Postado por

“Mundo Espiritual” na visão Dimensional

“Mundo Espiritual” na visão Dimensional
Print Friendly, PDF & Email

Os mundos paralelos às vezes disponibilizam ao dimensional que já se despertou o “fenômeno da biotecnologia”, que se mostrando como uma grande névoa/neblina junto à mudança da vegetação, tem a intenção de facilitá-lo ainda mais em seu aprendizado, quando nesse momento ele mentalmente direcionado consegue através dessa bruma como uma tecnologia da luz, “ver” a formação de uma cortina virtual, ajudando-o mudar sua percepção de realidade, ao criar uma “ponte” entre dois mundos – o físico (“o real”) e o extra físico (“o mais além”).

E nesse instante quando para ele acontece a “junção/entrelaçamento” dessas duas realidades, ele já está nessa frequência mental de interação, podendo perceber/“ver” nesse momento o surgimento de manifestações/”entes”, que se fazem escutar e ou, que se tomam (plasmam) as formas que ele vai com elas interagindo mentalmente, enquanto um outro dimensional mesmo que esteja nesse local e nesse instante, mas sem estar nessa mesma frequência mental, não consegue essa interação.

Como se vê “Avalon” a ilha encantada envolvida por brumas não é assim tão uma lenda, principalmente se tem em mente essas ultimas.

O dimensional quando começa a sintonizar nessa frequência mental de interação, ele já começa também perceber “rastros/visualizações” aqui e outro acolá, porque esses como manifestações podem por enquanto (maio/2017) densificarem em torno apenas de 07 segundos e assim desaparecerem e reaparecerem por alguns minutos, quando então nesses instantes tornam-se visíveis. Assim, aquele que já está na frequência mental para “ver” os mundos paralelos, ele visualiza vultos, luzes e manifestações que vão aparecendo por alguns segundos e quase em seguida desparecendo, como já foi mencionado.

Nessas interações o dimensional já em outra frequência mental e em outro nível de consciência deve especialmente prestar atenção na mata. Prestar atenção nos bichos, no cantar dos pássaros, noturno/diurno, nos insetos, nas arvores e em suas folhas e, de um modo geral o que a vegetação está para ele dizendo. Deve ainda prestar especial atenção para perceber junto à natureza o vento … O que a “voz” desse outro mundo está para ele dizendo, no “mundo real” em que no momento está.

O dimensional que se propõe através de sua acuidade mental entrar em sintonia com o “reino da natureza”, interagindo em frequências mais sutis de realidade, deve ter a sensibilidade para que através do burburinho da água e da suave brisa, perceber o que esse outro mundo está para ele procurando dizer … O que a “voz” dessa outra realidade mais sutil está para ele procurando comunicar, nesse seu mundo mais denso por ele chamado de “real” – Cachoeira da Fadas, em Aiuruoca/MG, Imagem da Internet.

O dimensional desperto nesse seu atual nível evolutivo já começa a interagir consciente com mundos paralelos, quando já começa a “enxergar” a mata se modificando e sobre ela sobrepondo às vezes outra paisagem ou, nela percebendo variadas holografias e entre elas algumas que se fazem como formas de vida, antes para ele inimagináveis.

Nesse momento às vezes também, quando ele percebe na mata grande movimentação, paralelamente às muitas manifestações que vão ocorrendo, que a mata está querendo com ele falar…. É “algo” especialmente diferente, sobretudo se ele em dado momento “vê” uma silhueta opaca (divindade da natureza), que ao se iluminar cada vez mais, em sua volta vai espocando muitas luzes.

Assim, nesse instante em volta dele parece que na mata inteira existem cada vez mais “entes” e que não só caminham como falam, como se realmente esses “entes” procurassem com ele se comunicar, dando-lhe essa sensação por algum tempo, dependendo da atividade/experiência mental que ele está desenvolvendo voltada ao seu despertamento – e, ao seu processo evolutivo.

Enquanto estiverem acontecendo esses “fenômenos” de sonoplastias e de outras manifestações através da “tecnologia” da luz, ele está sendo vibracionalmente ajustado. Entretanto, nessas atividades para que ele desperte ainda mais suas habilidades (mentais) paranormais, utilizando-se do bioplasma da natureza, podem não acontecer no início conversações e outros “fenômenos” e, com isso, ele achar que não está interagindo com mundos paralelos, o que não é verdade.

Em todos esses momentos ele já está sendo adaptado (mentalmente) para que essas interações possam lhe acontecer posteriormente, não só em locais predeterminados junto à vegetação natural como também em outros locais – até no quintal de sua casa.

