Postado por

Tempo das revelações e das redescobertas

Tempo das revelações e das redescobertas
Print Friendly, PDF & Email

O período da Idade da Pedra foi o mais antigo dos quatro mais recentes períodos da história da humanidade, mas os intervalos entre eles não são totalmente confiáveis, porque as informações arqueológicas de cada um destes períodos trazidas através de ferramentas e de outros utensílios achados em vários sítios arqueológicos da Terra, neles foram também encontrados outros de períodos mais recentes.No período da Idade da Pedra o período Paleolítico ou Idade da Pedra Lascada vai do surgimento dos primeiros hominídeos alguns milhões de anos atrás até 10000 a.C. E o período Neolítico ou da Idade da Pedra Polida vai de 8000 a.C. até 5000 a.C. A seguir surgiram o período da Idade do Bronze 3.300 a.C. e o período da Idade do Ferro 1.200 a.C.Até então “o progresso” humano tinha sido lento e quase inexistente com algumas ferramentas para uma primitiva agricultura e com outros utensílios em simplicidade de confecção para o uso doméstico.


Imagens de cima para baixo e da esquerda para direita mostrando utensilios respectivamente dos periodos da Idade da Pedra Lascada, Pedra Polida, Bronze e Ferro – Imagens da Internet

A revolução industrial surgiu apenas em torno de 250 anos atrás, em torno do ano de 1760 d.C.

Mas, só poucas décadas atrás, em torno do ano de 1940, quando os seres humanos começaram adentrar “no mundo do átomo”, que eles começaram a se mostrar tecnologicamente com seu poder mais refinado e verdadeiro de criatividade e de realização.

E com este poder de realização, iniciou-se para humanidade seu tempo do conhecimento cientifico-tecnológico e de respostas para perguntas, que a muito para elas não se tinham.

Este novo tempo que é também de seu salto quântico, é ainda das revelações e das descobertas, que se acentuaram muito mais a partir da última guerra mundial finalizada no ano de 1945, depois que neste mesmo ano foram jogadas no Japão duas bombas atômicas, a primeira em Hiroshima e a segunda em Nagasaki.

A partir desta ocasião novos conhecimentos foram provavelmente passados aos meios científicos-militares por inteligências de mundos paralelos, que dominam tecnologias muitíssimo mais avançadas que as já alcançada pela ciência humana,

Inteligências tecnologicamente mais avançadas preocupadas com as explosões destas primeiras bombas atômicas e das demais explosões destas ogivas que foram posteriormente testadas com potencial mais destruidor, portanto com possibilidade de gerar efeitos ainda mais devastadores.

Ogivas capazes de provocar imensa destruição não só Terra, mas também de gerar consequências outras além dela, como a de interferir nos “anéis de energia” que a envolvem o Sistema Terra.

Portanto, explosões atômicas destruidoras capazes de interferirem nas “barreiras de energia” que envolvem a Terra e que a separam destes mundos paralelos, ao mesmo tempo que sinalizam suas presenças.

Esta preocupação foi a gota d’água que fez transbordar a preocupação dos mundos paralelos e com ela as presenças mais incisivas das 49 raças no mundo físico das experiências humanas, para que elas pudessem acompanhar mais de perto “o progresso” cientifico-humano.

Assim, principalmente a partir do ano de 1971, estes seres de outros mundos mais evoluídos começaram interferir de maneira mais direta na frequência mental de grande parte da humanidade através de seu DNA, para que ela pudesse pensar e agir com mais equilíbrio emocional.

Equilíbrio emocional necessário à sua frequência mental agora em outro nível de vibração e não mais em sintonia à frequência da terceira dimensão, mas à frequência de vibração mais acelerada do bioplasma da quarta dimensão, buscando também a frequência ainda com mais consciência da quinta dimensão.

Para esta compatibilização que começou do ano de 1971 em diante, o ideal vibracional passou a ser o de sintonia acelerada com a Frequência da “Nave GNA”, uma Frequência de Energia que começou a alterar o padrão mental/vibracional do ser humano, quando começou também a transmutar e “imunizar” as células do seu corpo. Mais informações no texto: Um Corpo de Energia/Nave GNA, no www.pegasus.portal.nom.br.


Acima registros fotográficos de alguns instantes de uma sonda da Nave GNA com seu sinal sonoro emitindo vibrações, através de frequências energéticas de flash/luz que alteram o padrão mental do ser humano e que transformam e “imunizam” as células de seu corpo. Esta frequência de vibração vai gerando em seu corpo um campo eletromagnético, que vai permitindo os seus genes se potencializarem pela incorporação de mais energia ao nível de seu DNA físico, que vai se transformando em DNA Interdimensional com a ajuda deste complemento energético (flash) fornecido pela “Nave GNA”. E na medida em que a “chave energética” em seu código genético vai sendo reconstruída na Frequência da Nave GNA, vai aumentando também a sua capacidade de conectar com outras dimensões – Imagens de www.pegasus.portal.nom.br

O ano de 1999 marcou-se no mundo físico das experiencias humanas “o recomeço” com as presenças dos mundos paralelos, que começaram a ser registradas ainda mais comumente através de fotos e de filmagens, como aconteceu no antigo Projeto Portal (hoje Dakila Pesquisas).

A partir desta data ficaram mais constantes ali as presenças de “naves” bioplasmadas, que eram identificadas suas origens de vários locais do Cosmo através da forma que se deslocavam, de seus formatos e principalmente com suas frequências de luzes/cores – Mais informações no texto: Seres energéticos ou de pura energia são “anjos”?, no www.pegasus.portal.nom.br

Mas, para alguns pesquisadores este tempo estava associado ao Calendário Maia e, nele a data marcante era mais precisamente o ano de 2012, para sinalizar na história da humanidade, o fim do até então seu ciclo civilizatório.

E este acontecimento singular, se deu de fato no ano de 2012. Não o fim de tudo, mas o surgimento de um outro ciclo civilizatório para a humanidade, quando a ciência certificou e ao mesmo tempo descortinou para o mundo do conhecimento humano um novo horizonte.

Justamente neste ano de 2012 a ciência comprovou a existência da já tão desejada partícula bóson de Higgs – a “partícula de deus”, através do Colisor de Hádrons, no gigantesco superacelerador de partículas, que foi construído na fronteira entre a Suíça e a França e que proporciona novos avanços no campo das pesquisas cientificas.

Com esta partícula os cientistas chegaram a ter 99% de certeza de que a partícula que apareceu em meio aos glúons e quarks em uma colisão de prótons, ela era mesmo o bóson de Higgs e, puderam finalmente confirmar, que o Modelo Padrão da física moderna estava totalmente certo.

A ciência humana está atualmente cada vez mergulhada no campo da Física Quântica, procurando mais especificamente através da Mecânica Quântica entender melhor a Criação e com ela a Presença do Criador.

E neste novo tempo aquele que já realmente se despertou para sua realidade cósmica e cocriadora, busca o entendimento pelo conhecimento mais direto e mais verdadeiro da “Escrita Divina”, sem mais se sujeitar às interferências e distorções de interesses humanos principalmente os místico-religiosos e assim, já também sem mais devaneios vai percebendo e tendo melhor entendimento da “Ciência de Deus”.

Tudo no Universo está conectado através de um mundo repleto de formas geométricas que nascem e transbordam da natureza, que mesmo antes do surgimento do ser humano já desenhava o Padrão Matemático em Espiral (Proporção Áurea) tanto em nível do macro na imensidão do universo através das galáxias, quanto em nível do micro ao nível do mundo das experiências humanas na realidade física


A Matemática e a Geometria Sagradas são Linguagens Universais existentes em tudo o que se observa na Criação/Natureza, do microcosmo ao macrocosmo. Elas são “Natureza Materializada” através de fórmulas numéricas, que parecem ter sido calculadas e projetadas com formas geométricas por uma Fonte Criadora, que fornece informações sobre Si própria ou, sobre a Unidade que permeia todas as formas de vida. Imagens da Internet

Em torno da década de 40 do Século XX novos conhecimentos foram velozmente surgindo e cada vez mais se somando, foram despertando a humanidade e a impulsionando de várias maneiras para sua percepção de Realidade.

Nikola Tesla que morreu no ano de 1943, foi ele que descobriu alguns anos antes de sua morte o método de transmissão da energia elétrica por corrente alternada e, a partir desta sua descoberta foram sendo velozmente criadas teorias e práticas, que marcaram a história do desenvolvimento tecnológico da humanidade.

Ele foi um gênio que pensava e agia “fora da caixa”, estando em constante sintonia mental como um “Viajante do Tempo” com realidades paralelas no futuro.

Também no ano de 1953, no laboratório Cavendish, na Inglaterra, Francis Crick e James Watson concluíram que a molécula do DNA tem a estrutura de uma dupla hélice, uma descoberta que daria ainda mais novos rumos à ciência.

E só mais recente, em torno desta primeira década já no Século XXI, que o ser humano (pesquisador de Dakila), soube como inteligências dos mundos paralelos e possuidoras de tecnologias muito mais avançadas, se deixam ou não serem vistos. Serem ou não, tanto fotografados, quanto filmados.

Só agora este pesquisador soube que estes seres espectrais e sutilizados da quarta dimensão são capazes de transformarem seus corpos na frequência de energia/luz vibracional em frequência de energia/luz visível e vice-versa e assim, se deixam sair de sua condição de invisibilidade para a de visibilidade e vice-versa.

O pesquisador de Dakila já está preparado com sua frequência mental acelerada, para constatar com sua” visão mental” as presenças destes seres, que só assim são percebidos/”vistos” em frequência mais acelerada de energia/luz vibracional, própria para um mundo de vibração por igual mais acelerada.

Entretanto, ele não é capaz de mentalmente vê-los com sua visão mental/3ª visão”” e ao mesmo tempo enxerga-los com sua visão física no mundo real, para filma-los ou fotografa-los, a não ser que estes seres espectrais ajustem seus corpos à frequência de energia/luz visível, própria para a visão física em um mundo por igual físico. Mais informações com imagens e vídeo no Texto: Salto quântico à quinta dimensão, no www.pegasus.portal.nom.br

Os seres espectrais da quarta dimensão podem bioplasmar a forma que desejarem e também se tornarem visíveis quando desejarem, ao ajustarem seus corpos à frequência de energia/luz visível – Imagens de www.pegasus.portal.nom.br

Aquele que hoje, no ano de 2022, está com oitenta anos, ele está sendo testemunha neste curtíssimo período de oito décadas do avanço cientifico-tecnológico, que “modernizou e facilitou” sua existência do dia a dia, quando começou a dispensar o uso de “primitivos utensílios caseiros”.

E substitui-los por utensílios e aparelhos elétricos e eletrônicos, que são hoje fabricados cada vez diversificados com tecnologia de ponta, para satisfazerem cada vez mais também suas necessidades do dia a dia.

Ele que é testemunha do avanço tecnológico da ciência humana neste curtíssimo espaço de tempo, tinha 12 anos no ano de 1942, levando uma vida muito simples sem “os encantos tecnológicos” de hoje, que nem de longe passavam pela sua imaginação.

