedoria e comando – o efebo (o púbere) entregue a um tutor se transformava em cidadão grego, era treinado, educado e protegido, com ambos desenvolvendo uma paixão mutua, mas sabendo dominar esta atração.

Para a maioria dos homens na Grécia antiga o amor com mulher era uma loucura trágica, força esmagadora e enfermidade ruinosa, porque a mulher tristemente imperfeita, não era merecedora do amor ideal ou de proporcioná-lo em troca.

A Grécia viveu seu momento de maior esplendor nos séculos V e IV a.C., particularmente Atenas em uma época de apogeu da democracia e do desenvolvimento cultural, entretanto algum tempo depois surgiu um novo mundo no Mediterrâneo e no Oriente Próximo através dos macedônios, que organizaram uma poderosa estrutura militar e foram conquistando os territórios gregos – e, nesta ocasião, nas campanhas militares de Alexandre, o Grande, que teve como o seu mentor em sua infância e parte de sua juventude Aristóteles, aconteceu a fusão da cultura grega com a oriental, transformadas em outra forma de expressão chamada de Helenismo.

O Período Helenístico é o período da historia da Grécia compreendido entre a morte de Alexandre, o Grande e a conquista península grega e ilhas por Roma, em 146 a.C. – e, esta conquista definitiva do território grego transformou a Grécia em província do vasto Império Romano.

Os romanos admiradores da civilização grega absorveram muito de sua cultura, portanto o amor em Roma era sexualmente intenso e não prejudicado pela noção de pecado, mas apresentava estranhamente misturado com a obscenidade e com o ódio.

As relações amorosas e sexuais na Roma antiga ainda continuaram com a reputação negativa principalmente por dois motivos: primeiro por envolver dependência de uma mulher, uma criatura também para os antigos homens romanos moralmente inferior e segundo porque os fazia se sentirem no ato sexual com ela também inferiores, por levá-los perder o domínio (numa cultura obcecada pela dominação).

Os deuses gregos e suas historias foram incorporados pelos romanos, tendo seus nomes traduzidos como, por exemplo, Júpiter romano (Zeus grego), Vênus romana (Afrodite grega) Cupido romano (Eros grego).

Na antiga Roma existiam lugares (como o pé da coluna Lactaria), que eram destinados especificamente ao abandono de bebês indesejados, em geral meninas, mas às vezes meninos ilegítimos ou deformados.

Os casais na Roma antiga assumiam a dupla responsabilidade de perpetuar o nome da família do marido e gerar filhos homens para Roma, que dependia de soldados para protegê-la e manter o seu poder – então, os romanos preocupados com os riscos de uma natalidade baixa se tornaram obcecados pelo tema, a partir do século II a.C.

Entretanto. A homossexualidade na Roma antiga continuou popular, mas conservou-se no terreno puramente físico, com os homens romanos não manifestando interesse em conquistar os jovens por meio de atrativos “espirituais” ou intelectuais como os gregos, mas preferindo seduzi-los ou comprá-los (escravos) e levá-los para casa sem estas preocupações – o importante continuava sendo respeitar as mulheres casadas, as virgens e os adolescentes livres de nascença (romanos), mas a relação homossexual com um jovem era aceitável, desde que a relação sexual fosse ativa de um homem livre (cidadão romano) com um escravo ou com um homem de baixa condição.

Virgilio tinha o gosto exclusivo por rapazes, o imperador Claudio por mulheres, Horacio pelos dois sexo e o imperador Adriano por Antínoo, que depois de sua morte precoce, recebeu deste imperador não poucas vezes um culto oficial – o efebo, objeto de amor dos gregos, foi substituído na Roma antiga pelos escravos, que servia os romanos como amantes.

Augusto governou Roma durante a era de ouro da literatura latina e antes dele a arrecadação financeira tinha sido inconstante e incerta, assim em seu governo cada contribuinte em potencial teve que ser registrado por meio de um censo e esta nova ordem fiscal fez com que José, um carpinteiro da Judéia e a sua esposa grávida Maria viajassem à cidade de Belém, onde seriam registrados pelo censo romano – e ali a criança que pouco depois nasceu, tornou-se o homem que mais influenciou a Historia do Ocidente.

Nenhum evento isolado foi tão importante como o nascimento de Jesus, que aconteceu em Nazaré, na Palestina, não se sabendo ao certo quando, embora a data provável possa ser alguns dias após a comemorada atualmente (6 a.C.)

No tempo de Cristo Jesus haviam vários profetas, mas os ensinamentos dele foram os que afetaram mais profundamente as pessoas, transformando os seus valores – os evangelhos escritos pelos seguidores de Jesus anos após sua morte baseiam-se nas memórias dos que conheceram e relataram a sua vida, com a intenção mais presente de demonstrar que ele era o Messias.

Paulo (9-64 d.C), apesar de não ter conhecido Jesus, foi o ideólogo do cristianismo e depois de Jesus foi talvez a figura mais importante desta religião que se iniciava, este “apóstolo dos gentios”, fez do cristianismo uma religião aberta a todos, mas em sua pregação não repetiu apenas o que Jesus dissera e, por isto, tem sido acusado de ter difundido um cristianismo também seu – diferente da fé que Jesus planejara.