Em mundos paralelos não estão apenas os seres/deuses da natureza, as 49 raças e outros seres dimensionais em suas várias frequências de vibração e, entre elas a que estão os ascensionados (quase transmutados) possuidores de certo vinculo vibracional com a realidade físico-terrena e ainda também, aqueles outros com vínculo muito maior constituindo-se parte daqueles seres/entes, que habitualmente estão associados ao que é chamado “mundo espiritual” ou, plano da realidade dos “espíritos”.

O dimensional que já se despertou, ele está tendo a oportunidade de interagir com essas frequências de realidade não mais com visão e procedimentos místicos-religiosos, mas com a sabedoria daquele que já está em outro nível de percepção ou, de alguém com a mente aberta sem mais bloqueios, ja intuído de já ter passado da hora de “abrir os olhos” e realmente enxergar além do mundo físico – “ver” através do mundo do bioplasma, que utiliza de campos biomagneticos. E se ele já alcançou essa condição, porque para ela também se preparou (emocionalmente) para alcançar com maior discernimento, o que antes fisicamente não via.

Já passou da hora de abrir os olhos e realmente enxergar além do mundo físico – “ver” através do mundo do bioplasma, utilizando-se de campos biomagnéticos – Imagem da Internet

O dimensional ao aprender junto à natureza adentrar consciente em mundos paralelos, ele nessas suas experiências deve primeiro que “abrir caminho” vencendo obstáculos, que vai exteriorizando-os e os plasmando o que vai sendo projetado de dentro dele. Sua mente até então sempre acostumada a ser direcionada pelos cinco sentidos normais, limita-se à realidade física.

Assim, nesse seu “abrir caminho” às realidades paralelas ele vai se deparando com um novo e quase surreal mundo, conduzido também por um novo e diferente aprendizado, na medida em que com ele vai percorrendo etapas e nelas removendo obstáculos.

Obstáculos que ele mesmo vai gerando no mundo do bioplasma, para que já frente a frente com eles plasmados e como símbolos representados como “algo” que deve ser removido, possa então gradativamente ir neutralizando-os em sua mente ou, removendo–os como condicionamentos negativos registrados em seu subconsciente. Paralelamente à essa sua “limpeza” mental ele vai adentrando em definitivo (e consciente) em um mundo novo, que vibra sobrepondo a realidade física.

São inúmeras as formas bioplasmadas nesse nível de interação e de aprendizado, porque são também inúmeros os obstáculos que o dimensional pode com seu pensamento projetá-los no mundo do bioplasma, originados de seus bloqueios mentais.

E, como exemplos de obstáculos na forma de bloqueios do dimensional e a maneira como ele os exterioriza de seu subconsciente no intuito de “limpar” sua mente para acessar em definitivo as realidades paralelas, estão a seguir sete deles:

O “primeiro obstáculo” nesse seu momento especial de interação mental no “mundo do bioplasma” pode surgir um “ente/espirito” da natureza, que se mostra por exemplo, como um cachorro preto, para que ele decifre o porquê desse surgimento ou, porque ele o bioplasmou dessa maneira e, ao ter esse conhecimento, possa desbloquear o que em seu subconsciente pode estar “emperrando” seu processo evolutivo. Portanto, a presença bioplasmada de um cão preto podem estar sendo projetados de seu subconsciente, sentimentos que a muito estão nele enraizados e associados ao medo e ao mal, que devem ser de lá removidos.

A presença bioplasmada de um cão preto podem estar sendo projetados sentimentos do subconsciente do dimensional, a muito nele enraizados e associados ao medo e ao mal que devem ser de lá removidos – Imagem da Internet

O “segundo obstáculo” pode ser a forma bioplasmada de um outro “ente”, como a de uma raposa, sinalizando-o para que ele tenha agora com essa presença, a necessidade de possuir mais discernimento, astúcia, rapidez, determinação e foco. Esse animal na realidade física pode ser visto agindo negativamente por matar animais domésticos, mas pode ser também percebido positivamente pela maneira, que através de sua astucia age para sobreviver. Assim o dimensional deve se voltar para o procedimento positivo desse animal, fortalecendo-se também dessa maneira, já que está a cada passo enfrentando situações negativas de confronto, o que exige dele constante persistência, determinação e certa astucia.