Foi ainda no clima da última guerra mundial que começou esta brusca mudança no seu “modus vivendi”.

E esta mudança tão repentina e veloz que se deu em sua vida, pode-se supor por detrás dela não como exercício de imaginação, mas como uma realidade o uso da engenharia reversa através de espaçonaves alienígenas recuperadas e, ou presença de inteligências não humanas e muito mais avançadas tecnologicamente (como as 49 raças), cooperando para que esta transformação tão rápida acontecesse.

Mas, o ser humano “de ontem e de hoje” deve ter sempre em mente, que o seu verdadeiro objetivo na realidade física é “se movimentar”, para se exercitar com sua energia emocional, que em inúmeras frequências como seus sentimentos deve aprender harmoniza-la, para no final possa alcançar sua Real Frequência, a de um Ser Universal.

O Primeiro Princípio Universal ou o Princípio do Mentalismo expressa a verdade que o universo é mental, que ele está dentro da Mente d’O Todo. Assim, “O Tudo está n’O Todo, como também O Todo está em Tudo”.

Conduzindo-se por este Princípio Universal, o novo ser humano deste também novo tempo das revelações já está sendo preparado, para alcançar a frequência de vibração mais sutil e mais plena de consciência da quinta dimensão, depois que aprendeu a exercitar no mundo do bioplasma com a frequência da quarta dimensão.

E ele ao buscar agora sintonia à frequência da quinta dimensão, não a busca fisicamente, como faz andando à procura de algo na realidade física, mas pelo contrário ele se interioriza. “Insere em si mesmo” pela mente e principalmente pelo coração, buscando-se neste entrelaçamento, iluminar-se com os sentimentos da harmonia e do amor seu “Reencontro” com sua Essência/Centelha.


O maior instrumento de poder encontra-se dentro de cada ser humano. Encontra-se em seu pensamento, quando iluminado pelo Luz Viva irradiada de seu coração, ele pode abrir vórtices energéticos/”portais” e interagir consciente com mundos de vibração mais acelerada e mais sutil. Mais informações no texto: Despertam-se os Seres Universais, no www.pegasus.portal.nom.br.- Imagens de www.pegasus.portal.nom.br.

Este tempo é das revelações pelas novas descobertas através do conhecimento cientifico-tecnológico da ciência humana, mas é também o das revelações através das descobertas arqueológicas com tecnologias muitíssimo avançadas pertencentes outras civilizações que aqui estiveram e que já faz tempo foram embora, voltando-se ao seu mundo de origem.

Em qualquer uma das situações mencionadas anteriormente, o ser humano procura obter repostas, que com elas no final possa ter de forma direta melhor clareza de entendimento ou, ter com mais lucidez através de informações, “se aproximar” mais verdadeiramente consciente à Fonte de Origem de todas as coisas.

“Não há nada escondido que não venha a ser revelado, nem oculto que não venha a se tornar conhecido” – Mateus 10:26.  “Porque não há coisa oculta que não haja de manifestar-se, nem escondida que não haja de saber-se e vir à luz” – Lucas 8:17.

  

——————————————-

 

O ser humano por ser em sua individualidade um ente cocriador constituído de corpo físico e consciência, é que a Consciência Universal Criadora na sua Unidade e Vibração Incorpórea Ilimitada, pode através dele – da criatura por Ela criada, experienciar suas emoções humanas como frequências de vibrações limitadas e “traduzidas” no mundo físico de suas experiências pelo seu pensar e proceder.

E, por existir esta “Simbiose Energética” entre o Criador e a criatura, é que o ser humano ou, a “criatura criada” pode nesta “Reciprocidade Existencial” alcançar respostas às perguntas que faz, bastando que ele “mergulhe” em seu mundo interior para obtê-las, já que elas estão dele constantemente fluindo, mas não são comumente percebidas.

Ao buscar as mais necessárias respostas para seu aprendizado de vida o ser humano é favorecido, porque muitas delas “já estão escritas” em seu corpo físico e com possibilidade de positivamente influenciar seu pensar e agir. Possibilidade que a ciência humana a associa, para o que diz hormônios.

 Os hormônios que estão no ser humano ligados às respostas fisiológicas, morfológicas e bioquímicas e, eles com sua “escrita bioquímica” no receituário da “Ciência Divina”, estimulam e ajudam o ser humano para além do seu comumente “sentir” físico-corpóreo.

A serotonina é o hormônio que entre outros estímulos, o ajuda a equilibrar o humor, impulsionar o sono e o aprendizado. E a dopamina participa nele de seu “ciclo de recompensas”, estimulando-o através de seu cérebro a completar tarefas, ter sensação de prazer e disposição para o aprendizado, cognição e memória.

A endorfina atua no ser humano como um poderoso analgésico para situações de dor e estresse e, ele tenha menos sensação de desconforto. E a ocitocina reduz nele o sentimento de ansiedade, ao mesmo tempo que o estimula para os sentimentos de calma e de segurança.

Ainda, a ocitocina produzida no cérebro pelo hipotálamo é tida como “hormônio do amor”. E especialmente com este hormônio, que a “escrita bioquímica” da “Ciência Divina” estimula o ser humano para o estado mental de alegria, ao se perceber melhor integrado à Realidade, com Ela se sentir mais unificado.

Com os estudos mais recentes os cientistas já sabem, quando alguém pensa e age sem esperar nada em troca em um ato de total doação, ele por assim proceder, seu corpo libera automaticamente ocitocina, envolvendo-o em um estado de amorosa leveza mental proporcionado pelos sentimentos de alegria e de felicidade. Sentimentos na frequência da realidade humana, já antevendo a frequência da realidade angelical.

Estes sentimentos se mostram também na mulher no momento do parto, porque nesta ocasião acontece em seu corpo uma descarga de ocitocina e, mesmo este momento sendo de dor física, ela fica envolvida de amoroso sentimento maternal com o recém-nascido.


A mãe na hora do parto apesar dele ser fisicamente doloroso, ela por causa da descarga de ocitocina neste momento, se deixa envolver por um estado de amorosa leveza mental, que lhe proporciona sentimentos de alegria e de felicidade – Imagem da Internet

O verdadeiro significado do que o ser humano diz vida, transcende o passageiro mundo de seus sentidos, transcende o mundo da dualidade com suas disputas e conflitos na realidade física.

O verdadeiro sentido do ser humano “experienciar a vida”, é muito mais ele se exercitar com coragem através de seu corpo físico. É ele se exercitar mentalmente a ausência do medo, para vencer seus conflitos emocionais, que ele enfrenta cotidianamente na densidade de seu mundo físico.

A palavra coragem é muito interessante. Ela vem da raiz latina cor, que significa ‘coração’. Portanto, ser corajoso significa viver com o coração.” – Osho

O ser humano ao experienciar o que ele diz vida e, se com ela vai se informando, conhecendo e aprendendo, é para que ilumine sua alma, “exercitando-se” através dos sentimentos da harmonia e do amor e, possa com eles no final, alcançar o verdadeiro significado de vida em seu real sentido de eternidade.

Ainda mais, se o ser humano existe no mundo físico de suas experiências, que é fundamentalmente constituído em sua estrutura físico-atômica por energias bipolares ou, por cargas elétricas opostas (prótons e elétrons), é para que ele “já estando aprisionado” em corpo físico neste seu mundo de experiências com frequências energéticas opostas, se exercite em ressonância às Leis Universais com experimentos mentais de dualidade.

Experimentos mentais por ele ser não só inteligente e consciente, mas também especialmente possuidor de energia emocional, que a tendo como sentimentos opostos ou, como frequências energéticas de dualidade, ele deve aprender extrapola-las pela neutralidade ou, pela frequência do sentimento da harmonia.


No Universo é o ser humano especialmente o único ente possuidor de energia emocional, que com ela no mundo físico de suas experiências se estimula e se exercita com sentimentos opostos – Imagem da Internet

O ser humano limitado pelas suas experiências de origem ou de dualidade, ele em seus “espaços mentais” está comumente exercitando sentimentos opostos, que o limitam em seu mundo mental, não o permitindo tomar consciência da realidade de outros mundos.

Mundos que existindo com suas próprias leis e que não mais alcançados pelos seus cinco sentidos comuns, não estão também mais circunscritos à noção de dualidade.

Só agora no início deste novo tempo que esta limitação está sendo afastada por aqueles “diferentes”, que já são possuidores de frequência mental acelerada e que já podem com ela interagir conscientes com os mundos paralelos.

E nestas suas experiencias que agora as têm como “verdades interiores”, podem também se afastar das ardilosas manipulações de um poder global constituído por alguns poucos, que vinham ditando normas de conduta como verdades estabelecidas, voltadas aos seus interesses.

Sujeitos à esta manipulação os seres humanos vêm a muito sendo conduzidos por estes poucos através de preceitos político-religiosos e econômico-financeiros, que lhes são impostos e os limitam física e mentalmente.

Principalmente segmentos religiosos deste sistema global manipulador para se impor, sempre se destacaram astuciosamente em mistificar sobre a ideia de pecado, que com ela “atrelaram” a noção de castigo imposto por “um deus” de temor por eles astutamente forjado e, em nome dele impor seus interesses aos ignorantes ou, àqueles desprovidos de discernimentos, por não buscarem informações e conhecimento dentro de si mesmos.

Ignorância pela falta de discernimento que até hoje existe, mesmo já tendo cerca de dois mil anos atrás, a mente humana sido iluminada pela verdade eterna, que “o reino de Deus não vem com aparência exterior. Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós. Lucas 17:20,21

Esta verdade que foi mencionada por Aquele que “venceu o mundo” e assim pôde ressuscitar/transmutar, também Ele mencionou em sua Sabedoria de Mensageiro de Deus, que o ser humano com seu pensar e agir só expressa o Sentimento do Amor Universal, se ele já possuir verdadeiramente a noção e o sentir, que “o reino de Deus está dentro de si”.

Neste novo tempo o novo ser humano que já está surgindo, está se percebendo cada vez mais como um ser universal, quando começa também a obter respostas para um outro nível de conhecimento, já em sintonia à sua mente e consciência cocriadoras.

E, com esta sua percepção mental cada vez mais acelerada/vibrante ele começa também, a obter respostas cada vez mais de maior amplitude sobre o Criador/Deus ou, sobre a Presença da Mente Criadora que tudo modula e realiza.

Este novo tempo da “Ciência Divina” sendo mais percebida como a Mente Universal Modulando a Criação, não é mais o tempo do místico-religioso cultuado em templos, igrejas e em outros recintos físicos utilizados para este fim.

Este novo tempo é o da “Amalgamação” entre a consciência e a mente conduzindo o novo ser humano em sua “leveza” e sensibilidade d’alma através de “portais energéticos”, para que ele os transpondo sem mais medos e crendices, “se conduza” para outros mundos mais sutis e possa experienciar “outros céus” mesmo ainda em corpo físico.


