Postado por

Teletransporte – momento da transposição de um viajor

Teletransporte – momento da transposição de um viajor
Print Friendly, PDF & Email

Ele veio para ensinar como “se faz o processo da volta”, mas “regressando por inteiro” já transmutado. Por enquanto mostra como se faz o teletransporte, quando de repente “explosões luminosas na cor vermelha” envoltas por uma “neblina” se fazendo depois como um corpo luminoso, púrpuro e em espiral o envolve e “o leva” para alem deste mundo – alem da realidade física. Esta energia luminosa e crística que o envolve, ela é em parte gerada por sua Vontade de mostrar o caminho vibracional, mostrar de como se deve fazê-lo na freqüência energética do mental físico, que com ela são alcançadas em definitivo as realidades paralelas.

Sempre nestes acontecimentos especiais relacionados às realidades paralelas está presente uma “neblina”, que vai se intensificando cada vez mais, “impulsionada” pela freqüência mental acelerada (Vontade) daquele ou daqueles que dela utilizam, para que se mostre como uma mescla da energia crística (luz/cor vermelha que possibilita acontecer na terceira dimensão) fenômenos associados aos mundos paralelos, através de xendras (“portais”), que podem também ser traduzidas por intensos vórtices eletromagnéticos.

A presença da “neblina” que confirma a magia do momento, ela é aquela que mostra também o domínio do ser humano dimensional, aquele que já interagindo consciente com mundos paralelos, tem domínio sobre leis da 3ª dimensão. 

 Neblina 3 Neblina 4

Dois momentos mágicos que foram filmados e que registraram a “neblina”, permitindo a interação do ser humano com as realidades paralelas. As imagens estão na cor verde neon, porque a filmagem foi feita com luz noturna (infravermelho)

Este processo de ida que deixou o local com forte cheiro de jasmim e de ozônio, ele aconteceu com a ajuda também dos parceiros de outras realidades.

O seu começo mentalmente percebido pelo viajor, ele aconteceu com a passagem pelo “ponto zero”, ou seja, pela “transposição” entre a realidade do plano físico ou do materialmente denso e o plano essencialmente mental ou do mental físico. Este início pôde ser também entendido como uma mescla de Energia Crística com a abertura do portal, dando com a fusão destas duas energias o teletransporte.

Neste momento do teletransporte que não durou mais que 10 segundos, a sensação do viajor foi que estava atravessado um teto e ao mesmo tempo em que ouvia um estalo, os seus ouvidos aparentavam estar cheios de espuma. Tudo parecia também em sua volta estar deslocando em velocidade cada vez mais excessiva até um dado momento, quando três luzes (explosões) quase instantâneas na cor de fogo apareceram junto aos seus pés e imediatamente passaram para os dois lados do seu corpo, para em seguida envolvê-lo totalmente.  Estas luzes “como o fogo que não queima”, mostraram-se na vibração (frequência) da “sarça ardente”.

No instante em que aconteceu a terceira “explosão” a sua percepção do que estava em volta começou a mudar. Começou sentir como estivesse dentro d´água e os movimentos de seu corpo físico ficassem cada vez mais lentos, ao contrario dos seus pensamentos (de seu pensar) que sucediam cada vez mais rápidos. A sua coordenação motora não mais o obedecia e presumivelmente, oito segundos depois ele também já não via mais nada com a sua visão física, portanto apesar de que ele continuasse consciente, as informações que agora colhia já não eram mais as do mundo real. 

  

 

 Vermelho Zoom 4

Seis momentos que foram filmados e que registraram as três “explosões” do “fogo que não queima” – do “ fogo da sarça ardente”. 

Já teletransportado para “o outro lado” o viajor sentiu no inicio, como estivesse posicionado horizontalmente dentro de uma grande onda de água (comparação para dar noção de densidade) e só depois já acostumado a este “novo ambiente” conseguiu ficar na vertical, movimentando-se com “este outro seu corpo”, mas não da mesma maneira que na Terra sentia o seu corpo físico.