Para alguns autores Paulo foi “o inventor” do cristianismo e como tal, foi aquele que deturpou os ensinamentos de Jesus e os transformou em uma religião, que acabou por desenvolver horror aos prazeres do corpo, abster do sexo e optar pelo celibato, atitudes consideradas por ele como superiores.

A partir de Paulo a condenação da sexualidade só foi crescendo, com o anti-sexualismo tornando-se um refrão obsessivo no decorrer do tempo.

No tempo do ideólogo Paulo os romanos foram aos poucos adotando uma nova moral, foi uma mudança misteriosa que ocorreu pouco antes do ano 200, no tempo de Marco Aurélio, que em seu governo outra antiguidade estava começando, quando os esposos deveriam ser castos, não se acariciando demais e o sexo sendo apenas para a procriação.

Talvez, nesta época o erotismo pagão já tivesse se desgastado por excessos ao longo dos tempos, deixando um tédio que assumiu proporções excepcionais, o que também ajudou nesta nova postura governamental romana em relação à conduta sexual daquele tempo.

O cristianismo nascente ainda ajudou o estabelecimento desta nova postura sexual, mas tinha outras preocupações, como guerra às riquezas, ao egoísmo, à usura e à crueldade do mundo romano.

O cristianismo trouxe como principal novidade a ligação entre “a carne e o pecado”, com os primeiros textos cristãos valorizando, sobretudo, a castidade, a virgindade e, ao contrario do que muitos pensam não priorizavam nem o casamento e nem a família, mas o ascetismo cujos valores essenciais eram a virgindade e a continência como realização da virtude, que buscavam a plenitude da vida moral.

Foi Agostinho que naquela época resumiu o sentimento geral entre os padres da Igreja, de que o ato sexual era fundamentalmente repulsivo, Arnóbio o chamou de sujo e degradante, Metódio mencionou-o de indecoroso, Jerônimo de imundo, Tertuliano citou-o como vergonhoso e Ambrósio de conspurcação.

Os primeiros cristãos passavam o tempo todo preocupados em reprimir seus impulsos biológicos, mas quanto mais esforços faziam, mais eles retornavam, quando então colocavam a culpa de suas visões e tentações sexuais no demônio.

Freiras e outras mulheres cristãs muitas vezes protestavam raivosamente, dizendo que incubus (seres demoníacos masculinos) as visitava e as obrigava cometer “atos indecentes” e o mesmo acontecia para os homens com os succubus (seres demoníacos femininos) – e como a Igreja desenvolveu horror aos prazeres do corpo, as pessoas que optavam pela castidade eram consideradas superiores.

Homens se fizeram eunucos voluntários para ganharem o “Reino dos Céus”.

O ascetismo conduziu sem duvida à intolerância, ao obscurantismo e à agressividade aberta, isto porque o asceta não se contentava em apenas controlar a si mesmo, inevitavelmente tentava controlar a carne e a alma dos outros – e, de certa forma, é o que acontece até hoje por intermédio dos seguidores de muitas seitas, que com visão estreita do mundo e da ciência em constante renovação, vêm tentando coibir os demais com sua “ignorância fundamentalista”, dizendo-se escudados na condição de seguidores de forças divinas superiores.

Por serem as mulheres consideradas as tentadoras do homem, dirigentes antigos da Igreja Católica as consideravam piores do que um ser inferior e o pronunciamento de Tertuliano sintetiza bem este sentimento: “Vós sois o portão do demônio, vós sois a primeira desertora da lei divina, por vossa causa o Filho de Deus teve que morrer”.

Para os seguidores da religião cristã iniciante as mulheres eram vistas como fracas, débeis, lerdas de raciocínio, instáveis, enganadoras e o tipo de pessoas quem não se devia confiar e, para eles ainda, Deus amava mais os homens, porque criara a mulher (Eva) da costela de um homem (Adão) – a mulher era feita do homem e para ele.

Em seu inicio a religião católica tinha como a queda da humanidade do Paraíso, não por culpa de Adão comer a maça, mas de Eva que a dera para ele, mas embora os homens devessem ter bons motivos para sentir rancor das mulheres, não era cristão sentir rancor de um ser inferior e sim, cuidar dele.

Para os cristãos a monogamia foi transformada em serio contrato por toda a vida, celebrado sob os auspícios religiosos e sem possibilidade de ser dissolvido, ao contrario dos gregos e dos romanos – assim, foi a primeira vez que uma instituição de tanto alcance quanto a Igreja Católica adotava também um só padrão sexual e influenciava até o imperador Constantino, que pôs em vigor uma lei que tornava o adultério punível com a morte.

No ano de 312 houve um acontecimento decisivo na historia ocidental e até mesmo mundial, quando o imperador Constantino converteu-se ao cristianismo depois de um sonho e transformou o cristianismo em religião amplamente favorecida.

O imperador Teodósio em 392 (oitenta anos depois) fez do cristianismo a religião do Estado, quando então ocorreu a transformação de um deus anteriormente rejeitado em um deus oficial – e partir daí também significou, que nenhum súdito podia professar outra crença, sob pena de cruel perseguição e, muitas vezes, da condenação à morte.