Este novo tempo é de o novo ser humano, que através de sua mente e de seu coração “se faz” como um vórtice de energia para transpor “portais” e alcançar os mundos paralelos – Mais informações na Página “O Portal” e no texto “No milharal, a entrega da Quinta Placa”, no www.pegasus.portal.nom.br – Fotos de Antônio Carlos Tanure

Se existe para o ser humano seu mundo físico de experiências, é para que ele um ente “movido” por inúmeras frequências emocionais indutoras de disputas e às vezes também de conflitos, se mostre em seu cotidiano capaz de harmoniza-las.

As noções do bem/bom e do mal/ruim que ele as expressa respectivamente como energias positiva e negativa através de suas emoções, são inerentes à sua condição físico-corpórea, portanto estão nele “inseridas” desde seu nascimento.

Estão nele como “marcas”, mesmo antes dele se mostrar como um ente fisicamente inteligente e consciente no mundo denso de suas experiências. É “o seu pecado original” por possuir corpo físico, que deve através dele aprender neutralizar-se, exercitando-se o equilíbrio emocional com os sentimentos da harmonia e do amor.

Como já foi anteriormente mencionado, mas é sempre bom salientar, se o ser humano um ente mental e consciente exercita-se em um mundo, que é fundamentalmente construído em sua estrutura físico-atômica por energias bipolares de cargas elétricas opostas (prótons e elétrons), ele só pode exercitar de acordo com o Segundo Princípio (Lei) Universal “experimentos mentais” como energias/frequências de dualidade.

Frequências de dualidade que são próprias à uma realidade consequente de informação mais complexa, como a de seu mundo emocional e mental de aprendizado, mas também de “sua prisão”.

Entretanto, se ele já adulto voltando-se para dentro de si e “neutralizando-se”, ao se iluminar pelos sentimentos da harmonia e do amor em “sintonia aberta” pela mente e principalmente pelo coração à sua Centelha Divina, que não é mais alcançável por leis deste seu mundo físico e de seus sentidos comuns, ele “vencendo o mundo”, poderá extrapolar esta sua prisão energética bipolar-antagônica de origem.

“Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”. Jo 16:33.

O ser humano deve em sua caminhada no mundo físico de suas experiências, aprender a se exercitar emocionalmente com harmonia/equilíbrio, na medida em que vai transitando pelas suas Três Linhas ABC da Vida.

A Linha A representa o passado ou tudo aquilo que ele teme e não quer que repita em sua vida, é representativa das energias de frequências na polaridade negativa. A Linha C representa o futuro é a Linha da frequência de polaridade positiva ou, do que ele deseja em sua vida, mas é ainda apenas possibilidade. A Linha B é a Linha do Meio ou da Neutralidade e, nesta frequência ele não se fica emocionalmente em desarmonia, mesmo se não fizer o que quer.

A Linha B tem ascendência vibratória sobre as Linhas A e C. Aquele que por ela caminha não se oscila emocionalmente e assim, não fica “esvaziando-se” de sua energia mental, porque já percebe que tudo na dinâmica da vida tem seu momento certo de realização.

Esta Linha por ser o caminho das experiências que levam o ser humano à criatividade e à realização, ela deve ser sua reta e objetivo finais – Mais informações no texto: Consciência e Mente Cocriadoras, no www.pegaus.portal.nom.br

O ser humano deve se libertar da alternância de seus sentimentos opostos, que ele a constrói em função da dualidade emocional de sua prisão original. Ele deve diferentemente em sua vida, “mover-se” como um equilibrista de sucesso, que se desloca sobre uma corda distante do chão, indo sempre para frente sem pender para um lado e nem para o outro, para alcançar com sua chegada o ponto final.


Mover-se sobre uma corda espichada bem distante do chão, aquele que enfrenta este desafio fisicamente visível e impactante, deve possuir equilíbrio entre sua mente e seu corpo. Mas, o desafio diário do ser humano é muito mais impactante, apesar dele não se mostrar assim visivelmente, é o desafio que ele tem de se harmonizar constantemente com sua energia emocional, que se mostra no mundo físico de suas experiências, gerando constantes sentimentos opostos em seu mundo de frequências energéticas de dualidade ou, de sua prisão original – Imagem da Internet

O sentimento da injustiça social é a energia que mais comumente se mostra no mundo das experiências humanas. E esta frequência energética que traz como desdobramento a energia na frequência da desarmonia, ela está associada ao Código/Símbolo 666.

Mas, esta frequência já está sendo revertida para a frequência do Código/Símbolo 999, quando agora já começa a ser reconstruído um novo tempo de harmonia e de fraternidade, identificado como a Era de Aquário ou a Era de Ouro

Se agora começa a ressurgir este novo tempo, surge-se também com mais veemência as perguntas, porque são os sentimentos de agora, que continuam com procedimentos cada vez mais agressivos e destrutivos e não aqueles que buscam somação, que denotam procedimentos de união?

As presenças das 49 raças e especialmente as presenças dos seres de Gemus para esta ocasião, “estão impulsionando” para que a Terra e a humanidade entrem na frequência de vibração mais acelerada para suas transformações

E nesta “impulsão vibracional” da Terra muitos seres humanos não estão alcançando com ela sintonia através de seus campos de energia. Entretanto, muitos outros estão nesta sintonia e mentalmente se preparam para um novo ciclo de existência, que nele em outro nível de sabedoria irão na Terra exercita-la com novas informações, com novos conhecimentos.

Também, a Terra nesta ocasião de mudanças definitivas conduzida por Leis Universais, é impelida se mover (metaforicamente) como uma imensa bateia cósmica e, neste seu “batear” vai expelindo para fora dela, tudo o que se mostra nocivo e que deve ser expurgado, para no final fique nela apenas “ouro”.

A insegurança que se mostra pela atual agressividade no relacionamento humano, está inserida “neste batear” ou. no seu depurar cósmico porque agora é a ocasião de soluções definitivas, que envolvem a mudança vibratória da Terra e a mudança comportamental da humanidade, depois de um longo período de aprendizado de 25.625 anos. Não tem mais “recuperação de segunda época”.

Uma mudança como necessidade de “depuração geral” trazendo novas leis definitivas de conduta, que busquem “modus vivendi” coletivo com mais harmonia e justiça, que sinalizem aos seres humanos uma convivência com mais fraternidade, respeito e amor e ainda, com outra percepção da Natureza que dá vida à Terra – o “Útero Cósmico”, que lhes possibilita a vida e os abriga.

Tudo que já está programado pela Consciência Una, que é condutora das Leis Universais, é irreversível.

Nesta programação encontra-se especialmente a cidade de Zigurats, que desde o início de sua construção na realidade física, já vibrava em ressonância a este novo tempo, para que dela através dos “diferentes” pudesse germinar os ideais desta Nova Era de Ouro.

Os “diferentes” que ali se acham e se identificam pela mente e pelo coração à Frequência Vibratória 999, que agora não sendo mais utopia, a irradiam para todo o mundo, como ideias que procuram lhes dar vida pelo conhecimento diferenciado e “absorvido” dos mundos paralelos.


Muitos “diferentes” já estão indo morar na cidade de Zigurats ainda em construção, por sentirem ali mais seguros do que em suas cidades de origem – Imagens de Dakila Pesquisas

 “Os anos de 1997 e 1998 foram anos do despertar destes “diferentes” através de sua ativação pelos mundos paralelos. E 1999 foi finalmente o ano decisivo para cada um deles, porque foi o ano de definir frequências e de caminhar sempre para frente, um caminhar com o qual não deveria existir mais retorno, porque seu campo vibratório já tinha sido ativado”;

“666 e 999 como dois números cabalísticos ou como duas vibrações com significados ocultos transcendem como expressões/codificações numéricas, por neles vibrarem respectivamente as energias de duas frequências: a do passado e a do presente, com o intuito de construir a do futuro;

“A vibração do número 666 estava inserida na história cósmica e passada destes “diferentes”, que agora já com a frequência mental em sintonia à vibração do número 999, tornaram-se aptos para resgatar multidões de seres humanos, em um momento especial de mudança de ciclo da Terra e da humanidade”;

“As frequências 666 e 999 estão inseridas na história de Dakila. Inserção com a codificação na vibração 666 por um compromisso anteriormente não alcançado, mas agora já resgatado com a codificação na vibração da frequência 999, mediante o que aconteceu no local (espaço) da Fazenda Boa Sorte (hoje Recanto de Havalon) e no ano (tempo) de 1999, ainda no antigo Projeto Portal (hoje Dakila Pesquisas)”;

“Naquele local e naquele momento (espaço/tempo) aconteceu o que já era esperado há seis mil anos.  A grandiosidade deste momento se mostrou na Fazenda Boa Sorte, no dia 10 de outubro de 1999, em torno das 4h45min, com a entrega da “Primeira Placa” física, quando começou a ser alterada a frequência mental de um terço da população da Terra ou, daqueles “diferentes” com suas origens em outros pontos do universo”;

“Naquele local e naquela data o futuro e o passado “inseriram-se” naquele instante do aqui agora, através da chave energética da “Primeira Placa” física que foi acessada. Acesso que permitiu a “abertura do portal” e, através dele de maneira definitiva e decisiva o livre trânsito entre a terceira e as demais dimensões”.


Registro fotográfico com máquina fotográfica comum (com negativo), mostrando poucos minutos após aquele que recebeu materializada a primeira “Placa Física”, sendo felicitado ainda envolto em bioplasma (“névoa/neblina”), que dava impressão de ser poeira. Nesta energia oriunda do mundo paralelo estão “inseridos” alguns corpos discoides e também em função dela, aquele que recebeu sua “Placa” irradiava um frio intenso e diferente (cadavérico), como vindo de dentro do seu corpo, que ainda não se mostrava suficientemente nítido, “ao exalar” um pouco da energia do bioplasma. Fazenda Boa Sorte (hoje Recanto de Havalon), dia 10 de outubro de 1999, em torno das 4h45min – Foto de Antônio Carlos Tanure

“A partir de 1999 estava assegurada na realidade física a permanência dos guardiões das realidades mais sutis, dos agentes condutores das mudanças a nível individual e planetário, para ajudar a irradiar uma nova e propagadora frequência mental para todo o planeta e com ela o surgimento de uma nova consciência” – Mais informações no texto: Tecnologia Mental na Era Dourada, no www.pegasus.portal.nom.br

O novo ser humano que está surgindo, ele agora de posse de conhecimentos da ciência de um outro mundo, começou a se tornar de fato “um diferente “, pensando e agindo “fora da caixa” e libertando-se das mesmices de sempre da ciência atual.

Ciência oficial que esconde entre outras informações, as verdades sobre a forma da Terra e a existência do “Sistema Terra” com seus anéis envolventes de energia, que a separam de outros e paralelos mundos.

Zigurats no município de Corguinho/MS está cada vez mais se tornando o local de moradia do “diferente”, que ali chega ouvindo o chamado de sua “voz interior”, para fazer a partir dali também a “diferença“ para todo o mundo.