O “terceiro obstáculo” pode ser através de seu pensamento a bioplasmação de uma pedra que se mostra no meio do caminho, para que ele a tendo simbolicamente como um bloqueio aprenda a transpô-la, tirá-la do caminho ou, desintegrá-la. Ainda pode transformá-la, lapidando-a, para que se transforme em algo de admiração. Nessa metáfora ele é impelido aprender, que deve transformar o denso e o bruto como obstáculo, no mais sutil e no mais maleável, para que através dessa sua alquimia mental possa se transformar e alcançar o que deseja.

Acima a pedra que sobre ela foi entregue o Livro da Aliança. No mundo da realidade física e não mais no mundo da bioplasmação e da metáfora, uma pedra pode não ser necessariamente um empecilho, pelo contrário pode até se transformar em um “veículo coadjuvante” de estimulo, para que através dele mais se desperte, para seguir em frente. (Mais informações no texto: Entrega do Livro da Aliança, nesse Site – Foto de Antônio Carlos Tanure

O “quarto obstáculo” pode ser a presença de duas arvores juntas e bastante iguais, impedindo também a sua passagem. Entretanto, essas bioplasmações se assim apresentam têm todo um simbolismo associado à duplicidade, à dualidade de acordo com Quarto Princípio Universal – o das Polaridades (+ e -). E nesse caso, como esse Princípio está relacionado aos Padrões da Natureza não se usa da magia, por que as duas já são a própria magia.

O “quinto obstáculo” pode se mostrar ao dimensional como uma escada bioplasmada, que nela ele se identifica ao se posicionar no 4º degrau. Essa escada que ele faz analogia com a sua escalada evolutiva, nela está toda uma representação de cautela (“superego”) alertando-o (“ego”) que não pode parar ou descer ou ainda nem ir para um lado ou para outro, porque pode nas suas Três Linhas da Vida se deslocar para o quarto caminho (“id”). Portanto, nesse seu estágio evolutivo ele deve ter muito cuidado, para não se tropeçar ou cair.

O “sexto obstáculo” pode ser ainda uma outra escada, só que agora é uma escada maior por possuir mais degraus do que a primeira e ainda, sobre ela se mostrarem alguns empecilhos, para que o dimensional a escalando deve não só escorregar, como também não esbarrar em nada. E, se depois desses obstáculos bioplasmados, ele mesmo assim alcançar pelo menos o 5º degrau, ele já começa a adentrar de fato nesse outro mundo, “vendo-o” mesmo através das folhagens, não tanto mais distorcido pela inferência da “cortina/névoa” virtual do bioplasma.

 

O dimensional ao alcançar o quinto degrau da escada por ele bioplasmada, representando simbolicamente sua escalada evolutiva, ele já começa a adentrar de fato um outro e paralelo mundo – Imagem da Internet

O “Sétimo obstáculo” o dimensional ao subir toda essa escada maior, que através de seu pensamento projetou-a no mundo do bioplasma e, se nela alcançar seu último degrau, ele chega também mental e conscientemente no limiar entre duas realidades. Entre um mundo em que leis físicas comandam uma realidade de maior densidade e dos sentidos comuns e um outro de maior fluidez e do bioplasma em que o pensamento se valendo dos fundamentos da natureza, comanda mentalmente esse mundo de magia, onde tudo é maleável, transformável, sem peso e sem a influência de tempo e de espaço e daí o recurso mental da Tela Universal. E a partir desse mundo que o dimensional desperto mais comumente vem recebendo informações, conhecimentos e tecnologias.

Os canais bioenergéticos ou bioelétricos relacionados à malha eletromagnética que envolve a Terra, os visitantes de outros mundos e os ancestrais dos atuais seres humanos em um outro e anterior ciclo civilizatório os conheciam e deles utilizavam milhares de anos atrás. Até hoje ainda são desconhecidos da ciência oficial, mas agora já começam a ser relembrados pelo dimensional que já se despertou e deles já começou a reutilizá-los.

Esse dimensional anteriormente sempre realizou atividades paranormais relacionadas ao mundo físico, mas agora em Ziguratz-Dakila começa a realizar também outras interações com realidades paralelas, que para muitos são tidas como do “mundo espiritual”

O “mundo dos espíritos” é um mundo paralelo invisível, que faz parte da terceira dimensão, mas já em uma frequência de realidade translucida, mais sutil, que nem todos conseguem “vê-la”. Não se consegue ver o vento, mas ele é sentido. E nessa analogia o “mundo espiritual” está em uma frequência de realidade que não é visto, mas pode ser também sentido. Ao se perceber a presença de algum “espirito”, pode-se sentir um suave arrepio, quando essa vibração é positiva.