Nesta ocasião ele também não sentia mais emoções e a sua impressão era como se todas as coisas fossem sólidas, mas ao mesmo tempo tinha consciência de que não eram. Eram percebidas como fossem plasmadas e translúcidas, mas inteiras em seus formatos eram notadas até as suas quinas – portanto, mostravam independentes umas das outras.

Esta “passagem vibracional” (teletransporte) que foi agora aberta no sentido das realidades paralelas, ela foi aberta para todos, tanto para aqueles que naquela ocasião presenciaram este acontecimento especial, quanto para os ausentes daquele instante que no aqui e agora, do dia 30 de dezembro de 2012, em torno das 21h30min, marcou no inicio deste Novo Tempo outro direcionamento à humanidade.

O “seu regresso” aconteceu ao corpo físico no dia 02 de janeiro de 2013, por volta das 05h30min, quando começou a ter a noção de uma claridade e depois de já estar vendo novamente a neblina e de dentro dela começar agora o reconhecimento com todos os seus sentidos do local aonde chegou ao mundo real, depois de interagir novamente com as “explosões” por três vezes marcadas pela energia luminosa da cor vermelha – “do fogo que não queima”.

Esta “sua volta” se deu em um local alguns quilômetros de distancia daquele em que aconteceu o seu teletransporte anterior. E depois desta sua pequena viagem com a duração de dois dias e algumas horas pelo “tempo” da Terra (mas com a sensação  ter ficado “do outro lado” em torno de 145 dias), ele trouxe muitas informações extraídas de suas experiências e de suas observações nestes outros planos de existência. Informações que estão relacionadas à mente e à alma humanas, a matéria, ao espaço, à Terra, ao governo, às igrejas e tudo mais que diretamente ou indiretamente está relacionado ao ser humano.

Cerca de quinhentas pessoas que naquele momento presenciaram a abertura desta “janela” para outras dimensões na formas de “três explosões luminosas”, quanto mais cores elas viram mais energia elas absorveram através de seu nervo ótico. Elas que há anos já estavam preparando para se tornarem “Vencedoras”, estavam paralelamente construindo em realidade paralela “algo” semelhante a um assento, que acima dele vibra uma bola em forma de luz parecendo um cristal e que emitem cores diferentes, conforme o pensamento ou a atitude da pessoa que por ele é responsável.

Aquele ser humano dimensional que alcançar “Frequência de Vencedor” (não apenas os que estavam presentes naquela ocasião) terá um destes assentos – será “O Consagrado Eterno”. Os seres das realidades paralelas referem-se desta maneira aquele que nunca mais perderá sua alma, seu corpo, seu físico (matriz física) e a sua memória, podendo sempre voltar à Terra nestas condições para compromissos futuros. Sempre a sua essência será a mesma em todos os Universos.

O viajor possuindo agora uma maior percepção e uma visão mais ampla das coisas, a sua compreensão em relação a elas é outra. Para ele são ao mesmo tempo simples de resolvê-las e ao mesmo tempo difíceis dá-las solução como questões do dia a dia.  Mentalmente ainda bastante sintonizado à freqüência das realidades paralelas que visitou, ele percebe melhor agora com uma “visão de cima para baixo” e mais presente, que a “complicação” está dentro de cada um por não agir de forma direta, objetiva e simples, mas de maneira dispersa por se envolver em demasia com o mundo dos sentidos (do “ego”), deixando de realizar o que aqui de fato propôs realizar.

Nas realidades paralelas onde já é vivenciado o sentido do coletivo paralelamente ao sentido de Universalidade, não existem mais religiões com normas que ditam comportamentos. No mundo real os dez mandamentos, por exemplo, encaixados nesta situação dão esta idéia – dão o sentido de religião.

Para uma consciência não tanto mais sintonizada com as necessidades da terceira dimensão (terrena), ela se norteia por Leis que são validas para qualquer parte do Universo físico. São Leis Universais que dentro de um significado maior, elas são cósmicas, são realmente mais divinas e não forjadas por interesses e necessidades humanos momentâneos.