Ele já possui alterações em seu DNA. Alterações genéticas que o faz “mutante” e também “diferente” com seu pensar e agir e, com eles questionam o atual sistema global de poder.

Ele já não mais entende a vida como um rotineiro ciclo de nascer, crescer e morrer, porque já a entende não mais desta maneira limitada, mas que existe algo de fato além desta “rotina cansativa” de experienciar em seu mundo denso.

Com ajuda dos mundos paralelos “o diferente” já caminha “nesta nova trilha”, que começa a ser construída a partir de Zigurats/Dakila, através daqueles que ali já estão e dos que para ali estão constantemente chegando, todos com proposito de agirem com estratégicos procedimentos de inteligência e de sabedoria.

Procedimentos de sabedoria para que não provoquem confronto direto com aqueles que defendem o atual sistema manipulador de poder, porque sabem que cada um com seu nível de consciência, está em seu estágio evolutivo.

O “diferente” que já se despertou para este novo tempo, ele por já estar em outro nível de consciência e de percepção já conhece aquele pela energia irradiada de seu campo, pode ou não com ele ter afinidade de pensamento e assim, pode ou não com ele se somar.

O sorriso, olhar, fala/vibração sonora e toque já são “magias” conduzidas pela força mental daqueles que já moram em Zigurats e mesmo daqueles que para ali já estão chegando e, que já se mostrando também como “diferentes”, são identificados para os Grupos Luz, Alquimia, Sublimação, Modulação e Harmonia/Caduceu:

E, os participantes destes Grupos estão por enquanto apenas acelerando sua frequência cerebral, para depois realmente se mostrarem como “diferentes” não só em relação às demais pessoas, mas principalmente em relação a si mesmos, quando terão alcançada a transformação de sua matéria corpórea e, através dela a superação das doenças, lhes possibilitando o prolongamento de suas vidas.


Em Dakila os “diferentes” estão por enquanto apenas acelerando sua frequência mental, para depois alcançarem a transformação de sua matéria corpórea e, com ela alcançarem também o prolongamento de suas vidas – Imagem da Internet

Chegou para humanidade o tempo das revelações e, uma delas é o ressurgimento de Ratanabá, aflorando-se do subsolo da floresta amazônica brasileira e se mostrando como uma construção colossal possuidora de avançada tecnologia, que diferentemente da tecnologia e do conhecimento cientifico humanos atuais, está muitíssima mais à frente destes últimos.

Em uma época que “já se perdeu na curva do tempo”, Ratanabá foi um imenso centro radiador de conhecimento e de tecnologia do povo Muril, que era constituído por inteligências vindas de outra parte do Universo e que dali se espalhou por vários locais da Terra.

As construções/bases do povo Muril foram reaproveitáveis já muitíssimo tempo depois em outro ciclo civilizatório pelos Anunnaki, que também utilizaram dos Muril os caminhos subterrâneos/túneis e ainda os caminhos de superfície, que muito depois dos Anunnaki ficaram conhecidos como Caminho de Peabiru, utilizado pelas culturas das sociedades toltecas, olmecas, incas, nazca. maias, e astecas, entre outras.

O Caminho de Peabiru tinha seu traçado em grande parte no atual território brasileiro. – Mais informações no texto: Em outros tempos no Caminho de Peabiru, no www.pegasus.portal.nom.br.

Geoglifos encontrados pelo caminho de Peabiru foram também encontrados na Amazônia indicando construções milenares e, todos eles relacionando-se às informações da existência de Ratanabá.

Informações exatamente nos locais que antes existiram as construções principais dos Muril, que depois foram reaproveitáveis pelos Anunnaki, os responsáveis geneticamente pelo surgimento há muito mais de 300.000 anos atrás da espécie Homo sapiens, que está classificada na ordem primata e na família Hominidae e, nela incluída por fim o Homo sapiens, o Adão”, que resultou no homem moderno.

Os Anunnaki transformaram as construções dos Muril em suas bases, no intuito de explorarem minérios no atual território brasileiro, depois que os últimos possuindo apenas o objetivo cientifico de pesquisas e não de exploração, já tinham a muito regressados para seu mundo de origem. E, os Anunnaki com o propósito de continuarem sua exploração mineral, deslocaram-se depois para outras partes da Terra.


Nas imagens acima mostrando o processo gradativo de transformação genética para o surgimento do Homo erectus e dele para o homem moderno – Imagens da Internet

Na região amazônica as fundações de construções milenares que foram deixadas pelos Muril e que depois foram reaproveitadas pelos Anunnaki, mostram-se mais destacadamente em Mato Grosso/Brasil, no local conhecido como “Linhas de Apiacás”.

Tudo ali é grandioso, as ruas são enormemente largas, o que leva a supor os   veículos que com eles “os deuses” vindo do alto, não eram provavelmente veículos que se deslocavam pelo chão.

Naquela região o que se pode constatar de maneira visivelmente clara, porque se acha ali sinalizada fisicamente, são as presenças naquela época de inteligências possuidoras de conhecimento tecnológico avançado.

Inteligências (alienígenas) que são mencionadas em documentos religiosos do hinduísmo politeísta, do cristianismo no Velho Testamento e ainda em outras fontes religiosas de informações, mas ali são mencionadas distorcidamente, dando-lhes conotação de divindades.

Aqueles que possuem entendimento distorcido sobre o que está escrito nestes documentos, se eles possuíssem outras informações/conhecimentos com mais clareza mental, seu entendimento de “divindades” ali tão “teologicamente mistificados” seria substituído por seres inteligentes “tecnologicamente avançados”.

E, não ficariam até eles mesmos à mercê também de manipuladores de sua ignorância pela falta de conhecimento através de outras informações.


Aqueles que veneram objetos, ainda não alcançaram a clareza mental para não possuir esta atitude, adquirindo outras informações e conhecimentos – Imagem da Internet

Muitos destes seres “tecnologicamente avançados” e tidos ainda por muitos como divindades, são possuidores de corpos em frequências mais sutis para realidades também de vibração mais sutis/aceleradas e não mais sujeitos aos limites espaço-tempo.

E, utilizando-se de vórtices de energias, eles são capazes de atravessarem “portais” para surgirem repentinamente no mundo da realidade física humana, depois de atravessarem os anéis energéticos que envolvem o Sistema Terra.

A cada momento descobre-se uma nova evidência arqueológica das presenças na Terra de seres de outros mundos. Presenças físicas em tempos muito mais remotos como as dos Muril em Ratanabá e mais posteriormente as dos Anunnaki, com os primeiros principalmente possuindo conhecimentos cientifico-tecnológicos muitíssimo à frente dos conhecimentos já alcançados pela ciência humana.

Na região amazônica, adentrando-se em muitas cavernas, salas subterrâneas, túneis, galerias enormes e aparentemente sem fim os pesquisadores de Dakila seguiram a trilha destas evidencias que os levaram à localização da soterrada Ratanabá

Evidencias que já estão se mostrando neste “tempo das revelações”, mas quase sempre são comumente rejeitadas pela ciência oficial. Por isso, é necessário que aqueles que as informam, tenham muito foco e determinação, mas também se conduzam com muita sabedoria, pautando-se com cautela ao transmiti-las.

Todos os indícios pesquisados por Dakila levam a supor, que cerca de 80% da região amazônica abrangia Ratanabá com suas ramificações, pois eles se mostram assim, como uma extensa área formada por uma imensa cidade/capital com suas várias cidades satélites. A parte central desta área teria a extensão de duas vezes o tamanho do Estado de São Paulo,

Os “mitos” das cidades de Ofir, Akahim, Akakor são bem provavelmente construções posteriores sobre partes do complexo deixado por Ratanabá, como também em tempos ainda mais recentes construções conhecidas das civilizações toltecas, astecas maia e inca entre outras, mas todas elas possuindo esta conexão de origem.

Onde é hoje a Serra da Muralha em Rondônia, sinaliza o “marco zero” ou, a 1ª demarcação dos Muril, que vieram à Terra pela primeira vez com ela ainda sob algumas “efervescências geológicas”, por isto apenas na sua segunda vinda em torno de algumas centenas de milhões de anos atrás, que os Muril aqui ficaram e construíram Ratanabá.

Ratanabá foi a capital da primeira civilização tecnologicamente muito avançada, que na Terra chegou e por ela se espalhou vinda de outro local do Universo. Seus habitantes – os Muril, não eram possuidores apenas de conhecimentos cientifico-tecnológicos, como também possuíam domínio de outras leis além das leis para a realidade física, que a atual ciência humana ainda nem vislumbra.

Ratanabá que significa “dos reinos para o mundo”, recebeu este nome originado da língua Irdin (logicamente o primeiro idioma da Terra), para com ele identifica-la naquela época pela sua importância como centro irradiador de conhecimento e de tecnologia. Dali que outras construções se espalharam durante inúmeros ciclos civilizatórios por todos os continentes.


Sob a Serra da Muralha em Rondônia encontra-se o “marco zero” ou, a 1ª demarcação dos Muril. Dali Dakila Pesquisas conseguiu definir não só Ratanabá como a construção principal dos Muril, mas também diversas outras que a partir dela espalharam-se por todos os continentes. – Imagens da Internet

O “marco zero” proporcionou aos pesquisadores de Dakila a localização mais exata da grande capital dos Muril, ao direcionar suas pesquisas para as Linhas de Apiacás. mas também para outros pontos que sobre eles os Muril ergueram outras construções, que algumas delas se mostram até hoje como fortificações distribuídas pelo mundo.

Na região amazônica “um grande império” está soterrado 70% dele sob a lama, em uma profundidade variando entre 08, 10, 50 até 200 metros dependendo da região e estendendo-se por um longo caminho desde Rondônia, até o Delta do Amazonas.

E os 30% dele aflorados que permitiram os pesquisadores de Dakila fazerem, o “alinhamento” deste imenso complexo construído, ao utilizarem de certas técnicas, para perceberem a existência ali de uma civilização complexa, possuidora de uma tecnologia muito superior à humana.

Uma civilização que habitou esses pontos, que neles construindo em todos continentes em tempos imemoriáveis, deram origem mais tarde diversas ocupações por povos de culturas diferentes, em épocas também diferentes. No território brasileiro provavelmente existam entre 20 a 30 pirâmides, que ainda serão reveladas.

Os pesquisadores de Dakila em seus estudos iniciais ainda procurando “conectar todas estas peças”, seguiram o que ainda hoje resta, do que foi o Caminho de Peabiru, para chegar no final onde outrora foi erguida Ratanabá, porque todas estas informações estavam interligadas, mesmo originadas de épocas diferentes.

O Caminho de Peabiru que no Brasil possui cerca de um metro e meio de largura, recebeu diferentes nomes de acordo com a região. Nos Andes passou a ser chamado “Estrada dos Incas, no México ficou conhecido como “Sacbes” ou as estradas brancas e na Espanha é hoje conhecido como “O Caminho de Compostela”, entre outros nomes e em outros locais.