E pode-se também, ao se interagir nessa frequência, sentir um aperto no coração como uma sensação de angustia, não porque o “espirito” é obrigatoriamente negativo, mas quase sempre porque ele não aceitou sua “morte”. Não aceitou “morrer” antes do tempo e fica no que é chamado no “mundo espiritual do umbral”, quando continua aprendendo, em uma frequência de realidade semelhante a um ambiente esfumaçado como o do gelo seco ou o de uma nevoa, que nela pode-se “ver/perceber sua presença com também as de outros “espíritos”.

O dimensional em Dakila nesse seu atual momento de despertamento já começa a “ver” como ”fenômeno” de biotecnologia através da biotecnologia da luz, surgir uma cortina virtual, que se mostrando como uma nevoa, pode-se dentro dela perceber as presenças de várias manifestações/”entes” – Imagem de Dakila Pesquisas

Nessa frequência de realidade existe analogia com o “umbral” mencionado pelo “espiritismo”, mas com significado totalmente diferente. É uma frequência de existência não especificamente de sofrimento, mas onde se continua aprendendo, porque o evoluir na 3ª dimensão (terrena), é muito complicado. Nessa “cortina virtual” pode-se “enxergar” silhuetas escuras ou claras, dependendo do campo energético daquele que as percebe.

Principalmente quando criança com a visão dos mundos paralelos encontrando-se mais aberta nessa idade, é mais comum ver vultos ligeiramente passando claros ou escuros ou, ouvir chamar alguém pelo nome. São “espíritos”, que em vida tiveram com essas pessoas relacionamentos afetivos em suas várias formas. E em relação aos “espíritos” considerados negativos, são aqueles que “os incorpora” que determinam a maneira mais agressiva ou mais suave de sua manifestação.

Nessa frequência de realidade eles não possuem muita vontade própria, portanto aquele que “os incorpora”, é pelo seu equilíbrio emocional ou não, que acaba “ditando as regras” e também os transformando ou não em agressivos e, ou vingativos.

Aquele que “incorpora” se estiver em frequência mental mais negativa do que positiva, o “espírito” em sintonia com ele nessa frequência mental toma atitudes e decisões também negativas, dando impressão que é vingativo. Ter esse tipo de interação é muito sério, assim aquele que lida com esse outro mundo de realidade, precisa antes se trabalhar positivamente, para que nessa sua interação/“canalização” ajude o “espirito” que se acha de fato em “faixa” de vibração negativa, passe à de vibração positiva.

Essas interações exigem daquele que as têm mais sutileza mental e vibratória, para que melhor se sintonize à Energia/Frequência Superior/Deus. Sintonia que deverá agora se fazer de maneira mais dinâmica e não mais com aquele “Pai” que tudo dá para alguém, que passivamente fica esperando por isso.

A Energia Suprema/Deus já deu tudo para todos. Já deu suas vidas, um planeta para viverem e experienciarem e, entre todas outras condições deu principalmente a inteligência/consciência para que cada um “toque sua própria vida”.

Esse “Pai” que tudo faz para seus “filhos” não existe! O que existe é o Deus, que em cada um deve se mostrar em sua consciência, utilizando-se de sua força do pensamento, para tudo realizar. Esse é o Verdadeiro Deus, que se mostra como a Energia Suprema e que “habita” em cada um.

Se o ser humano ao morrer perde 21 gramas, a ciência em sua dúvida não legitima essa perda. E, por não a aceitá-la, a tem como “algo poético”, para esse “pedaço divino” do ser humano que o conecta à Energia Suprema, como o seu molde energético.

Os seres humanos quando morrem eles não perdem seu molde energético, que o conecta a Deus e que com ele pode-se atribuir físico-energeticamente as presenças da alma e do espirito como partes intrínsecas à Energia Suprema – Imagem da Internet.

O “Deus” que tudo para quem passivamente dele tudo procura receber, é aquele impingido pelo atual sistema de poder em todos os seus aspectos, que manipula e que disfarçadamente utiliza desse estratagema, para continuar dominando e direcionando populações de ignorantes ou, aqueles que ainda não conhecem o seu próprio poder de criação e de realização.

As 49 raças ao agirem, nada fazem sem a permissão “Divina” ou, da Energia Suprema – do Deus Verdadeiro, com o qual tudo e todos estão conectados e, que seres humanos são Dele Fagulhas de sua Energia.

A energia (“espirito/alma”) que desprende do corpo quando o ser humano “morre”, para onde vai? E depois o que acontece? O dimensional que incessantemente desperta e se conscientiza, deve procurar entender esse processo, principalmente agora quando procura se transmutar.