Os cristãos nesta época aceitavam a única explicação, que o pecado sexual era diretamente responsável pelo desmoronamento do império romano e cujas aflições eram interpretadas como sendo punição imposta à humanidade por um Deus enfurecido – e, neste clima enquanto Roma ruía vagarosamente, um novo conceito de casamento e família estava surgindo.

A repressão sexual que a Igreja Católica exercia (e ainda exerce) sobre os fieis trouxe graves consequências para adultos e crianças, não só para a sua vida psíquica, mas também para a sua integridade física e esta conseqüência reflete até hoje através do numero impressionante de abusos sexuais em seu seio.

A Igreja Católica até hoje colhe o que semeou, demonizou o sexo que agindo como em um “tsunami” a varreu (e ainda a varre) com acontecimentos indesejáveis proporcionados por muitos de seus membros e indo de encontro com que na teoria (ideologicamente) prega.

Nos anos de 392 a população praticamente privada de instrução, eram os nobres e os membros do clero católico que sabiam ler e escrever e desta forma os religiosos principalmente consideravam seu dever explicar a Historia, buscando detectar nela o que achavam serem os sinais de Deus, quando então neste período criaram fartamente novos heróis e santos, que em principio foram os mártires em seus corpos, mas a partir do século XIII com a Inquisição, em sentido oposto, se valeram da tortura corpórea como uma pratica legitima, que era aplicada a todos os suspeitos de heresia.

Os cristãos dissociaram o amor, separando-o do sexo, o amor era um “assunto” de Deus e o sexo um “assunto” do Diabo – o amor na Idade Media deveria ser unicamente dirigido a Deus, fora disto o termo amor nunca deveria ser empregado em sentido positivo.

Na Idade Media o que é hoje chamado comumente de amor foi totalmente ignorado, porque era visto como paixão sexual irracional, selvagem e destrutiva – a Idade Média é a matriz do atual comportamento humano, que foi concebido neste período.

A dinâmica da sociedade e da civilização medievais resulta de tensões: entre Deus e o homem, entre o homem e a mulher, entre a cidade e o campo, entre a riqueza e a pobreza, entre a violência e a paz e entre a razão e a fé, mas a principal destas tensões é a entre o corpo e a alma.

No começo da Idade Media o papa Gregório qualifica o corpo humano de “abominável vestimenta da alma”, mas por outro lado o corpo é glorificado com o acontecimento capital da historia (ocidental) através da encarnação de Jesus se oferecendo como resgate da humanidade, pelo gesto salvador de Deus tomando o corpo de homem e então, fazendo com que a sociedade balance entre o desprezo e a glorificação do corpo, com a nudez indo oscilar entre o apelo à inocência de antes do pecado original como a beleza física dada por Deus aos homens e às mulheres e o feio da luxuria alimentada pelo instinto sexual – e, do mesmo modo a beleza feminina oscilará entre Eva tentadora e Maria a redentora.

A noção de pecado contra a natureza se dilatava na Idade Media com a extensão do conceito de sodomia e outros conceitos, mas a Igreja não se empenhava em impedir o estabelecimento da prostituição, atitude expressada por Tomás de Aquino quando comparava os esgotos do palácio às prostitutas, que sem elas o mundo cheio de devassidão a virtude das mulheres honestas iria por água abaixo – e, como se vê, esta atitude favorecia um padrão duplo de sexualidade, apesar de que a doutrina formal da Igreja se posicionasse em sentido contrário.

Na Idade Média a idéia de que duas pessoas podiam estar amando e nutrindo desejo mutuo, não deixava de ser uma rebeldia perigosa, para a Igreja pregando que o amor deveria ser unicamente direcionado a Deus, o amor recíproco (entre o casal) parecia impossível – a mudança na atitude do homem em relação à mulher nesta época (entre os anos de 1.100 e 1.400) foi a maior em todos os 4 mil anos de civilização, transcorridos até então.

O papado em seu início foi constituído por papas não tanto dentro dos interesses totalmente religiosos, mas por outros interesses, inclusive, os políticos e o papa Gregório VII na ultima metade do século XI expediu uma proibição do casamento clerical, havendo por isto violenta reação em algumas partes do mundo cristão – os padres católicos germânicos preferiam desistir da vida religiosa a separar de suas esposas, mas a Igreja acabou vencendo e ficou estabelecido o principio do celibato sacerdotal.

No século XV era de mau gosto elogiar francamente o mundo e a vida, estava na moda ver apenas o sofrimento e a miséria, descobrir em tudo sinais de decadência e da aproximação do fim, em suma condenar a maneira comumente de proceder naqueles tempos, tendo por este procedimento desprezo – os nobres tinham necessidade de adornar a alma com as roupagens do pesar.  

O povo aceitava todas as proibições que a Igreja impunha, enquanto acreditava que ela era a mediadora entre o homem e Deus, mas no final da Idade Media apesar da maioria das pessoas ainda acreditar em Deus (católico), era cada vez maior o questionamento a respeito da conduta da Igreja.