Este caminho por acompanhar a “malha eletromagnética” da Terra, foi possível com o auxílio delas identificar os pontos/locais, que outrora foram erguidas as construções no traçado da Estrada do Peabiru. Portanto, esta malha viária física que “foi delineada” por uma malha eletromagnética, que interligava todos os continentes, a partir de Ratanabá.


Campo eletromagnético da Terra, Ressonância Schumann ou simplesmente Linhas Ley delineou em tempos imemoriáveis com sua malha eletromagnética a malha viária física, que interligou na Terra todos os continentes partindo de Ratanabá – Imagem da Internet

Existia uma malha viária espalhada praticamente por toda a Terra, mas depois não só do último grande dilúvio como também dos grandes outros dilúvios universais anteriores pelos consecutivos movimentos de precessão da Terra e ainda, de consecutivos terremotos, muito dela ficou submersa nas águas dos oceanos e soterrada em várias partes do mundo.

Nas águas oceânicas pesquisadores mergulhando, encontram de vez em quando construções submersas como pirâmides e pontes, entre outras. Inclusive algumas delas no Brasil que ainda virão à tona e que se mostrarão interligadas ao Caminho de Peabiru, também fazendo conexão com demais construções e estradas espalhadas pelo mundo.

Muitos petróglifos como inscrições e desenhos em baixo relevo são encontrados no sítio arqueológico de Nova Riachuelo/Rondônia, como também em outros locais daquela região, como os petróglifos dos sítios arqueológicos de Presidente Medici, Guajará-Mirim e Porto Velho. E muitos deles “marcam” toda a extensão da Estrada do Peabiru.


Todas as seis fotos acima foram tiradas em Rondonia/Brasil. As três primeiras imagens marcam locais com petróglifos em Nova Riachuelo. E as três últimas imagens marcam locais com petróglifos respectivamente em Presidente Medici, Guajará Mirim e Porto Velho – Imagens da Internet

Presenças também de geoglifos de grandes proporções (desenhos geométricos) indicam na maioria das vezes passagens subterrâneas, que são galerias, interligando-se com outras em longas distâncias abaixo do solo, como se estas construções muito e muito antigas fossem para a comunicação entre as bases dos Muril.

Alguns destes geoglifos que se mostram do alto como demarcações em seus vários formatos (circular, quadrado, retangular e outros), são formados por “valetas” geralmente gerando um campo eletromagnético de propagação de ondas. Assim, quem vinha de cima (veículos voadores), conseguia como em um “mapa aéreo”, identificar a localização destas bases.


Geoglifos de grandes proporções sinalizam na região amazônica a grandiosidade das bases dos Muril – Imagem de Dakila Pesquisas

Todas as construções deste imenso complexo que foi utilizado pelos Muril, elas apontam para Ratanabá. E, “coincidentemente”, nestas construções existe maior incidência de campos eletromagnéticos, que se mostram como “anomalias” ou, como “pontos nevrálgicos” da Terra.

Nestes “pontos nevrálgicos” compondo a malha eletromagnética que envolve a Terra, que os Muril construíram em pedra suas bases, nelas erguendo pirâmides, obeliscos e fortificações, entre outras construções.

Pirâmides, templos e fortes construídos por toda a Terra com tecnologia que a ciência arqueológica não explica, eles são na verdade bases sinalizadoras para o estacionamento e para o apoio de quem “chega de cima” com seus veículos voadores , dirigindo-se para a mais antiga capital do mundo.

Os pesquisadores de Dakila fizeram estudos no ano de 2006, no Forte Príncipe da Beira, em Costa Marques/Rondônia, interessados principalmente para o sistema de túneis, galerias, salões e outros espaços subterrâneos que passam por baixo do Rio Guaporé, para depois seguirem em outras direções por cerca de 100, 200 km.

E eles entenderam nestas suas pesquisas, onde se acha ali assentada a construção militar de hoje, ela foi em tempos remotos uma das inúmeras bases dos Muril, indicando a direção para Ratanabá


Forte Principe da Beira, em Costa Marques/RO e um dos tuneis ali existente que “se perde de vista”ele é perfeitamente talhado na rocha . Mais informações no texto: Em outros tempos no Caminho de Peabiru, no www.pegasus.portal.nom.br – Primeira Imagem da Internet e a segunda imagem de Dakila Pesquisas.

Não só em toda a Amazônia existem galerias, mas elas estão também espalhadas por todo o Brasil e são verdadeiras estradas subterrâneas. Algumas ainda saem de alguns locais no Peru, Bolívia e em diversos outros locais que funcionavam como bases dos Muril por toda a América do Sul, mas todos eles partiam unicamente de Ratanabá, a antiga capital do mundo localizada no “coração” da Amazônia.

Sessenta por cento destas vias subterrâneas ainda estão intactas, sendo até possível atravessar de um país para outro através delas. Os outros quarenta por cento foram interrompidos através de terremotos e outras movimentações geológicas.

No Brasil são conhecidas alguns destes locais (“bases/pontos”), como o de São Tomé das Letras/MG, o da Pedra da Gávea/RJ e o da Serra do Roncador/MT, que é uma das mais ativas que existe até hoje. Todas tinham com Ratanabá interligação, que dela continuava para o restante do mundo.

Como o tempo é das revelações, chegou ocasião de saber o que de fato existe no coração da Amazônia. Chegou ocasião de saber, o que está ali ainda escondido e, o que leva a crer, ser algo de uma grandeza imensamente elaborada.

A dimensão da grandeza do que está naquela região ainda soterrado, é proporcional ao que ali já se pode ver do alto através das Linhas de Apiacás, com seus gigantescos quadriculados perfeitos.

A natureza não poderia ter produzido estas “fileiras” de quadriculados, porque a natureza não trabalha dessa forma, não “se move” em linhas retas. Pela definição do que é o padrão da natureza, linhas predominantes não são retas, mas curvas (nos animais e nas plantas, etc.)

Poder-se-ia até achar, que os quadrados perfeitos das Linhas de Apiacás fossem obra da natureza, mas elas com vários quilômetros simetricamente perfeitos, com tal profundidade e angulação e ainda em uma imensa escala, isto é mais do que não natural, é impossível.


Linhas de Apiacás são linhas simétricas no meio da selva amazônica, que dão a entender quando vistas na imagem de satélite do Google Earth, serem de uma cidade que ali já existiu com ruas e quadras. Elas estão localizadas no Parque Nacional do Juruena, no município de Apiacás, Mato Grosso. O parque possui uma área de 195 milhões de hectares, com muitas áreas ainda inexploradas – Imagens de Dakila Pesquisas

As Linhas de Apiacás que se prolongam a perder de vista com sua simetria, elas foram com certeza construídas por alguma tecnologia avançada. As “fileiras” que demarcam os quadrados são bem profundas e com uma vegetação muito distinta da vegetação do “topo”, dando a entender, ser uma superfície muito dura onde a vegetação rasteira cresceu por cima.

Tudo ali é maior, o que pode indicar construções também maiores para moradores com uma altura muito mais elevada que a do ser humano atual. E ali também, por ser um local de difícil acesso, proporciona a possibilidade de encontrar um acervo histórico/cultural ainda intocado de valor cientifico inestimável.

Como os antigos poderiam ter feito isso? Aquela região que é um terreno acidentado, é impossível obter manualmente aquela simetria para aquelas imensas medidas. Seriam necessários aparelhos específicos, com tecnologia muito elaborada mesmo para os dias atuais. Seriam ali quadras de Ratanabá?

E as “ruas” destas cidades eram largas, porque os “veículos” utilizados pelos seus moradores necessitavam destes espaços, para que conseguissem aterrissar e, também para voltar ao céu?

Certas quadras daquela região ainda possuem construções elevadas com quatro lados inclinados (pirâmides), que estão também espalhadas por toda a Terra e que estão indicando até hoje, que elas faziam parte do conhecimento de uma civilização detentora de uma ciência, que é ainda desconhecida da ciência humana atual.

Conhecimento que esta civilização – o povo Muril, aproveitava das Leis da Natureza, utilizando-se da energia eletromagnética e a das tormentas elétricas, proporcionadas pelo próprio Universo.

Através de seus campos de energia proporcionava-lhes o benefício do uso da própria corrente elétrica. Aproveitavam também diversas outras frequências vibratórias que existem no Universo, para com elas se beneficiarem.

Muitos monumentos como construções nas formas de pirâmides, quadrados, retângulo e obeliscos, além de outros, foram construídos baseados na absorção dessa energia e na sua distribuição para quem necessitava e habitava nestas regiões.


As três primeiras imagens (Göbekli Tepe, Stonehenge e Pedra do Ingá) parecem ser cada uma em seu tempo “testemunha” silenciosa petrificada da presença na Terra em épocas remotas de uma civilização desenvolvida e possuidora de uma ciência diferente da ciência humana atual. E nas três ultimas imagens muito desta civilização está ainda para ser revelado, principalmente no subsolo da floresta amazônica – Imagens da Internet

São vastos os indícios dos Muril como a presença da primeira civilização habitar a Terra em seus quatro cantos, construindo suas edificações, estradas e bases, deixando os mesmos tipos de construções como seus símbolos e suas tecnologias, que com elas estudavam a geografia terrestre e faziam outros estudos científicos de seus interesses.


Os Anunnaki que vieram à Terra para explora-la (muito após os Muril, eles vieram apenas para pesquisa-la), eram bem mais altos que os seres humanos, também possuíam cabeças alongadas, o que fez alguns povos daqueles tempos comprimirem os crâneos de seus filhos ainda bebês, para que eles já adultos ficassem com suas cabeças alongadas semelhantes às destes “deuses”. Mais informações no texto: Nibiru e os Anunnaki, no www.pegasus.portal.nom.br

Há um padrão inicial nas construções dos Muril, depois há outro padrão de construção dos Anunnaki e um terceiro padrão diferenciado aparentemente ainda mais recente de construções dos dois primeiros.

A tecnologia dos Muril não era baseada em rodas, combustível e muito menos elétrica ou mesmo eletrônica, mas proveniente da luz condensada, propriedades da água, energia escalar e frequência sonora. Uma tecnologia muito mais avançada do que a ciência humana conhece hoje.

Em Ratanabá está ainda oculta no interior da floresta amazônica brasileira a tecnologia bioplasmática, que interage com toda vida orgânica (animais, plantas, seres humanos e outros organismos), porque tem a frequência de 03 hertz, que pode ser emitida como pulsos, feixes de luz ou como ondas.

Esta tecnologia que o ser humano comanda na frequência de 03 hertz, ela é mesma frequência da energia taquiônica ou de seu pensamento em sintonia à vibração da Terra.

Quando ele emite um pensamento, ele está emitindo ondas que vibram através de sua frequência mental, que com elas alguns artefatos encontrados em Ratanabá são com elas em ressonância acionados.

Cada ser humano tem uma “assinatura vibratória” que é única. Portanto, somente aquele que possui a mesma vibração/onda/frequência para uma tal tecnologia “ali ainda escondida”, é que consegue acioná-la.