É necessário que o máximo de pessoas seja convocado, se una e propague “boca a boca” outro proceder para este Novo Tempo. É preciso agir como fez Cristo em sua época, utilizando-se de maneira eficiente da vibração sonora de sua voz, ao se valer da magia da emoção, para renovar idéias através de suas informações quase sempre na forma de parábolas.

É necessário que a partir de agora se plante “novas sementes”, para que elas germinem, cresçam e deem  bons frutos pelos próximos 5.125 anos.

O viajor já “ambientado do outro lado” depois do seu quase instantâneo teletransporte, ele “viu” (mentalmente percebeu) as presenças dos 49 casais representantes das raças e os parceiros dos parceiros destes não através de “naves”, mas já em suas próprias dimensões (realidades paralelas).

Neste nível de interação os acontecimentos não dão em locais e muito menos eles são identificados por nomes. Em relação ao mundo real (3ª dimensão) o máximo que se pode ter, é identificá-los como dimensões e em cada uma delas as suas escalas. Portanto, é chamá-los de primeira sub da nona, segunda sub nona, terceira sub nona e assim vai (com 9 sub camadas) E depois descendo esta escala vem a oitava dimensão também com as suas 9 sub camadas e assim por diante…

O que está dentro da nona dimensão e acima dela é percebido em cores. As outras mais abaixo são percebidas nas cores cinza ou branca, ou ainda verde. Nestas realidades percebe também com mais nitidez, o porquê de estar no mundo real, o porquê do compromisso que é sentido como uma vibração e reconhecido pela energia que irradia, quando a alma daquele que faz esta “viagem” diz tudo – “olho no olho”. Neste instante é percebido o segredo da alma, que é também o segredo da vida.

Nestas esferas de realidade nada é falado, nada é expresso pela boca. O cumprimento dado instantaneamente é feito com um fitar de olhos, como uma conexão com a alma de cada um, ao se aprofundar no segredo de sua vida e ficar ao mesmo tempo presente “um todo”, dentro de um consciente coletivo. O que um sabe o outro também sabe, mas no limite do respeito de um pelo outro.

As vestes dos seres destas dimensões são plasmadas. Quando se chega lá, a roupa daqui é como se desmaterializasse e materializasse outra em seguida própria para estas realidades paralelas, onde também não tem necessidade de descanso, como se tem na Terra.

Nestes planos de existência não existe ainda a noção de espaço como se tem aqui. Ao se perceber como se estivesse deslizando mais do que andando em um recinto, as suas paredes vão também acompanhando o andar do caminhante e, quando começa ser percebida a imagem de outro recinto, as paredes deste vão contornando a do recinto anterior, que continua mostrar as suas paredes como “espichassem” ainda acompanhando os passos do caminhante, até que de repente este “processo de espichar” termina, para surgir finalmente sem mais interferência a imagem deste outro recinto.

Nestas realidades existem também muitos ambientes abertos, mas não iguais às paisagens terrenas. A luz (“claridade”) é mostrada como um pulsar e em relação à noção de horas na Terra, uma hora terrena equivale oitenta horas lá e, neste período que é de um pulsar, acontece o que pode ser considerado dia e noite, mas sem existir claridade maior ou menor, como proporciona o Sol à Terra. Também não existe o mais quente ou o mais frio, a temperatura é mais constante e se aproxima do corpo humano.

Uma diferença marcante entre os seres humanos e os seres destas realidades é que estes últimos não geram emoção e, por isso, não sorriem. Os seres humanos por gerarem freqüências emocionais, despertam grande interesse deles, que não entendem a emoção, por não saberem o que a provoca, apesar de que a criatura humana ter sido geneticamente criada por eles

Eles sabem que as freqüências emocionais fazem parte de uma das leis da terceira dimensão, mas não são geradas em outros universos e mesmo em outros mundos de terceira dimensão – elas só existem na Terra.

