Postado por

Pensamento é Extra-Físico

Pensamento é Extra-Físico
Print Friendly

 De Vanda Inês Schwengber Posenatt (vandapos@gmail.com) – Março de 2009


Quando falamos de paz e oração, ligamos imediatamente dois elementos fundamentais que constituem o anseio principal da alma humana. A conexão com o divino representa a nossa transcendência, momento de superação da nossa condição simplesmente humana para nos aproximarmos da condição Divina; é o momento em que falamos com Deus, estabelecemos aquele diálogo que Kierkgard fundamentava todo o processo da sublimação do homem através da existência.

Nesse diálogo não está apenas a nossa ligação com o Poder Supremo, porque podemos também dirigir as nossas orações às entidades espirituais e seres de dimensões superiores que se considerarmos, por motivos muitas vezes puramente pessoais e de nossa ligação mais direta, mas próxima do nosso coração, mais acessível à nossa compreensão mental e ao nosso atendimento, enquanto Dimensionais. Mas, de qualquer maneira, a oração é sempre o esforço do homem para transcender a sua condição precária na terra, a fragilidade da sua condição humana e elevar-se à condição divina.

Assim, no sentido mais simplista da existencialidade, a Paz se faz sentir no coração do homem em resposta à oração. E, neste contexto, a oração é o pedido do homem ao céu; é o grito da criatura em direção ao Criador, pedindo amparo e orientação para sua trajetória terrena. A Paz, aquela Paz de que fala Jesus no Evangelho; não a paz do mundo; mas a Paz do Evangelho. É a resposta do Criador às Criaturas.

É a resposta do céu à terra, o momento em que desce do céu a centelha divina para iluminar o coração humano, para esclarecer a consciência do homem. Há muitas tentativas de estudar o problema da oração e há muitas críticas a respeito da oração. Se, temos fé e oramos, devemos esperar uma resposta. Muitas vezes, porém, dizem os críticos, não há resposta alguma.

A oração parece bater contra uma muralha e desfaz-se, sem produzir sequer um eco. É o momento da angústia que envolve o homem no seu desespero, na sua procura muitas vezes, desesperada, de solução para os seus problemas, para suas inquietações e ansiedades. Entretanto, apesar de toda essa afirmação crítica, alguns dizem que, pelo contrário, a oração tem sempre a sua resposta, de uma forma ou de outra. Tanto que, num entendimento mais abrangente, devemos ter presente que o verdadeiro significado da palavra Oração traduz-se em Hora da Ação, pois é assim que devemos exercitá-la.

Assim, o termo “hora da ação”, tão precisamente, foi-nos colocado pelo Consolador, quando discutíamos em seminário apropriado ao tema, em meados de 2007, fazendo alusão à conexão mental correta que devemos estabelecer com nossos “provedores” e/ou nossa consciência suprema, ao intencionarmos direcionar o nosso pensamento/desejo/ vontade.. . , desse modo, propiciando a ação, que é o verdadeiro potencial para atingirmos nossos propósitos mais sagrados, inclusive a sublimação.

E, para contextualizar, na era científica em que vivemos, a crítica à oração se estende também ao problema da impossibilidade de nos comunicarmos, à distância, com as criaturas divinas em quem confiamos, nas quais depositamos nossa fé e nossas esperanças. Dizemos, então, como pode uma criatura da terra, esse “bicho da terra”, tão pequeno, como dizia Camões, nos Lusíadas, como pode essa ínfima criatura terrena dirigir-se a Deus ou dirigir-se a uma entidade espiritual, muito superior a ela, muito superior a essa criatura? Como se pode estabelecer o diálogo entre o finito e o infinito, entre o divino e o humano ou, ainda, entre as esferas do cosmos, nas mais longínquas dimensões?

Que força terá o pensamento terreno, o pensamento do homem para atravessar incomensuráveis distâncias do infinito, e atingir os corações terrenos, planetários, dimensionais e, ainda, a mente superior, projetando-se além das barreiras da terceira dimensão, alcançando sistemas sequer imagináveis, bastando manifestar a intenção do pensamento aos quais ele se dirige?

Mas, a evolução científica se acelerou, e de tal maneira intensificou-se nas últimas décadas, que podemos dizer, sem medo de errar, que a intenção (oração), no seu sentido mais profundo de “re-ligare”, não como uma simples intenção ou caráter religioso; mas como conexão, fato que esta deixou de ter um caráter puramente teológico, religioso, ou mesmo um problema filosófico, para se esclarecer e, posteriormente, se fortalecer em termos de ciência, como vem ocorrendo em muitos experimentos científicos, assim como na projeciologia, que, igualmente, apresenta seus estudos científicos.

O desenvolvimento das ciências psicológicas, em nosso tempo, que podemos classificar muito além de simples era atômica, em era psicológica, pois a psicologia domina em todos os campos do conhecimento atual. Neste tempo constatamos que a “invocação ao divino, pela oração” esclarece-se através do desenvolvimento das próprias ciências psicológicas. Sabemos que, depois das duas últimas correntes da psicologia moderna podemos considerar como as duas últimas correntes no sentido de constantes decisivas do desenvolvimento psicológico que são a psicologia profunda, de um lado, tendo sua base na teoria do inconsciente e, de outro lado, a teoria da percepção que tem como fundamento a gestalt, ou teoria da forma.