No século XVI, período conhecido como Renascimento, o sacerdote germânico Martinho Lutero atacou a corrupção na Igreja Católica e deu inicio à Reforma Protestante, coincidindo nesta ocasião com uma profunda modificação na Europa – novas tecnologias foram criadas, as cidades expandiram-se, não estando mais confinadas dentro de suas muralhas medievais e a invenção da imprensa por Gutenberg facilitou a reprodução de obras escritas em maior quantidade e com maior rapidez.

Lutero encontrou no sexo a arma ideal para a sua guerra contra Roma, quando argumentava que seria normal o casamento de padres e que o celibato teria sido inventado pelo diabo, na qualidade de fonte de pecado e, inspirados por Lutero surgiram outros líderes reformistas, entre eles o mais conhecido foi João Calvino, que excessivamente moralista e dado às censuras, no ano de 1.536, aos 26 anos, publicou a sua obra “Instituição da religião cristã”, que com ela apresentava uma ruptura bem mais profunda com os dogmas católicos.

Na Renascença a expansão marítima também contribuiu para o alargamento dos horizontes geográficos e culturais, em um mundo ainda tipicamente masculino, com o homem ainda sendo considerado um predestinado, nobre, romântico e capaz de vivenciar tanto o heroísmo quanto a tragédia, enquanto a mulher continuava sendo vista pelos médicos como uma criatura inacabada, “um macho incompleto”, daí sua fragilidade e sua inconstância, lentidão, insolência, habito de mentir e agir por superstição, que exigia em relação a ela indispensável rigorosa vigilância.

No século XVI não se distinguia minimante entre o natural e o “sobrenatural”, portanto os fiéis católicos eram persuadidos estarem diante de Satã, quando aconteciam fenômenos paranormais desconhecidos ou não aceitos pela Igreja principalmente com as mulheres e, com isto, a crença na “feitiçaria” se espalhou por todo o clero, particularmente na Germânia, na França e nos Países Baixos, com noticias e relatos em torno de casos cometidos por “feiticeiras” chegando às todas as camadas sociais da Europa Ocidental.

Os processos eram principalmente contra as mulheres como “feiticeiras” e sua queima em fogueira passou a ser episódios cada vez mais comum, até mesmo nos centros civilizados da Europa, quando vários pronunciamentos de bulas papais advertiram as cortes clericais contra as atividades das “feiticeiras” e insistiram na necessidade de seu extermínio, os teólogos redigiram apaixonados apelos ao publico, os pregadores aterrorizaram através de suas congregações com sermões sobre os perigos e os sintomas da “feitiçaria” e as mulheres eram vistas como portadoras de excessivos desejos sexuais, pela idéia de que elas queriam que o Diabo as seduzisse, baseando-se na crença medieval de que no fundo elas apreciavam o estupro.

Em 1487, em Estrasburgo, era impresso um livro que se tornaria um dos maiores sucessos de toda a literatura demonológica – o Malleus maleficarum (O martelo das feiticeiras) que era um manual destinado aos inquisidores, mas que diferia dos outros precedentes pelo fato de ser consagrado exclusivamente à perseguição do delito de “feitiçaria” e oferecer “o remédio” para o extermínio destas praticas.

Nos tribunais da Inquisição os padres tinham interesse sexual pelos corpos das mulheres suspeitas de terem sido possuídas, interrogando-as (“em uma masturbação mental”) não somente sobre sua atividade sexual com o diabo, mas também com os seus maridos e amantes.

Seres inteligentes de outras dimensões ou aqueles que existem alem da terceira dimensão como seres de uma realidade sem mais a limitação de espaço e de tempo, se valem de outras Leis Universais e mais constantemente também da Ciência da Matemática Universal, para que possam interagir e se mostrar no plano de existência físico-terreno.

O magnetóide é uma tecnologia extraterrestre, que através dela é possível transformar na realidade física da terceira dimensão os desejos humanos, na forma de ondas mentais emanadas em certa direção.

 O “tempo” de um ser das realidades paralelas é diferente a do ser humano, enquanto o primeiro pode ver mais de 100 quadros/seg., o segundo consegue ver até 24 quadros/seg., portanto com uma velocidade de visão muito inferior.

A areia sobre a qual o ser (de Gemus) caminhou em Minas de Camaquã/RS, ela ficou com vibração positiva, atuando eletromagneticamente de maneira a reorganizar as moléculas do corpo humano, portanto bastava encostar a mão nas pegadas registradas sobre a areia por nove segundos, para que as células do corpo de uma pessoa que a tocasse se reorganizassem. 

A tecnologia do magnetóide é a que os seres de outras realidades vêm dela ultimamente utilizando, para trazer à terceira dimensão o poder da criação, portanto com ela que fazem acontecer o que desejam como uma tecnologia diferentemente de outras, por não está associada à necessidade de se possuir um especial nível de consciência ou mesmo de conhecimento.

A tecnologia do magnetóide faz parte de um dos treze Novos Direcionamentos prometidos pelos parceiros de outras realidades aos seus parceiros humanos e a sua função de fato é modificar quando utilizado, tudo o que vem incomodá-los.