Eles sabem também que pelo quadrante onde a Terra se encontra no espaço (na malha magnética ou “tecido cósmico”), ela está favorecida em relação à influência de uma luz solar, de outra fonte de luz que vem de Nebalau e de outras galáxias.

Eles acham ainda que talvez esta conjunção de fatores, foi que proporcionou a geração de um campo emocional primeiro nas células do corpo humano, como uma situação não programada na forma de uma “anomalia positiva” que querem entender. Eles querem depois ter um conhecimento mais profundo das gerações humanas mais recentes (principalmente a partir de 1971). Nestas pessoas estão mais presentes genes mutantes, que a medicina ainda não sabe qual a finalidade deles.

Mesmo com toda a tecnologia que eles possuem, o porquê das emoções ainda não foi revelado nem para eles. Esse é o grande diferencial entre os humanos e dos demais seres de outras esferas de existência.

Os parceiros de outras realidades só conseguirão “escanear” freqüências emocionais de uma pessoa mediante pesquisas. Mas, apenas terão sucesso neste sentido, a partir do momento que ela possuir quatro genes mutantes ativos, porque fechará um “padrão”. Para isto, estão tentando mudar e melhorar a genética humana.

Crianças que fazem cálculos extraordinários, outras que veem através da parede ou que iluminam seus corpos, são habilidades que entre outras no mundo real são vistas como habilidades paranormais, mas para os seres das realidades paralelas são habilidades de semideuses associadas aos genes mutantes, que já estão sendo desenvolvidos em função do atual padrão emocional humano.

Estes parceiros de outras realidades estão na expectativa do surgimento de crianças ainda mais especiais, já geneticamente modificadas dentro de um padrão mental evolutivo mais apurado, porque já sabem que “espirituais”, elas (e todos os seres humanos) já são naturalmente, precisando apenas ter a real noção disto e de fato exteriorizá-lo (vivenciá-lo), sem mais se escudar atrás de Igrejas, de Religiões.

Eles estão esperando o surgimento de crianças que já tenham condição de nascer com quatro genes mutantes.

Boa parte dos dimensionais já tem dois genes mutantes, principalmente aqueles que “fazem parte” da genética das Amazonas, que com ela sinaliza uma condição especial de sua historia e de seu processo evolutivo.

O dimensional com três genes mutantes ativos e desenvolvidos possui capacidade extrassensorial muito ampliada. Ele é conhecido como possuidor de habilidade “paranormal” ou de um “semideus”. E com quatro genes mutantes ativos e desenvolvidos ele torna “o deus a partir de si mesmo”, ao manipular o seu “poder emocional”.

Os parceiros de outras realidades acreditam que aquele com quatro genes desenvolvidos terá uma consciência e uma evolução mental muito maior em relação a tudo que eles conhecem como tecnologia bioplasmática (tecnologia mental ou aquela criada através da mente), se souber direcioná-la. Por isto, que estão neste sentido muito empenhados.

O ser humano dimensional com os seus genes mutantes será um “deus” interagindo com infinitos Universos. Terá conhecimentos e habilidades extraordinários de tal forma, que despertará a atenção e o interesse dos seres de mundos paralelos, colocando realmente a Terra na condição de “Perola do Universo”.

___________________________________________________________

 

“Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe”. “A vida imita a arte muito mais do que a arte imita a vida…”  – Oscar Wilde (Dublin, 16 de outubro de 1854- Paris, 30 de novembro de 1900).

Mas, parece correto também mencionar, que tanto a vida quanto a arte inter-relacionam – uma influencia a outra.  

O vídeo “As Brumas de Avalon” através da sétima arte e o texto “Teletransporte – momento da transposição de um viajor” deixam visível esta constatação, quando “brumas, nevoeiros e neblinas” ainda insistem em “encobrir” respostas para muitas perguntas postas nos limites da ficção e da realidade – da ilusão e do real.

 

As Brumas de Avalon – Filme – YouTube

Translate »