O desenvolvimento dessas duas correntes no campo das ciências psicológicas resultou, no aparecimento da parapsicologia, resultado dialético do encontro e da fusão destas duas correntes da psicologia em profundidade e da psicologia da percepção, que é entendida como periférica (para nós Dimensionais, entretanto, sentido/percepção vêm sendo experienciados e estudados numa profundidade cada vez maior).

Assim, a parapsicologia resume, aparece, portanto, da síntese daquelas concepções, oferecendo-nos uma possibilidade de maior compreensão da natureza humana. E, aqui, neste contexto, podemos aprofundar nosso entendimento, da forma como se estabelece a nossa interação com os seres. Podemos, enfim, dizer, sem exageros, que a Mente é Brilhante (brilhante, no sentido literário > aquela que tem luz), pois, temos prova maior da dimensão da mente do que a possibilidade de expandir sua luz, muito além da fisicalidade? ? ?

Ainda recordando o Prof. Rhine, que é o fundador da parapsicologia moderna, chegou a afirmar que a finalidade da parapsicologia é de mostrar ao homem a sua verdadeira natureza, é descobrir na profundeza do homem a sua verdadeira essência. Pois bem, uma das conquistas mais velhas e, também, mais positivas da parapsicologia em nosso tempo está precisamente no campo do pensamento.

A parapsicologia provou cientificamente e isto já na década de 30, e é, portanto, uma prova científica que já tem quase oitenta anos de validade, que o pensamento não é físico. Inclusive, o Prof. Rhine chegou mesmo a criar uma expressão científica para evitar a expressão religiosa – espiritual. Criou uma expressão científica para designar a natureza dessa prevenção não física, não material, mas que existe no homem.

Ele diz, então, o pensamento é extra-físico. Logo, se o pensamento é extra-físico, ele não provém do cérebro. Não é como queriam os materialistas dos Séculos XVIII e XIX, uma secreção do cérebro, à semelhança da bile que é secretada pelo fígado. Não, o pensamento não tem sua origem na matéria, e o Prof. Rhine sustenta a tese de que o pensamento é extra-físico e, conseqüentemente, provém da mente, que também é extra-física. Assim sendo, a mente extra-física possui um instrumento de manifestação material, que é o cérebro. O cérebro não segrega o pensamento. O cérebro apenas recebe o pensamento.

As pesquisas realizadas a respeito da natureza do pensamento, no campo parapsicológico, demonstraram o seguinte: o pensamento é a energia mais poderosa que conhecemos no campo da comunicação. Para o pensamento não há barreiras físicas, nem barreiras materiais.

Nenhuma das energias utilizadas nas comunicações técnicas na Terra, nenhuma, alcança as distâncias infinitas que o pensamento atinge. E nenhuma é capaz de vencer todas as barreiras que o pensamento vence. Para o pensamento não há barreiras físicas, nem barreiras materiais. Não há nem mesmo a distância no espaço e nem há distância no tempo. O pensamento não se sujeita ao condicionamento físico espaço-temporal. Ele supera todos os condicionamentos físicos, ele está além do físico; ele é, precisamente, extra-físico.

Por isso estabelece-se, ao lado da corrida pela conquista do espaço, entre as duas grandes potências mundiais, Estados Unidos e Rússia, também uma corrida bastante significativa para o nosso tempo, que é a corrida telepática.

As pesquisas nesse sentido se desenvolvem nesse campo, nas duas grandes potências. E por quê? Porque ambas, querendo conquistar o cosmos, descobriram, afinal, que não possuem nenhum tipo de energia capaz de estabelecer comunicações cósmicas, a não ser a energia misteriosa do pensamento humano. Ora, se isso no campo das ciências, na aplicação prática das conquistas materiais tem uma grande significação, quanto maior é o significado quando colocamos essa tese no campo da conexão com o divino (religião – no sentido real “re-ligare”).

E, aqui reportando-nos à oração, enquanto manifestação do pensamento, desejo e vontade, somos compelidos a perceber que a criatura que ora em silêncio, no seu casebre, no seu tugúrio, ou no seu palácio, que ora na rua, que ora em casa, que ora no campo, em um avião ou dentro de uma nave espacial está emitindo ondas indestrutíveis de pensamento, ondas que superam as limitações de espaço e de tempo e que podem ser captadas em qualquer tempo, em qualquer momento, em qualquer lado da Terra ou fora desta, nas mais diferentes dimensões…

Isso nos dá então, a confiança plena, atestada agora pelas novas conquistas científicas mais recentes, pela física quântica, pelas nossas conquistas e contatos dimensionais estabelecidos com os seres, a confiança plena no poder do nosso pensamento e de nossa mente que vibra cada vez com uma intensidade maior de sabedoria e luz.

O pensamento atravessando as distâncias incomensuráveis do Cosmos dá-nos a segurança de que a intenção pensamento pode ligar-nos, apesar da nossa pequenez e da nossa humildade, à grandeza e sublimidade do Criador!

Pois bem, assim, estabelecemos a mais fantástica ligação, com as criaturas, os seres das mais diferentes dimensões e com a suprema mente do Criador… Comunicação! ! ! Ligação < Pensamento – Desejo – Vontade > que vai além, muito além, das redes neurológicas do nosso cérebro e perpassa todas as fronteiras dimensionais, transcendendo a matéria, o espaço e o tempo, para se conectar com a essência UNA do Criador, que está em tudo, assim como está em nós.

Translate »