Os dimensionais e pesquisadores do Projeto Portal caminham para possuir o seu “passaporte transmutativo” que lhes dá direito de ostentar a “Faixa de Vencedores”, desde que não se descuidem de seu corpo físico e de seu corpo mental, para que possam absorver todos os benefícios que lhes serão oferecidos.

Após três longos anos de demoradas negociações aconteceu a entrega da “Tocha”, que simbolicamente acesa os parceiros das 49 raças representados por “Bilu” a receberam, para selarem no dia 28/0/2013, em Minas de Camaquã/RS, o acordo que com ele conhecimentos a muito retirados da humanidade fossem para ela devolvidos.

Os dimensionais do Projeto Portal adquirirão conhecimentos especiais com os seus parceiros de outras realidades e os passarão depois à humanidade, que agora poderá também obter informações corretas relacionadas às realidades paralelas, até então escondidas da humanidade. 

A “Entrega da Tocha” acesa tinha o sentido simbólico de que a partir daquele momento, seria gradualmente devolvido a “Luz” ou o Verdadeiro Conhecimento à humanidade, e esta devolução relacionaria também ao compromisso dos 1.440 dimensionais do Projeto Portal com as 49 raças, que foi firmado por cada um deles através de tarefas que estão vinculadas ao Sistema Dourado.

A negociação da “Tocha” acesa simbolizou para o conjunto de dimensionais do Projeto Portal (dividido em vários grupos com tarefas especificas), o que eles almejam associado ao “Fogo”, ou seja, à Luz do Conhecimento, da Propagação, da Riqueza, da Fartura e da Prosperidade” – e, estes dimensionais mesmo estando inseridos em seus grupos de atividades de acordo com a sua freqüência mental e habilidades, eles são parte de uma mesma “engrenagem” e ostentam a mesma importância dentro de um todo.

Os seres de outras realidades querem conversar com cada dimensional e pesquisador do Projeto Portal ou em pequenos grupos, para que possam mais facilmente passar informações direcionadas, respondendo perguntas que devem ser voltadas ao interesse da humanidade, à evolução, a vida eterna e sobre a transmutação que todos os dimensionais no plano físico desejam.

Para que tudo se acelere e alcance o objetivo desejado por todos, os treinamentos no Projeto Portal devem ser feitos de maneira intensiva, alegre e gratificante, por envolverem a Energia Mental, a manipulação de Freqüências Multivibracionais e os parceiros de outras realidades.

Os treinamentos mais recentes estão pondo os pesquisadores do Projeto Portal mais perto de seus parceiros de outras realidades, para que sejam também mais de perto direcionados por eles, que acompanham com mais atenção os esforços que cada um desenvolve nestas ocasiões.

Nas atividades de campo quando a voz do ser de outra realidade é percebida ainda distanciada, mesmo assim é desta maneira que começa a ser gerada na terceira dimensão a freqüência para que o dimensional possa entrar na frequência de vibração deles – e, às vezes a voz do ser é percebida como vinda de cima, outra vez de baixo como gerada no labirinto sensorial.

Por mais insignificante que as atividades de campo aparentam ter, todas elas são muito importantes para o desenvolvimento do dimensional, porque nestes treinamentos os seres de outros planos de existência estão sempre presentes, observando todos os acontecimentos e todos os seus procedimentos, para quando houver necessidade eles apareçam e o esclareçam.

Durante muitas fases dos treinamentos acontecimentos poderão suceder de forma sutil, portanto os dimensionais devem ficar atentos, observando com cuidado tudo o que acontece ao seu redor, o que acontece no céu, na vegetação ou o que acontece como ruído projetado como sonoplastia.

Quando um dimensional ou um grupo de dimensionais realiza todas as tarefas exigidas para uma determinada etapa de treinamento, os seus parceiros aparecem e passam diretamente informações, direcionando-o para uma nova etapa.

Nas interações com as realidades paralelas muito se aprende, vivenciam-se experiências e conhecimentos que precisam ser repassados aos novatos que chegam com muita necessidade (e curiosidade) para obtê-las, em um momento que já não é o mesmo de tempos atrás.

Os dimensionais que estão no momento chegando ao Projeto Portal, eles receberão informações diferenciadas, portanto não mais da maneira e na intensidade que os veteranos as receberam, quando tiveram diretamente experiências por um longo tempo com os seus parceiros.

Alem dos quatro grupos que há anos estão em treinamento para tarefas especificas, existe também trabalho paralelo para determinados dimensionais, que estão sendo preparados de outras formas para contato e para o desenvolvimento de habilidades, etc.

Em nova fase do Projeto Portal todos dimensionais nele atuantes, irão entrar também em novas e paralelas atividades – os recentes treinamentos são para isto, mas observando que depois do dia 21 de dezembro de 2012, a cada três meses as atividades sofrerão ainda mais mudanças, porque a cada três meses modificará a freqüência dos dimensionais, devido também à mudança de Ressonância Schumam.

Mudando o ciclo muitas atividades poderão mudar, sendo a única exceção quando o contato for programado, até que o dimensional queime etapas que estão com ele relacionadas.