Mas se ele não possui nível de consciência para com reponsabilidade manipula-la com senso de justiça e de fraternidade, irradiando/vibrando de seu campo de energia as frequências como sentimentos de harmonia e de amor, ele não obterá resultados positivos, que possam refletir em sua vida e na de outros.

A Energia Taquiônica é a energia que realmente liberta o ser humano, abrindo sua consciência e expandindo sua percepção, com sua inteligência e com sua compreensão mudando muito, porque se ampliarão.

E a tecnologia/energia escalar foi aquela “que não dando choque elétrico, Nikola Tesla dela utilizou, ao ligar as antenas por ele construídas para absorvê-la.

Foi a energia que estando a cada metro cúbico ao derredor com milhões de volt, ele a puxou e a colocou em antenas, uma como receptora e outra como transmissora.

Tudo que existe/acontece na realidade física tem origem na energia escalar, disse NikolaTesla, indo além da compreensão de Isaac Newton, quando disse, que “a maçã caiu da arvore devido a força de gravidade exercida pela Terra”.

Como a origem de tudo é a energia escalar ou a energia essencial, nada poderia existir, se tudo não fosse formado por dupla energia, como mostra o imã com sua atração e sua repulsão. Assim, é verdade também pela Lei da Inercia, que o equilíbrio perfeito se encontra entre estas duas forças.

Nikola Tesla Sabia Que O Planeta Terra É Um Imenso Gerador de Energia Elétrica
Nikola Tesla: “Todas as pessoas, em todos os lugares, deveriam ter fontes de energia gratuitas, porque a energia elétrica está presente em todo lugar, em quantidade ilimitadas, e poderia abastecer a todas maquinas do mundo, sem a necessidade de petróleo, carvão ou gás” – Imagem da Internet

As construções escalonadas/piramidais facilitam a propagação das ondas eletromagnéticas, porque são máquinas quânticas. E esta “tecnologia quântica” que “está escondida” no coração da floresta amazônica brasileira para ser ainda resgatada, é onde se encontra Ratanabá. E ali, é ela sob a forma de tecnologia/”ferramenta poderosa” que causa a anomalia do atlântico sul.

Uma anomalia eletromagnética que sofre certa oscilação conforme o campo eletromagnético ao se movimentar, mas sem sair desta região, apenas ressonando na Antártida.

A partir do momento que a ciência humana conhecer e começar a utilizar a energia desta tecnologia, todo seu potencial eletromagnético espalhará pela Terra através da malha eletromagnética. Mas, agora sendo direcionada de maneira correta na frequência de 03 hertz e, não mais como anomalia.

Direcionamento que favorecerá a humanidade e que acabará com muitas doenças, cessando muitas enfermidades que os seres humanos com elas ainda hoje convivem, para que todos possam novamente voltar às suas origens vibratórias, vivendo de novo centenas de anos.

A cidade de Zigurats, em Corguinho/MS está embaixo do vórtice principal desta “tormenta eletromagnética”. Este turbilhão de energia vibrante que faz o planeta ser vivo e que faz também aconteça realmente este diferencial vibratório naquela região. Nos próximos 5.125 anos será ali o único ponto com tais características.

E para utilizar deste turbilhão de energia vibrante ali existente, no dia 07/01/2018 iniciou-se definitivamente a construção em Zigurats do Monumento Escalonado, que depois de pronto direcionará esta intensa energia para toda a Terra.

Neste grande monumento piramidal todas suas medidas serão múltiplas de 09, ou seja, os andares, os pilares, as vigas, as lajes, rampas, escadas, etc. A sua geometria estará dentro da matemática universal, dentro da finalidade que ela está sendo construída.

Este monumento ainda terá 63 metros de largura por 63 metros de altura. E se considerar seu “entorno” – com as pequenas pirâmides laterais, ele terá como base 90×90. Serão 9 andares, onde a Sala 09 ficará no último andar.

Cada andar terá 4,68 metros de altura. As dimensões de seus degraus serão calculadas para que também deem 9. Mais informações no texto: Monumento Escalonado em Zigurats ressonando com a Pirâmide de degraus em Saqqara, no www.pegasus.portal.nom.br

Os pesquisadores de Dakila buscam conhecer a ciência que os Muril a exercitavam em Ratanabá, que boa parte dela está ainda escondida como artefatos na lama produzida pelo último dilúvio universal, ocorrido por volta de 13 mil anos atrás.


Por todo o mundo existem construções com gigantescas pedras esculpidas, que para elas até agora a arqueologia não pôde oferecer nenhuma explicação convincente, por quem, como e porque estas construções foram feitas. Construções como o terraço de Baalbek, ao norte de Damasco/Líbano, que é uma plataforma construída com enormes pedras, algumas delas medindo 20 metros de lado e pesam quase 2000 toneladas. E também as gigantescas pedras muito bem talhadas para encaixes também perfeitos em Sacsahuamán, ao norte da cidade do Cusco/Peru, entre muitas outras gigantescas construções espalhadas pela Terra sem explicação verdadeira o porquê delas. – As duas primeiras imagens da Internet e as três últimas fotos de Antônio Carlos Tanure

A parte da Terra que não é água, é feita em grande parte de rochas. E os grandes monumentos megalíticos como as pirâmides entre outros, espalhados pelo mundo são feitos de pedras, que tecnicamente têm a mesma idade da Terra. A questão é saber, quando elas foram manipuladas e transformadas em monumentos

Nos sítios arqueológicos as rochas que neles se encontram, depois que foram “lapidadas” e transformadas começam em sua superfície juntarem fungos, bactérias e diversas outras substâncias que podem ser datadas com técnicas da ciência atual. É o que os pesquisadores de Dakila fizeram.

Também utilizaram de Tecnologia Lidar (sensor aéreo), para que pudessem coletar dados que depois de processados, pudessem também ter mais certeza, que existe algo soterrado no local pesquisado, como no local que se supõe se supõe esteja soterrada Ratanabá..

Certeza o que pesquisavam não fosse “obra da natureza”, mesmo já tendo eles caminhado por aquela região, fazendo pesquisas “in loco” para terem noção do que ali se encontra e mesmo já sabendo também o que está ali sendo no momento mostrado, não é nem 0,1% do que deve ser revelado. Mas, as peças deste quebra-cabeça foram sendo encaixadas a cada descoberta feita.

O sobrevoo daquela região com o sensor aéreo para registro de imagens ajudou bastante acelerar todo um processo de revelações, porque as pesquisas interpretativas de Dakila são livres. O que não pode fazer são escavações, que precisam de autorização dos órgãos competentes brasileiros.

Ratanabá conseguiu sobreviver os dilúvios universais (com os movimentos de precessão da Terra), sem contar a Era do Gelo. Talvez ali até se descubra “o elo perdido da humanidade” de uma forma totalmente inusitada e se saiba sobre a verdadeira origem do ser humano Também pode acontecer descobertas que mudem as atuais medições da Terra.

Já existe uma quantidade muito grande de evidências/objetos encontradas pela arqueologia mundial. Mas, estes objetos descobertos pelo mundo afora e que poderiam ser fontes de pesquisas, eles não são estudados como deveriam. Eles são ignorados, porque a arqueologia para eles não tem explicação.


As enigmáticas esferas de pedra em Costa Rica; os gigantescos Moais na Ilha da Pascoa, no Chile; as Linhas de Nazca no Peru e as cavernas de Longyou na província de Zhejiang na China, são quatro exemplos entre centenas de mistérios para arqueologia, – Imagens da Internet.

As descobertas arqueológicas e tecnológicas originadas de Ratanabá modificarão muito o que o ser humano aprendeu nos livros escolares e que o tem como verdade.

Esta transformação do saber humano será formidável, porque se dará na ocasião necessária à mudança do conhecimento humano voltado à Nova Era. Ocasião que os seres humanos abrindo suas mentes para novos conhecimentos, poderão em um novo ciclo de experiências reescreverem sua história.

Reescreverem sua história, para deixarem às novas gerações um registro mais verdadeiro da Realidade, que será completamente diferente da que até então para elas foi contada.

Ratanabá ao ser revelada para o Brasil e para o mundo, mudará a história da humanidade. Dela conhecimentos muitíssimos antigos estão prestes a serem acessados, proporcionando ao ser humano abertura mental não mais contaminada por crendices, mas iluminada pela clareza de uma ciência universal e verdadeira. Ele saberá como surgiu, de onde veio e para onde vai.

Conhecimentos que neste tempo das revelações e das redescobertas trarão impactos aos conceitos religiosos, ideológicos e mesmo científicos. Conhecimento de uma civilização que está milhões de anos à frente da ciência humana, constituída por seres muito “espiritualizados”, por possuírem e exteriorizarem “o divino como sentimento”.

Como já foi mencionado, Dakila começou sua investigação sobre Ratanabá, quando seus pesquisadores acompanhando o trajeto da Estrada do Peabiru, seguiam indicações que a cada 50 km eram encontradas neste trajeto.

E nele sempre presente estava uma “pedra/rocha diferente”, que se destacava do meio ambiente para ser vista de longe, como “uma marca” para sinalizar a direção para o viajante.

Desde do início do ano de 2004 estes pesquisadores seguiam o trajeto do Caminho de Peabiru. Eles passaram por vários locais sinalizados deste trajeto, como o que passa pelo Estado do Paraná, pelo Estado do Mato Grosso e pelo Estado de Rondônia e, neste último, na cidade Costa Marques, puderam fazer pesquisas mais detalhadas no Forte Príncipe da Beira, uma atual fortaleza militar do Exército Brasileiro.

Dali eles foram para a Serra da Muralha em Abunã, um distrito do município de Porto Velho ainda em Rondônia, onde encontraram “o marco zero”. Mais informações no texto: Segunda Expedição Ziguratz, no www.pegasus.portal.nom.br

E foi a partir do “marco zero”, que estes pesquisadores identificaram as Linhas de Apiacás já no município de Paranaíta, no Mato Grosso, além de outros locais com informações arqueológicas existentes no município de São Gabriel da Cachoeira, no Acre e também em todo o Delta do Rio Amazonas.

Com as Linhas de Apiacás as pesquisas de Dakila ganharam um novo rumo, iniciando-se para estes pesquisadores um novo ciclo de estudos sobre a possibilidade de um imenso complexo de construções, que “o inseriram na História de Ratanabá”.


Imagens da segunda expedição do antigo Projeto Portal (hoje Dakila Pesquisas), no ano de 2005, no Estado de Rondônia, com o intuito de colher informações sobre o que aconteceu no passado daquela região, para entender o que poderá acontecer com a humanidade no futuro. Mais informações no texto: Segunda Expedição Ziguratz, no www.pegasus.portal.nom.br – Imagens de Dakila Pesquisas

A partir do “marco zero” a equipe de Dakila que já vinha mais de duas décadas fazendo seus estudos de pesquisas, pôde identificar todos os pontos da Terra, onde existe uma base/construção de Ratanabá. E ainda concluir, que toda a Amazônia principalmente a parte brasileira faz parte deste grande complexo.