Hoje, se tem muitas notícias do “mundo espiritual” principalmente do “espiritismo” em suas várias expressões, mas mesmo assim elas não esclarecem realmente e não dão um entendimento melhor do que de fato existe após a “morte” ou, o que é a “morte” ou ainda, o que é “morrer”. E, qual o real sentido disso, quando muitas vezes esse tipo de explicação se mostra envolvida sob intensa emoção/distorção/imaginação daqueles que as expressam.

Com essa nova fase de experiências que por ela passa o dimensional em Ziguratz-Dakila, ele terá esse direcionamento, que ninguém até hoje conseguiu de fato tê-lo através de informações e que ele já está tendo em suas interações com os mundos paralelos.

Ele terá muito mais clareza nesse sentido, através de literal visão da “espiritualidade”, quando então perceberá mais corretamente certos conceitos religiosos e mesmo filosóficos, ou, os perceberá que muitas vezes transmitem informações limitantes, que no fundo impigem pensamentos e procedimentos de dependência mental e sobretudo emocional.

Essas informações diretamente de suas fontes – ou, de realidades paralelas, quando o dimensional com elas já conversando, fotografando-as ou filmando-as, está tendo paralelamente maior clareza em seu entendimento o que é o Universo, junto ao que é “morte” em seu verdadeiro sentido espiritual/cósmico/dimensional e assim também entender sem fantasias o porquê está na Terra – ou, qual o sentido verdadeiro de sua passageira estadia aqui.

Evidente que o “mundo espiritual” é um fato, que ele existe, mas o dimensional a partir de agora deve compreendê-lo mais a fundo além do “espiritual”, portanto também em sua expressão energético/vibracional e dimensional.

Aqueles que interagem com a “espiritualidade”, não importando em qual linha de pensamento estejam, eles são dimensionais por possuírem habilidades mentais paranormais. Eles agindo à sua maneira com mundos paralelos, quase sempre possui o sentido de ajudar seus semelhantes mais próximos e de um modo geral à humanidade. Entretanto, por causa de sua sensibilidade os médiuns devem ponderar, se não estão se deixando enganar pelo “espírito” que os conduz, ou, mesmo se não estão se conduzindo emocional e confusamente pela sua própria imaginação.

Médiuns e de um modo geral paranormais do mundo inteiro recebem informações não só de “entidades/espíritos”, mas também de seres dimensionais que assim não se identificam, para que possam também transmitir informações por psicografias, por telepatia ou por outro meio conforme o entendimento/sensibilidade do paranormal e da tarefa que esse se dispôs a fazer com a população.

   

Informações passadas diretamente por seres que se mostram independência ao assim proceder, interagindo com campos biomagneticos do paranormal e da natureza em volta para gerarem “campos” bioplasmados, são mais comumente seres de outras dimensões (dimensionais) – Imagens de três filmes de Dakila Pesquisas (antigo Projeto Portal).

O ser humano com corpo/alma/espirito experiencia em um mesmo mundo com outros seus semelhantes visíveis (vivos) e não vivos (“mortos”), convivendo com esses últimos em frequência de realidade diferente, por isso não pode vê-los com a visão física.

O médium que domina a frequência luminosa, através do ectoplasma pode fazer a materialização do “espírito” (comumente alguém que “morreu” e não se ascensionou), mas não consegue ir mais além. Se conseguisse, esse “espírito” teria realmente compacidade/densidade de sua forma física.

 

 

As informações de entidades do “mundo espiritual” que são passadas quase sempre na dependência oral ou psicográfica (canalizações) do médium são chamados de “espíritos”/não transmutados ou não, que também podem ou não utilizar do ectoplasma. – Imagens da Internet – Clique à esquerda do mouse sobre as imagens, para vê-las com mais detalhes.

A alma do dimensional não insere no futuro corpo no momento da fecundação. E se ele nasceu a partir de 1971 já possui automaticamente seu percentual de luz/alma, porque já têm pelo menos 04 mutações ativas. E aquele que nasceu antes desta data, vai adquirindo esse percentual através dos flashes da “nave” do GNA, quando então vai se desenvolvendo nessa frequência, até ser por ela ativado.