A partir de agora (ano de 2013) cada dimensional pesquisador do Projeto Portal terá até quatro anos para a sua transmutação definitiva, mas podendo os retardatários ir até o ano de 2028, não só para “se ajudarem”, como também auxiliarem os demais.

Os parceiros que estão em outra realidade e que estão também alem da limitação do que o ser humano chama de tempo e de espaço, eles têm uma visão muito mais ampla e nítida das possibilidades relacionadas aos acontecimentos na realidade humana, mesmo com “o tempo” na realidade terrena sendo cada vez mais sentido curto.

O dimensional nesta mudança de Ciclo e inicio de outro, está também dentro de um silencioso campo de batalha, que ele trava antes de tudo consigo mesmo, para que consiga ativar a sua energia de atração, que diz respeito à sua capacidade de criação – de pensar, de plasmar o pensamento e com ele desenvolver a sua capacidade de transformar e de realizar no seu dia a dia.

Há muitos anos alguns dimensionais e pesquisadores das realidades paralelas do Projeto Portal vêm sendo preparados, com muitos deles sem perceberem que estão sendo conduzidos dentro de um propósito e que apenas em momentos específicos saberão o porquê e, nesta preparação dentro dos quatro grupos de tarefas e habilidades, a união de uns com os outros deve ser buscada, a compreensão deve ser a constante expressada pela amizade – uns devem se somar com os outros, percebendo-os em suas qualidades pessoais, deixando os defeitos para que cada um os descubra em si e os corrija.

Este Novo Tempo como a Era de Aquário – ou, Era de Ophiúchus, exige que se forme uma “Única cabeça”, uma Única Energia na busca de um Único Objetivo.

Para aqueles que já expressam verdades originadas da Pura Essência Divina, novos direcionamentos já foram passados pelos parceiros de outras ralidades, que adaptados à condição humana atual nortearão os seres humanos nos próximos 5.125 anos e ainda, trarão reflexos para um longo período de 26.800 anos e dentro destes direcionamentos estão as primeiras sete novas diretrizes:

1ª – Ativar a Chama interior;

2ª – Conhecer e manipular a vibração da alma;

3ª – Fazer para si e, deste modo, também para os outros;

4ª – Preservar o corpo, alma e mente para que cada um seja sempre ele mesmo;

5ª – Tornar o mestre de si mesmo;

6ª – Levar alegria onde há solidão;

7ª – Derramar sabedoria frente à ignorância.

A limitação é apenas uma interrogação que poderá ser quebrada com um pensamento maior no coração, os seres humanos têm a força mental, têm a força do pensamento, tem a força do milagre, têm a força do Universo em suas mãos, em sua mente, em seu coração, a limitação faz parte da condição humana, mas os seres humanos dimensionais não devem esquecer que são Co-criadores, não devem esquecer que são deuses em potencial”. 

Que vocês sejam “a Luz do mundo, da vida, da esperança no coração, esta é a Glória que será mostrada ao povo, para que ele acredite e aja em sintonia com esta Nova Era em outro inicio para a humanidade, que já não é mais de esperança, mas já de Realização”

Novas visões de ver a vida, de ver o mundo, novas maneiras de conviver com as pessoas em todos os sentidos, esta é ainda a maneira de vivenciar a Glória, que está também associada aos Novos Céus e a Nova Terra mencionados na Bíblia”.

Aquilo que vocês chamam de Energia Suprema está dentro de cada um ser vivo, está em cada um de seus seres…”

Compreensão, a postura de um dimensional pela Luz da Aliança, compreensão de um todo, nobreza, nobreza, nobreza, aquele que sela esta Aliança deve ter este nível de consciência e este proceder”.

Aqueles que pensam, que façam, que assim seja selada esta nossa união”.

“Aqueles que pensam que busquem e que façam”.

O pensamento é o poder da criação, é mente em ação, executa, realiza, cria e, com este proceder foi selada a Aliança”.

A entrega do “Livro da Aliança” foi filmada, para posteriormente os pesquisadores do Projeto Portal vendo as imagens ali contidas, pudessem raciocinar sobre elas, sobre os códigos ali contidos que naquele momento foram mostrados, que com eles irão trabalhar e que irão ajudá-los, portanto estes pesquisadores devem “se debruçar” mais tranquilamente sobre estas imagens, para que as vendo possam perceber a importância deste feito acontecido sobre a “Pedra da Entrega” por intermédio da Energia Crística e do “Fogo da Sarça Ardente” que desintegra, mas que não queima.

Com a propagação e a emanação da Energia Crística (como uma explosão) na ocasião da “Entrega do Livro da Aliança”, foram instantaneamente trabalhadas nos presentes todas as suas sete camadas da aura, foram imantados tudo e todos que estavam dentro de um circulo 700 metros a partir do ponto desta emanação e que passaram a ser também fontes de propagação desta Energia por contato físico.

Aqueles que tiveram a visão da Energia Crística foi neles trabalhado a habilidade extrassensorial e também o seu estado emocional, para que eles não desequilibrassem, tendo um procedimento o mais possível dentro do estado mental de “neutralidade” – de harmonia.