Este local deixa transparecer, que existe um grande complexo como uma rede de construções conectadas, sugerindo, que houve um denso povoamento interconectado por estradas, cidades e monumentos. E Ratanabá seria o centro deste grande complexo ou, a grande nação mãe que gerou todos os outros pontos/locais de habitação na Terra.

Como já foi mencionado, Ratanabá que é uma expressão tirada do idioma Irdin e que significa “dos reinos para o mundo”, é uma escrita em pedra encontrada diferentemente de outras em diversas partes do Brasil.

Aqueles que estão em constante busca com seus estudos e pesquisas, estão em constante busca de novos conhecimentos, agora favorecidos no início deste novo tempo por estas descobertas ou melhor, por estas redescobertas.

Uns vão com os outros trocando informações, porque estão em busca da clareza de respostas às suas perguntas. Clareza mental que lhes proporcione no final como consciência individual, sintonizar-se à Consciência Universal.


Se o ser humano se convencer, que pode colocar a Mente Universal em ação recíproca com a sua, fará dela uma fonte de infinita instrução e de infinito poder, alternando os aspectos pessoal e impessoal entre a sua mente individual e a Mente Universal – Imagens da Internet.

O que o ser humano diz “viver a vida”, é o que ele constante faz ao experienciar com seus sentidos o derredor, recebendo e enviando tanto estímulos quanto sugestões, na medida em que vai se mostrando com sua maneira de pensar e de agir.

Pensar e agir que vão moldando aos poucos a sua maneira de proceder, ao criar padrões que vão se mostrando como crenças, que se transformam em inúmeras ideias organizadoras de sua percepção e definem seu comportamento.

As crenças como ideias vão tornando verdade em sua vida. Elas são originadas do que ele paulatinamente vai vendo e, ou escutando em seu ambiente familiar, convívio social, todas formas de mídia e mesmo em suas experiências individuais.

As crenças que são tidas por ele já como certezas profundas sobre algo, são interpretações que ele pensa já como certeza absoluta e já as aceitando como verdades.

Dogmas religiosos e filosóficos são impostos àqueles que os sujeitam como verdades sem contestação. Portanto, neles acreditando sem questionarem, vão com eles vivendo como sua verdade.

A verdade é relativa, porque cada ser humano possui um grau de discernimento/capacidade de compreensão, assim para qualquer fato ou situação cada um tem seu tempo, para nele ir eliminando inverdades e por outro lado percebendo níveis de verdade.

Mas, aquele que já possui frequência cerebral mais de 25 hertz, ele por possuir atividade cerebral mais acelerada, torna-se também mais questionador no sentido de se esclarecer. E ele assim procedendo, mais rápido evolui, buscando mental e emocionalmente crescer sem mais interferência e dependência de alguém.

Ele “se move”, buscando autoconhecimento. Ele pode até ter crenças, mas aquelas que o façam crescer, que o façam possuir a mente aberta e, não se limitar com ideias preconcebidas distorcidas.

Ele busca respostas com clareza mental, mesmo que estas sejam inicialmente de maneira intuitiva, para ir depois as tornando cada vez mais conscientes, para transforma-las finalmente em realidade no mundo físico de suas experiências.

Foi assim que procedeu Nikola Tesla com sua genialidade cocriadora, que modificou a maneira atual de experienciar/viver dos seres humanos.

Os sentimentos de medo e de insegurança sem motivo real, são barreiras emocionais levantadas por aquele que não acredita em si próprio, portanto ele é incapaz de mentalmente criar e realizar em seu sentido mais profundo e verdadeiro.

A clareza mental é própria daquele que busca conhecimento, para não se tornar alienado em um mundo com constantes avanços tecnológicos e também com outros processos mentais criativos. A clareza mental é antes de tudo própria daquele que ao exercitar o autoconhecimento, torna-se um eterno buscador.de si mesmo.


Aquele já despido do sentimento do medo, exercita-se em constante autoconhecimento e torna-se um eterno buscador de si mesmo – Imagens da Internet

A linha de tempo da história da humanidade que muito dela é contada referenciando-se em documentos religiosos, provavelmente ela se iniciou muito antes do que neles se faz acreditar e, isto faz também acreditar, que neles existem muitas interpretações equivocadas.

A bíblia judaica/hebraica é baseada nos ensinamentos enviados por “deus/Jeová/Javé” a Moisés no alto do Monte Sinai durante o êxodo, que teria acontecido entre 1.300 e 1.250 a.C.

Porém alguns historiadores alegam, que as narrativas encontradas no livro de Gênesis (uma das partes do Antigo Testamento da bíblia cristã), teriam de fato sido transmitidas por antigos patriarcas hebreus e, as raízes deste conhecimento que era narrado por estes religiosos, vieram da Babilônia (local onde os hebreus teriam ficado cativos entre 597 e 538 a.C.).

Neste contexto histórico é importante salientar, que a Babilônia foi uma civilização, surgida na Mesopotâmia ou, na região que no passado havia sido berço dos sumérios, que deixaram para os povos que posteriormente ali habitaram uma parte de seus conhecimentos.

Uma herança como informações que foram herdadas pelo povo hebreu e que os sacerdotes as liam nos templos. Portanto, é muito provável, que o povo hebreu através de seus sacerdotes teve influência da cultura suméria, o que é percebido em textos de várias das narrativas na Torá, que seriam cópias de narrativas sumérias.

A versão suméria de Gênesis (quase 2000 anos antes do que foi narrado no Antigo Testamento), ela é bem mais rica em detalhes que o livro de Genesis bíblico, o que permite uma interpretação bem diferente.

Mesmos os textos sumérios já teriam sido anteriormente recopiados e, dessa forma mesmo neles muita coisa já tinha sido modificada ou perdida e outras ainda alteradas, segundo os interesses da época.

De acordo com um grupo de historiadores, os Anunnaki são divindades sumérias, acádias e babilônicas. E a origem da palavra Anunnaki provem da língua suméria, cujo significado é, “aqueles que vieram do céu”.

E para outros historiadores eles seriam mais propriamente seres, que vieram de outro local do Universo com objetivo de exploração mineral. E, como foram eles que criaram a raça humana, tiveram também o objetivo de organiza-la em uma sociedade, desenvolvendo um Estado hierárquico, com códigos, leis, escrita e metodologia em suas construções, entre outros procedimentos.

Assim nesta confusão de narrativas em vários textos, existe aquela que Deus Verdadeiro é “Fonte de Tudo” e aquela outra que são vários indivíduos/entes “tidos como “deuses”, por estarem numa condição superior de conhecimento e desenvolvimento tecnológico.

Por isso é sempre necessário, se buscar a origem primeira destas informações, porque as interpretações/traduções/modificações em textos posteriores podem levar narrativas, trazendo visões totalmente diferentes.

Como estas narrativas são sempre “maquiadas” por interesses outros não os da verdade, as falsificações históricas são muito mais comuns do que se imagina. Existe uma narrativa acadêmica forjada.

Pululam adulteradores da história, que é transformada por estes falsificadores em mito, em alegoria.


Seres com conhecimento e tecnologia superiores já estavam presentes na história da humanidade desde de tempos mais remotos, como narra também o livro Ramayana, um poema épico indiano clássico, sobre a intensa luta do príncipe Rama, do reino de Kosala, ao utilizar a energia da Brahmastra (“bomba atômica dos deuses”)contra o demônio Ravana, o rei de Lanka – Imagens da Internet.

Por toda Terra existem locais com evidentes indícios de ações através de inteligências (alienígenas) com tecnologia muito avançada, que neles em épocas bastante remotas deixaram suas marcas.

O livro de Gênesis (na visão “judaica/cristã”) estaria verdadeiramente é narrando um período, que nele “um deus criador” chegou à Terra (ou para ela regressou) junto com seus “anjos”, depois que ela foi completamente devastada por um evento cataclísmico global.

Assim., no livro de Genesis “este deus” iniciou um novo empreendimento/projeto de reconstrução, mas sem citar períodos anteriores da história da Terra já esquecidos, portanto não mencionados.

Portanto, existiram outros “habitantes terráqueos” não necessariamente neste atual “modelo” de ser humano, porque outras linhagens de visitantes de outros mundos passaram por aqui, além ainda de diversas raças que foram criadas na Terra. Mas, o povo Muril foi o primeiro a chegar, dando origem à Ratanabá, a capital deste novo mundo.

No município de Paranaíta, no Mato Grosso já na divisa do Estado do Pará, no meio de “um vale de rochas”, encontra-se o Sítio Arqueológico da Pedra Preta, considerado por alguns estudiosos desta ciência como o maior painel no Brasil em pictografias, com mais de cem desenhos diferentes.


Sítio Arqueológico da Pedra Preta, no município de Paranaíta/MT, com mais de cem pictografias – Imagens da Internet

O sítio Arqueológico da Pedra Preta é uma região também conhecida pelas formações rochosas, como se tivessem sido do alto jogadas e se incrustassem no chão. Portanto, é um local bem diferenciado pela formação das pedras ali encontradas de maneira no mínimo intrigante, por estarem também organizadas em posições aparentemente alinhadas.


No Sitio Arqueológico da Pedra Preta algumas pedras que ali são encontradas, estão alinhadas de maneira no mínimo intrigante – Imagens de Dakila Pesquisas

No Sitio Arqueológico da Pedra Preta é ainda, onde se encontra a rocha com uma pegada gigante fossilizada. Outras pegadas já foram descobertas em outras partes do mundo, como a que foi encontrada no sul da África, perto da fronteira com a Suazilândia, possuindo cerca de 1,2 metros de comprimento e combinando perfeitamente com um pé humano.

Se essas pegadas e outras forem mesmo genuínas, elas são  registros petrificados na história da humanidade que deve ser reescrita, ao mostrar que  na Terra já viveram gigantes, se comparados com o tamanho médio dos atuais seres humanos.

“Havia, naqueles dias, gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os varões de fama”…“Eles deixaram uma herança de violência e medo”. — Gênesis 64; 6:5


A primeira foto um femur aparentemente humano encontrado no ano de 1950, quando era construída uma estrada no sudoeste da Turquia, media em torno de 1,20 metro de comprimento. Comparativamente, se um homem com altura igual a 1,80 metro de altura tem um fêmur em torno de 0,50 metro de comprimento, o dono deste fêmur gigante deveria ter em torno de 4:00 metros de altura. E a segunda foto uma pegada gigante fossilizada semelhante à humana encontrada na cidade sul-africana de Mpuluzi, possuindo cerca de 1,2 metros – Imagens da Internet.

A pedra com pegada fossilizada gigantesca que foi encontrada no sitio Arqueológico da Pedra Preta, sua falsificação está descartada. Se isto tivesse acontecido a pegada apresentaria pelas intempéries bem mais clara do que a superfície da pedra, mas o contrário é que se vê, é na pegada que está  mais escuro do que na superfície da pedra.