Alma e espírito dizem respeito a “um pedaço” de Deus. Entretanto, muitos têm medo de “espírito”, esquecendo que são também “espíritos”, apenas “revestidos” de matéria (energia densa). Medo que em muitos casos está associado às informações de sofrimento “no umbral e no inferno” pela punição divina entre outras informações desse tipo, que foram sendo incutidas em mentes mais frágeis por lideranças quase sempre religiosas, que induzem através desse pavor a necessidade de salvação e com essa a de obediência e assim, exercer o controle e a manipulação.

O medo gera todas as formas negativas de pensamento e com elas todas formas de bloqueios. Por outro lado, pode-se também com o pensamento criar positivamente tudo, pois tudo é no final um estado de consciência. O que se pensa, é que determina mudanças física, mental, energética, astral e espiritual. No final, é o que se pensa, que estabelece sincronia com a Energia Suprema/Deus.

O dimensional com o “conteúdo” de seu pensamento é que cria seu próprio “universo” dentro do mundo de 3ª dimensão em que fisicamente tudo e todos estão. Ele ao dar forma ao que pensa com muita intenção chamada de “fé” ou ainda, com a força de seu pensamento gerada pela vontade que aconteça o que deseja, ele está criando a necessária energia, que com ela já está moldando o seu “universo”.

Essa maneira de ser e de proceder que Jesus de Nazaré se mostrou como Mensageiro de Deus, ao exteriorizar o seu “universo” e com ele mudar o mundo para uma imensa parte da humanidade. E esse é também o principal compromisso do dimensional consciente de sua responsabilidade em continuar a mudar o mundo, mas para isso deve antes mudar seu “universo”, harmonizando o “conteúdo” do que pensa.

Jesus de Nazaré se mostrou como Mensageiro de Deus, quando ao exteriorizar o seu “universo” mudou o mundo para uma imensa parte da humanidade – Imagem da Internet

O dimensional que está em sintonia à frequência de Mensageiro de Deus, ele deve aprender a ter acesso à Tela Universal, para ter ciência do que está acontecendo no mundo em sua volta e assim ter condições de monitoramento. Através dessa Tela ele pode ver e entender antecipadamente situações que se entrelaçam, para poder neutralizá-las ou não, como também as deixar acontecer, se for necessário.

Através desse processo que muito dele é mental, o dimensional pode ainda interagir com os “universos” de outras pessoas e com os “seres” entre todas as dimensões até a 9ª com suas sub-dimensões. E depois de ter alguns treinamentos acompanhados pelos mundos paralelos e já possuindo outro padrão evolutivo, ele não terá dificuldade de acessar à Tela Universal. Acesso que é necessário para que ele se torne um ser universal.

“Joio e Trigo” dizem respeito aos pensamentos positivos e negativos… Assim, o que o dimensional pensa vai gerando seu “universo”, que pode interferir nos “universos” de outros seres humanos em sua volta. A “realidade” que ele depara cotidianamente é consequência das consequências de seus pensamentos, decisões e atos já instalados em seu “universo” mental. Cada uma sua decisão gera uma consequência.

Assim, ele deve se perguntar diariamente, se tem certeza que tudo o que fez no dia, se foi correto em relação às outras pessoas que estão relacionadas ao seu “universo”, se ele não infringiu Leis Universais. E se nesse seu “rastreio” não ache nada que incomode seu sono, denota que ele fez a correta separação cotidiana entre o “Joio e do Trigo”.

Mesmo o pré-julgamento em qualquer situação já o condena, colocando-o no “salão dos espelhos”, para que nele posa enxergar em si, o que aponta e censura em outros. Ele deve remover seus “lixos mentais” e não os acumular. Esses geram nele psicossomatização (tanto quando os gera, quanto os recebe de outros), quando fica com sintomas até físicos, causados por situações emocionais que com elas convive de maneira perturbadora, além também de “emperrar” sua evolução – e, nesse caso ele é “joio”, deixando de ser “trigo”.

 

O Joio e o Trigo – Imagens da Internet

O Joio e o Trigo

A “sombra” gera o vazio naqueles que não são capazes de se interiorizarem, que não são capazes de sintonizarem com a sua Essência. Eles são inconsistentes e por não irradiarem Luz por onde passam, são ficções expressando a ilusão do mundo da forma.

A Luz por irradiar Verdade, é Linguagem Divina. É a Linguagem do Eu Sou, na medida em que todos os outros também “São”. A “sombra” é deletéria. Ela não aglutina e por não ser consistente nela mesma, ao se espalhar, ela só se expressa corroendo, minando e destruindo tudo e todos que estão à sua volta.