Na entrega do “Livro da Aliança” fenômenos luminosos excessivos foram evitados pelos parceiros de outras realidades, para que todos os presentes nesta ocasião cósmico-divina pudessem proceder de maneira também especial, sem se deixar levar por excessos emocionais (deslumbramento), que normalmente os sentidos humanos pudessem proporcioná-los em momentos singulares como este.

A entrega do “Livro da Aliança” propriamente dita que foi celebrada com a vinda de parceiros das varias realidades de existência e que não durou mais que dois minutos, ela foi feita em sintonia com o proceder que foi também o de Cristo Jesus, que quando aqui esteve não veio para impressionar mediante a sua presença física, mas conduzir a humanidade com as suas idéias para outro nível de consciência-razão – substituir o Velho Testamento pelo Novo Testamento, agindo com a simplicidade e a clareza de sua condição de um ser divino, mas com a firmeza de um “guerreiro” em compromisso consigo mesmo e com o “Pai”.

Os “guerreiros” deste Novo Tempo – como Co-Criadores e já Portadores da Vibração Universal, eles devem também possuir a sabedoria para se conduzirem em sintonia com o seu Cristo Interno principalmente neste momento que já se mostra de caos (mas, para uma benéfica transformação posterior) em final de um ciclo e inicio de outro.

Os que estão aqui para despertar devem ter a humildade, a compreensão e a paciência para com todas as pessoas que independentes de sua posição social e intelectual estão em um determinado degrau da “escada evolutiva” e, especialmente para algumas outras pessoas ainda, que de forma mais aguçada debatem consigo mesmas “já sufocadas”, inutilmente tentando sair dos seus desencontros de sempre, “mergulhadas” como hipnotizadas por todas as formas de informações que os seus sentidos sistematicamente os colhem e os trazem de um mundo que é o do dual – e, o de conflitos.

No momento em que aconteceu a interação para a “Entrega do Livro da Aliança”, ele foi também um instante de sintonia com o Divino, quando algumas pessoas perceberam de forma mais nítida a presença do Ser Divino em sua Vibração e Forma Feminina na Freqüência de Luz/Cor prateada, que se mostrou com um rosto materializado (bioplasmado) – lindamente delineado e jovial “como o de uma boneca”.

O acontecimento da “Entrega do Livro da Aliança” foi sublime, profundo e possuindo a nobreza de propósito em seu sentido mais verdadeiro e universal, também foi resumidamente bem traduzido por este Ser Divino também presente em sua Forma e Vibração Masculina na Freqüência de Luz/Cor Vermelho-dourada, quando antes já tinha mencionado: está tudo de muito bom grado” e quando depois também disse na “disse depois: “estaremos diante de vocês como era no passado!…”.

O que é “levado para o outro lado” é antes sutilizado para depois acontecer o processo da desmaterialização, em um momento que é mostrado como uma imagem bastante forte, quando o “Fogo da Sarça Ardente” que não queima, vem de forma semelhante à energia conhecida como a do plasma quente, que já aconteceu durante algumas atividades na Fazenda Hotel Projeto Portal e que se aproximou como luzes que piscavam, ricocheteavam e vinham de um ponto indefinível mais ao fundo. 

Diferentemente do “Fogo da Sarça Ardente” a Energia Crística é aquela, que na forma de “explosões” luminosas se mostrou no início em varias ocasiões na Fazenda Hotel Projeto Portal vindo de cima e de mais distante, até que nesta ocasião para a “Entrega do Livro da Aliança” ela “explodiu” sobre a pedra completando com o elemento terra, com a água (do lago próximo), com o ar em volta e com o “fogo” como a luz do bioplasma a desmaterialização do livro sem deixar nenhum vestígio, em um acontecimento que envolveu outros planos de existência e que marcou um novo tempo para as gerações futuras, que não mais se envolverão com conteúdos e contendas de fundo religioso, mas agirão por intermédio de sua capacidade mental e por sua Vontade de Co-Criadores, já sabendo buscar interesses mútuos, ao interagirem com os seus parceiros de outras realidades.

 Setecentos metros ao redor da pedra onde foi colocado o “Livro da Aliança” é um local especial, não no sentido de “o sagrado” por conceitos místico-religiosos como algumas vezes são citados principalmente no Velho Testamento e que até hoje são considerados próprios à adoração, entretanto, para o dimensional consciente este local deve ser lembrado como especial apenas porque todo ele foi ionizado pelas presenças de duas Energias com o objetivo de desmaterializar e de firmar um compromisso.

Este local que para ele teve naquele instante a atenção voltada de varias inteligências do Universo, de Divindades de Planos Superiores, de intraterrenos e de seres dimensionais humanos, ele deve mesmo assim, ser apenas olhado dentro de uma “linguagem” associada ao energético-vibracional – está à partir de agora vibrando sempre na Freqüência de um Novo Tempo.

O Novo Ciclo que agora se inicia, irradiando na Freqüência da Energia Feminina da Era de Aquário, ele está em sintonia com um Poder de mais sensibilidade e de mais criatividade – mais Universal, buscando a Realização dentro do seu Verdadeiro Sentido – dentro do “Significado de Ophiúchus”.