Ainda é interessante observar, que esta pedra não faz parte do “padrão” das outras ao derredor. Ela tem suas linhas da lateral muito perfeitas e nela seria muito difícil de cortar/moldar o formato desta pegada. As pedras daquele local são de idade geológica variando entre 2.5 bilhões a 1.6 bilhões anos, quando supostamente surgiram os seres eucariontes e pluricelulares.


Esta gigantesca pegada petrificada foi descoberta pelos pesquisadores de Dakila, quando seguiam indicações sobre os últimos pontos, onde se localiza a soterrada Ratanabá. Naquela ocasião seguiam derivações na Serra da Muralha, nas Linhas de Apiacás e no Sitio Arqueológico da Pedra Preta. – Imagens da Dakila Pesquisas

Evoluir-se é necessidade vital do ser humano e, ele neste seu processo “de se mover na vida”, ele necessita de uma existência mínima de proteção e conforto.

Conforto sem o sofrimento que lhe é imposto todos os dias como “torturas psicológicas” pelo sistema de poder dominante, não lhe permitindo ter necessária qualidade de vida. Qualidade mínima de vida que apenas depois de tê-la, ele pode com mais equilíbrio emocional, se mostrar com seu potencial (mental) cocriador.

O ser humano em seu atual ciclo evolutivo ficou milhares de anos, construindo apenas instrumentos simples de uso diário, relacionados mais à sua sobrevivência física.

E como já foi anteriormente mencionado, apenas a partir da década de 40 do século XXI (a partir da última guerra mundial) que o ser humano adquirindo conhecimento do mundo do átomo e, nele começando a estudar e conhecer os circuitos formados por componentes elétricos e eletrônicos, com o objetivo principal de representar, armazenar, transmitir ou processar informações, que ele começou a fabricar objetos mais refinados, próprios à sua capacidade mental agora também mais refinada/evoluída.


Primeira imagem do Homo habilis e segunda imagem do Homo erectus. O aparecimento do segundo foi mais recente, enquanto o primeiro já existia entre 2,4 a 1,4 milhão de anos atrás e foi o primeiro construtor de ferramentas e “inaugurou” o gênero Homo. Ele marca a transição entre os nossos ancestrais mais simiescos ou, marca a transição entre o australopiteco e o Homo erectus, que já era praticamente um humano moderno – Imagens da Internet:

Nos provérbios bíblicos contém entendimentos que: “Deus é a fonte de todo conhecimento. Ele dá sabedoria e entendimento àqueles que o buscam. Existem muitos tipos de conhecimento, mas o conhecimento mais importante é o conhecimento sobre a Fonte que é Origem de Tudo ou, é o conhecimento das inúmeras maneiras como Deus se mostra ao ser humano.

Assim, é de grande importância, que o ser humano alcance sintonia à Consciência Cósmica, que lhe dá acesso mais direto à sua percepção da Realidade.

O primeiro “estado de consciência” é aquele que de maneira simples, se mostra como o entendimento comum aos animais e ao ser humano.

Em seguida, tem-se a autoconsciência, que o ser humano através dela possui o entendimento de ser uma entidade distinta e separada do restante do Universo e que através dela pode também tratar seus próprios estados mentais como objetos de consciência.

A terceira forma de Consciência é Cósmica, “quando ocorre a iluminação intelectual e de valores, que eleva o ser humano a um novo plano de existência, despertando-lhe a Consciência de Vida Eterna”. Assim entendida por Richard Maurice Bucke (1837 – 1902) proeminente psiquiatra e escritor canadense, como o próximo passo da evolução humana.

E a realidade deste “insight” que por ele muitos seres humanos passam, tem sido hoje comprovada através de experiências científicas, que utilizam de controles eletrocardiográficos e eletroencefalográficos, indicando que algo diferente se passa na fisiologia nervosa daquele que se submete a estes tipos de experiências.

Experiências que para ele proporcionam a sensação de júbilo e de êxtase com mais clara compreensão de O Todo, sem mais o sentimento de medo pela noção de morte, que desaparece.


O ser humano já novamente de posse de sua sutil, vibrátil e luminosa frequência de onda, desloca-se como um ser universal por todo o Universo, não mais sujeito às leis para um mundo físico e próprias para um corpo também físico até então como o seu, que o faz prisioneiro nos limites de espaço e de tempo – Primeira Imagem da Internet e a segunda imagem (foto) de Antônio Carlos Tanure

O tempo das revelações e das redescobertas já chegou e com ele chegou também o tempo de aquele ser humano que já se tornou “diferente”, se mostrar com seu potencial poder cocriador de realização.

Chegou ocasião dele assim se mostrar e, também de fisicamente se mostrar Ratanabá, aflorando-se do coração da floresta amazônica, com toda sua ciência diferente da ciência humana e com toda sua tecnologia que ali permaneceu soterrada centenas de milhões de anos.

Uma tecnologia de uma outra ciência que não é movida à eletricidade, portanto não necessita de fios, tomadas e de outros apetrechos necessários à uma rede elétrica ou mesmo a um circuito eletrônico, que são conquistas da atual ciência humana.

A tecnologia que está ali enterrada e muito dela ainda conservada apesar de um longo e longo período de soterramento, ela é “movida” à força do pensamento, utilizando-se da energia mental mais acelerada como a do “diferente”, que em Dakila já a possui e que agora pode exercita-la, porque já vinha alguns anos sendo preparado para isto.

Buscam hoje “os diferentes” vibrar na frequência de 03 hertz, que é a frequência da energia taquiônica ou, a mesma de seu pensamento quando em sintonia ao campo de vibração da Terra. E eles vibrando nesta frequência com seus pensamentos emitem ondas, que funcionando como “chaves energéticas” acionam alguns artefatos, que estão enterrados em Ratanabá.

Portanto, apenas aqueles que irradiam de seu campo a mesma vibração/onda/frequência para uma tecnologia ali enterrada na forma de um objeto, é que conseguem aciona-la.

Chegou o tempo do “diferente” se mostrar com sua capacidade cocriadora de realização, de se mostrar não mais com auxílio de recursos tecnológicos externos, mas se mostrando com seu poder criador interior através de sua energia mental, impulsionando a força de seu pensamento à realização de um novo mundo.

Um novo mundo não mais tão mais confuso e conflitante, mas uma nova realidade translucida pela frequência da harmonia, exteriorizada como sentimentos de justiça e de fraternidade.


A tecnologia da Nova Era não será física e tão confusa como a de agora, mas será a “tecnologia” da translucidez mental – Imagens da Internet

Este texto em suas palavras, frases e imagens procurou transmitir não só informações arqueológicas sobre a existência de Ratanabá, mas também outras informações sobre a persistência se permanecer no caminho evolutivo e se alcançar a habilidade de se transcender pela mente e pelo coração a um outro nível mais iluminado de realidade e de consciência.

Estas informações possuem correlação, apesar de início parecerem não a possuir. O que se supõe restou da cidade de Ratanabá com sua riqueza de conhecimento cientifico-tecnológico de milhões e milhões de anos atrás, um “conhecimento diferente” naqueles tempos desta Antiga Civilização, busca hoje “os diferentes” de Dakila

A ciência de Ratanabá interagia com toda vida orgânica (animais, plantas, seres humanos e outros organismos), porque utilizava da frequência de 03 hertz, que pode ser emitida como pulsos, feixes de luz ou como ondas.

Esta ciência nada tinha a ver com a ciência humana atual, que usa meios físicos para expressa-la. A primeira foi uma “ciência mais refinada”, que movida à energia mental conduzia a energia do pensamento (taquiônica), para manipular frequências vibratórias mais sutis que existem no Universo, como as   provenientes da luz condensada, propriedades da água, energia escalar e frequência sonora.

A Energia Taquiônica é a energia que realmente liberta o ser humano, ao abrir sua consciência e expandir sua percepção. E a energia escalar é aquela, “o motivo” de tudo existir/acontecer na realidade física

Mais que o valor físico-arqueológico da redescoberta de Ratanabá, é o seu valor como conhecimento cientifico e tecnológico, originado de uma ciência totalmente desconhecida da ciência humana.

Uma ciência que “já se perdeu na curva do tempo”, portanto, sem mais sua devida compreensão está hoje vagamente associada ao entretenimento como momentos de lazer e de distração, através de filmes que retratam um mundo de magia e de “seres diferentes”, com poderes por igual mágicos como “no mundo de Merlin”.

Mas, os “diferentes” de hoje em Dakila já com frequência mental mais acelerada e já em outro nível evolutivo, eles sabem que verdadeiramente por trás deste “mundo de lazer e de magia” e de ficção cientifica, existe a realidade de outros mundos.

Eles já sabem da existência destes mundos em frequências de vibração mais sutis, que eles são reais e, para com eles possam interagir como realidades paralelas, precisam desenvolver não “magias”, mas suas habilidades mentais, em frequência mental mais acelerada iluminada pela luz de seu coração.

Mas, eles por não alcançarem a compreensão da Essência Criadora de Deus e, por não A compreender, apenas dizem que Ela, a Energia Suprema que tudo modula é eterna, não tendo início e nem fim.

E, eles mesmo em sua limitada compreensão de Deus e, voltados às suas experiências mentais e emocionais na realidade física, eles mesmo assim sabem, que não existem coincidências.

E eles já sabem ainda, se existem revelações em seu tempo, elas não existem no “Tempo de Deus”, porque tudo para O Criador já está revelado, antes que aconteça no mundo físico de sua realidade humana.

Deus como Unidade é O Tudo que está n’O Todo e vice-versa. Mas, O Todo está sempre “Aflorar” nas experiências humanas, como no agora mostram os “coincidentes surgimentos” em Dakila dos “diferentes” e no coração da floresta amazônica brasileira de Ratanabá.

Fontes de pesquisas:

https://super.abril.com.br/coluna/supernovas/cern-confirma-particula-descoberta-em-2012-e-mesmo-o-boson-de-higgs/O que é hormônio? – Brasil Escola
https://www.youtube.com/watch?v=OG13PZ_c0k – Sobre servir
Tecnologia Mental na Era Dourada – www.pegasus.portal.nom.br
Sacudir o mundo – Sistema Opressor
https://brasilescola.uol.com.br/biologia/a-nossa-especie-homo-sapiens.htmo homo sapiens – Adão
Cidade Perdida na Floresta Amazônica – Apiacás/MThttps://www.pontosbr.com › parques-nacionais › cidade…
Consciência cósmica, a nova etapa evolutiva da Humanidadehttps://www.eusemfronteiras.com.br › consciencia-cosm.
Anunnaki, os deuses sumérios responsáveis pela criação do https://segredosdomundo.r7.com › anunnaki
https://forum.the-west.com.br/index.php/index.php?threads/nephilins.54261/
https://jornaldiadia.com.br/dakila-pesquisas-denominado-pe-de-ratanaba-
https://www.eusemfronteiras.com.br › consciencia-cosm…
Consciência cósmica, a nova etapa evolutiva da Humanidade
Sapiens – uma nova história da humanidade | Superhttps://super.abril.com.br › ciencia › sapiens-uma-nova-…
Dakila Pesquisas

Translate »