A Luz por vibrar verdades, é consistente nela mesma, é aglutinadora. Agrega todos que com ela estão em sintonia. A “sombra” por não se expressar Luz e, portanto, para se manifestar como filha da dualidade, precisa duelar e ela duela emocionalmente, com as armas do ódio, da inveja, do orgulho, do egoísmo e da maledicência, entre outras.

A Luz com a Sua presença amorosa e iluminando pela Vontade Divina, se expressa pela verdade no Amor de Cristo – no Amor Universal. A “sombra” por não ser consistente e por isso, não se expressar em Amor e Verdade, é uma ilusão. E por ser uma ilusão, “o personagem” que a incorpora não tem, portanto, a consciência que também é uma ilusão.

A Luz por irradiar Verdade, faz com que, os que estão com ela em sintonia, vistam o “manto dos anjos”, vistam o manto irradiador do Amor e da Paz. A “sombra” é prisão. É densa.

A Luz é libertação. É sutil. A “sombra” expressa o “ego”. A Luz expressa e vibra na Essência. A “sombra” desagrega, é desamor, é “joio”. A Luz agrega, é Amor, é “trigo”.

Lagoa Santa, 13 de setembro de 2001
Antônio Carlos Tanure

———————-

Orgulho, vaidade, arrogância, ganancia e inveja são os “lixos” mais constantes que o ser humano vai mental e emocionalmente gerando-os e os acumulando, quando então os expressando através de seus pensamentos e ações, vai moldando seu “universo”, que interfere nos “universos” dos demais que “giram” em sua volta. “Lixos” que ele vai acumulando através de rótulos dados às pessoas, e que vai fomentando diferenças e importâncias.

A responsabilidade profissional daquele que usa uma tesoura de jardinagem, não deve ser diferente daquele outro que utiliza de um bisturi no hospital, se os dois dão o máximo de si no que fazem ou, se agindo com consciência buscarem respectivamente a harmonia pelo belo e o correto pelo bom funcionamento, sem o primeiro sentir socialmente inferior ou com menos valor que o segundo, que por sua vez não deve sentir mais importante e mais valorizado que o primeiro.

 

A responsabilidade profissional daquele que usa uma tesoura de jardinagem, não deve ser diferente daquele outro que utiliza de um bisturi no hospital, se os dois dão o máximo de si no que fazem ou, se agindo com consciência buscarem respectivamente a harmonia pelo belo e o correto pelo bom funcionamento, sem o primeiro sentir socialmente inferior ou com menos valor que o segundo. – Imagens da Internet.

Os mundos paralelos já manipulam frequências da luz, o que só agora (em comparação muito grosseira) a ciência atual começou também a trabalha-las através da tecnologia do laser. Esses mundos estão em incontáveis anos luz à frente.

O dimensional possui “faces” física, vibratória/luz e mental. E com elas ele pode se mostrar, se souber, porque essa “magia” faz parte de sua evolução. E aquele que os mundos paralelos já projetaram sua imagem, ele mesmo sem saber disso, já está sendo preparado para fazer bilocação.

  

Os mundos paralelos valendo-se da tecnologia da luz e utilizando-se de campos biomagnéticos (do dimensional e da natureza presente) plasmam a forma que querem – Mais informações na Pagina Imagens: “Bilu” e algumas de suas faces no bioplasma – Imagens de dois filmes de Dakila Pesquisas (antigo Projeto Portal) – Clique à esquerda do mouse sobre as imagens, para vê-las com mais detalhes.

É importante que cada dimensional em seu processo de despertamento passe pela experiência de manipulação da luz, para que ele possa, inclusive, enxergar ele mesmo e suas outras frequências além da física ou, mesmo passar por outro se futuramente for preciso. Essa experiência é necessária para ele, que irá conduzir no novo mundo uma nova visão para um novo sistema. Talvez, no início ele precise usar dessa estratégia, para não ser reconhecido e assim poder mais tranquilo executar o que precisa ser feito.

Nesse caminho que busca o novo em sintonia à frequência da luz, quase sempre o dimensional antes caminha no caminho escuro da incompreensão, da perseguição e mesmo da agressão, em um plano de realidade que é também regido pelo Quarto Principio Universal – Lei da Bipolaridades. Mas, se ele a contrapõe e a extrapola, tendo-se persistência e foco para realizar seu compromisso que já foi por ele no futuro aceito, ele se coloca em sintonia aos mundos paralelos mais sutis/luz.

Mundos mais além que neles vibra o desejo mais profundo e que se mostra como a verdadeira “fé” que tudo realiza, porque com ela se completa, “torna-se inteiro”. É a “fé viva”, que mesmo no mundo exterior/realidade física, Jesus de Nazaré interiormente já a vivenciava, exteriorizando-a como Mensageiro de Deus.