No momento em que o “Livro da Aliança” foi sendo consumido (desintegrado) pelo “fogo que não queima”, foi quando ele também parecia estar sendo energeticamente “costurando” ao seu redor uma “bainha” (“sendo comido pelas pontas”) e quando ainda, pôde ser sentido um forte cheiro de ozônio, resultado do choque ou da fusão de uma realidade paralela com o plano físico terreno (com os campos eletromagnéticos deste), provocando este cheiro através do choque entre as partículas suspensas na atmosfera.

O cheiro de ozônio estará sempre presente em situações em que acontecer um rasgo no espaço (“abrir um portal”), para que através dele seres ou “algo” de outra realidade possam se mostrar no mundo real.

Os “milagres” são produzidos durante a fusão das realidades de quarta e de terceira dimensões, para quem já é capaz de manipular a junção destas partículas, como aconteceu também com Moises no Monte Sinai ao “conversar com deus”, depois que dele aproximou “uma nuvem com raios flamejantes embora cintilantes”.

Hoje, o pesquisador do Projeto Portal tem outro entendimento em relação ao choque ou fusão de campos eletromagnéticos entre realidades paralelas, ele já sabe que esta fusão se dá inicialmente por sua Vontade na terceira dimensão utilizando-se da Energia Crística e logo a seguir pelo seu desejo profundo (fé) na quarta dimensão com a sua energia bioplasmada proporcionando já de volta ao mundo real o “fenômeno do fogo da Sarça Ardente”, como aconteceu na entrega do “Livro da Aliança” (e em outras atividades do Projeto Portal) – mas, agora também este acontecimento se deu dentro de outras circunstancias com a ajuda de parceiros das realidades paralelas.

 Os seres das quarenta e nove raças já dominando Leis Universais além do mundo físico (e além do espaço-tempo), já conseguem manipular partículas, para que aconteça a fusão do mundo físico com a realidade mais sutil onde estão (vibram) e, com isto, podem se mostrar envolvidos através do “fogo, raios flamejantes ou cintilantes” e também conversar através da frequência sonora, quando são citados algumas vezes no Velho Testamento como “anjos do senhor”.

As “divindades” de ontem são os mesmos seres de outras realidades de hoje, mas agora são percebidas de maneira diferente, apesar de que ainda muitos por motivos religiosos pautando-se principalmente pelo Velho Testamento, as têm como manifestações diretas de Deus, para que eles possam (interessados) se posicionar como os seus porta-vozes e manipular pessoas.

Neste momento em que se inicia o salto quântico para a humanidade – no seu despertar em todos os níveis, os seres humanos já estão conseguindo interagir com seres de outras realidades e com eles ainda fazendo parceira, sem mais a influência de idéias místico-religiosas, quando já se conduzem sem submissão em conversação direta.

Buscar conhecimento e, sobretudo, buscar “Se Conhecer”, é a única maneira que o ser humano consegue fugir “das trevas da ignorância”, que em seu passado muitas vezes se mostraram paradoxalmente como “redentoras e libertadoras” – buscar este conhecimento é necessário, para que ele se informe de seu passado, se conduza com firmeza em seu presente e busque com coerência o seu futuro.

Informar-se, evita que se repitam períodos na historia da humanidade, que neles repise a ignorância absurda, cruel e destruidora de homens e de mulheres (principalmente destas), como aconteceu antes e durante a Idade Média, quando conceitos filosóficos e religiosos se misturavam confusamente aos da sexualidade.

O ser humano só pode realmente se conhecer em sua plenitude humana e divina se informando, se esclarecendo, aprendendo e agindo em sintonia de harmonia consigo mesmo e com o Universo e não através de interesses desvirtuados e visão tacanha.

Aquele que já sabe manipular a sua energia sexual-kundalini, transformando-a inicialmente em energia vibracional, para depois pela Força de sua Vontade direcioná-la Mentalmente como Freqüências Multivibracionais, ele tem absoluta certeza que é com este tipo de desinformação que se comete erros, que é pela ausência deste conhecimento que se comete “pecados” tão mencionados pelas religiões. 

Foi utilizando de Freqüências Multivibracionais que Cristo Jesus realizava os seus “milagres”, tendo-os como chamariz para reunir e despertar as pessoas.  

Qualquer Energia (não só a sexual) não é boa e nem ruim, depende do que se faz com ela. Tanto ela pode ser direcionada para um lado quanto para o outro, depende de quem a conduz – e, para conduzi-la “sem estragos”, é preciso que esteja em “estado de graça”, harmonicamente inserido em outro nível de percepção, de entendimento e de ação, que nele “o julgo” dos sentidos não mais alcança.

A linguagem deste Novo Tempo deve se mostrar como “energética e vibracional”, deve se expressar mais dinâmica e com visão mais ampla que busque o Multidimensional em seu Verdadeiro Sentido Cósmico-Divino e não mais de forma estática, limitada, dependente e baseada em cantilenas religiosas que ainda insistem trazer até hoje informações como fossem “leis”, que não permitem divergências e que só foram necessárias milhares de anos atrás.

 

Translate »