  

Movidos pela “fé” milhares de “romeiros” em sua maioria seres humanos simples, humildes e identificados quase sempre pela pureza de coração gerando sentimentos emocionalmente fraternos, participam em muitos locais e em determinadas ocasiões de “festas religiosas”, quando “se enriquecem” com momentos positivos, mas que seriam de fato muito mais plenos e enriquecedores, se “essas comerações” em outro nivel de discernimento acontecessem apenas dentro de cada um e de maneira mais consciente e constante iluminado pela sua propria luz interior, sem a necessidade de artificios e de estimulos exteriores que quase sempre apenas o conduzem ou, mesmo o manipulam em sua emoção – Registros da comeração do Jubileu/2017 de Conceição do M. Dentro, Fotos de Maria das Graças Tanure Passos

O pensamento (5ª dimensão) que detemina o que ser humano molda no astral a matéria fluídica/bioplasmada (4ª dimensão) para compor características de acordo com a natureza do que por ele é pensado. Portanto, é ”o conteudo” do que ele pensa, que cria nessa frequencia de realidade, o que é depois na realidade fisica (3ª dimensão) se mostra como “milagre”.

A conexão com a Energia Suprema/Deus mostra-se com muito mais amplitude nos seres humanos portadores de espirito e de alma. A alma como acréscimo de luz é que lhe dá (entre todos os seres inteligentes/conscientes do Universo) sua sensibilidade, para que possua sua condição mental e seu estado de consciência para a compreensão e a tolerância, que com eles se mostra iluminado pela verdadeira sabedoria ou, com “maior percentual” de Deus.

Como o ser humano é luz densificada, a sua transfiguração acontece ao “se trabalhar” a luz, o que os mundos paralelos às veze fazem passando por alguém, quando querem ensiná-lo como se faz isso, interferindo nos padrões da luz, para “copiarem” sua face/aparência.

Essa técnica de manipular a luz, era conhecida por Jesus de Nazaré e conhecida também em tempos mais antigos por outros Mensageiros de Deus, como Moisés e Abraão, entre outros e além ainda, por Magos quando realizavam seus “milagres” para transpor algum obstáculo ou transformar um objeto em outro ou ainda, para materializar “algo”, quase sempre no sentido de ensinar ou de ajudar.

E através do seu percentual de alma que o dimensional mediante sua habilidade mental “vê” também uma outra frequencia de realidade paralela, que para muitos é chamada de astral e que nela mostram condições que podem lhe trazer reflexos posteriores em seu fisico, portanto essa frequencia “funciona” para ele, como se vê através de uma radiografia.

O dimensional desperto está agora iniciando uma segunda etapa de tarefas para resultados, que a humanidade a muito tem deles necessidade, porque até agora buscou tê-los pelo o que ela chama de “fé”, mas sempre usada como instrumento de exploração emocional buscando ganhos financeiros, como vem acontecendo mais constante nesses últimos tempos. A “fé” como de fato se deve ter, se faz por desejo profundo proporcionando transformação pela ação, com cada um concentrando-se – e, por si mesmo procurar solução para o que precisa nessa vida e além dela.

A verdadeira “fé” não utiliza o ‘Deus” de alguns, para manipular os demais. Ela quando verdadeira é ponte sem interferência com o mais além ou, com o Divino por estabelecer Frequência de sintonia direta à Energia Suprema, que com ela especialmente o dimensional deve de maneira consciente sintonizar.

O “filho das estrelas” que chegou nesse planeta em 4.004 a.C. e, agora de fato desperto, veio para fazer a “diferença”, mas para isso precisa antes se fazer como exemplo e, só depois então passar informações/conhecimento às pessoas. E nesse seu proceder com essa “diferença”, adquirir a capacidade de reacender não só sua chama interior como a das demais pessoas, ao iluminar suas mentes e seus corações, que ao se unirem em uma só “Tocha Viva”, podem então agora conscientemente iluminadas e conduzidas de acordo com novos conhecimentos inseridos nos fundamentos da natureza, construírem uma Nova Humanidade para um Novo Tempo.

Fontes de consulta:

Apostila de Dakila Pesquisas, maio de 2017
https://www.ippb.org.br/textos/especiais/mythos-editora/ectoplasmia-mythos-editor
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ectoplasma
ashahadasha.webnode.com.br/artigos/o-que-e-ectoplasma

Translate »