Postado por

Unificação da Linguagem

Unificação da Linguagem
Print Friendly, PDF & Email

De Eliane do Canto (elianedocanto@yahoo.com.br) e Rosana Batarelli (rbatarelli@yahoo.com.br) – Novembro/2007

 

Para melhor explicar a tão discutida diferença entre o astral e o mental, é necessário estar aberto ao novo, despir-se de sistemas e crenças pré-concebidas, já que ainda existe muita confusão quando se trata destas duas realidades.

Essa confusão acontece porque grande parte das pessoas rejeita o desconhecido ou aquilo que contraria suas crenças e seus padrões.

É complicado quando se tenta romper parâmetros daquilo que as pessoas consideram como certo e ponto de referência.

O ser humano se agarra naquilo que julga ser seu conhecimento e também à sua experiência de vida e esses fatores dificultam o entendimento e aceitação de novos assuntos.

Sabemos, no entanto, que para obtermos um contato físico com um ser extraterrestre é necessário que nosso corpo e mente preencham determinados requisitos.

O Projeto Portal não trabalha com mensagens canalizadas. Nós trabalhamos para obtermos informação num contato direto com os seres extraterrestres, onde a presença física humana e do ser é fundamental. Evidentemente, conversamos mentalmente com os seres, porém não canalizamos as mensagens.

Antes de 1971, a vibração planetária era diferente, sendo neste caso necessário trabalhar mais em meditações. A partir de 1971, com a implantação do GNA (célula energética no lado direito do pescoço) em todos os dimensionais, a vibração planetária começou a acelerar, dai o tempo hoje estar em sete segundos, ou seja, houve uma mudança e precisamos acompanhar esta mudança.

A freqüência do astral só atinge níveis mentais baixos e a freqüência atual da Terra está acelerada, ou seja, níveis mentais acelerados, acima de 17 ciclos por segundo de freqüência mental e nestes ciclos não há mais a manifestação do astral, é só uma questão de adaptação às novas freqüências atuantes.

Somente quando nossa mente está acima de 27 ciclos por segundo é que podemos obter informações dos seres extraterrestres e de seres de luz, porque eles operam em faixas superiores. Seres de pouca luz não conseguem perceber a freqüência elevada, apenas vêem a luz e, normalmente, se afastam.

O plano astral pode ajudar ou atrapalhar, conforme a pessoa. Da mesma forma que o plano mental também ajuda ou atrapalha, conforme a pessoa sabe ou não usar a sua mente, o seu pensamento, direcionando-o corretamente.

O astral é muito bom quando iniciamos nossos estudos, é o primeiro passo para chegarmos ao mental, por isso ele é importante. Há seres que já estão em um padrão vibratório extremamente superior ao astral de pouca luz e atuam junto ou paralelamente aos seres extraterrestres. Esses seres possuem freqüência elevada e estão muito mais ligados aos Extraterrestres do que ao astral propriamente dito.

Eles estão nesse patamar porque possuem apenas corpos de energia e perderam seus corpos físicos quando morreram, não significando que um é superior ao outro, apenas estão em planos diferentes. Mas em um determinado tempo, o astral se torna perigoso porque nos torna vulneráveis aos seres de pouca luz e baixa freqüência vibratória.

Quando atuamos no astral é porque baixamos nossas freqüências e estamos assim muito mais sujeitos aos padrões vibratórios que podem ser fantasiosos ou até enganadores. Ficamos propensos a doenças, e a toda sorte de problemas. O astral desequilibra o racional quando estamos com o nosso campo vibracional aberto e a mente confusa. Com isso, várias energias negativas podem se passar por seres evoluídos, tirando o enfoque da matéria de terceira dimensão e a pessoa fica na fantasia.

Se aumentarmos nossas freqüências e nos mantivermos em equilíbrio, teremos muito mais condições de enfrentar situações adversas, porque podemos vibrar na neutralidade.

O astral pode provocar medo, insegurança, gera muitas ilusões na mente da pessoa, porque aprendemos que tudo o que é desconhecido é perigoso e a escuridão traz coisas misteriosas que podem nos surpreender.

Nesta questão do astral há interferência muito grande em relação à canalização. Precisamos ter muito equilíbrio para saber quando é uma mensagem direta e quando não é. O primeiro teste é verificar a temperatura das mãos. Se estiver fria, a mensagem é positiva, porque a pessoa interagiu e controlou, ela cedeu a energia, houve uma troca, ela deu abertura, foi receptiva, abriu o canal e recebeu as informações. Quando as mãos ficam quentes, não houve uma troca, ela simplesmente fantasiou alguma coisa e para agradar ela diz algo, ou se deixou levar pelo próprio emocional e acabou falando um monte de coisas da cabeça dela.

Precisamos ter o controle. Se receber uma mensagem de uma entidade espiritual, ótimo. Mas não permita que a “entidade” bagunce a sua mente. Se a pessoa começa a modificar a voz, a berrar, a gritar, sacudir, tomar atitudes que conscientemente não faria, significa que deixou aquela mente/entidade que está do outro lado superar suas vontades. A “entidade” está manipulando a pessoa, incentivando-a fazer coisas que aquela pessoa normalmente não faria. Porém a pessoa foi fraca naquele momento e deixou acontecer. Com isso, abre-se a aura da pessoa, proporcionando a entrada de um montão de obsessores. Isso é negativo!

O Plano Astral é um plano onde estão guardadas as nossas vibrações mais grosseiras, o nosso corpo astral literalmente é o corpo do desejo, de nossas emoções. Nunca confundir desejo com vontade, nem emoções grosseiras com sentimentos nobres. Por se depositar nele nossas emoções e desejos, temos no astral todas as imperfeições humanas.

Uma das situações de desarmonia gerada no astral é quando a pessoa tem uma intensa vontade de ver alguma coisa, de ver algum fenômeno e, como isso não acontece, a força do seu pensamento cria emocionalmente, através de sua mente, aquilo que ela imagina (formas-pensamento).

Nesta forma de contato, temos um processo anímico que provoca uma interferência de no mínimo 10%, mas sabe-se que esta interferência é bem maior, conforme o tamanho do ego do médium. Sem considerar que emprestar nosso corpo para um espírito que não conhecemos é no mínimo uma grande irresponsabilidade.

Segundo os Seres que mantemos contato (físico) esse tipo de contato, cerca de 20% é verdadeiro e o resto é falso, pois os Seres negativos do plano astral operam neste nível de freqüência que são de ciclos muito baixos. Os Seres também mantiveram alguns contatos nessa mesma freqüência no passado, pois a vibração planetária não permitia naquela época um contato físico com é feito hoje em dia. Nossos corpos não agüentavam a vibração elevada dos seres, muito superior a nossa (raras pessoas tinham este contato físico), até a década de 70.

Você pode voltar no astral só para ajudar alguém, uma pessoa, mas não se deixe levar, se influenciar, pois não te traz acréscimo nenhum na terceira dimensão.

A parte espiritual não consegue mais nos ajudar (pois só vão até o padrão de 14 ciclos por segundo). Quando a pessoa está abaixo deste nível (no fundo do poço), ela até consegue uma melhora, mas quando ela ultrapassa os 14, ela já não tem mais necessidade deste tipo de energia, já não pode mais ser ajudada pelo astral em sua caminhada, pois é o limite do astral, daí temos que passar para o degrau seguinte: O Mental!

Resumindo: Toda e qualquer canalização, psicografia ou qualquer tipo de contato astral, que a outra parte (entidade) tenha vontade maior do que a sua, é negativo; desde que você domine, é positivo.

Nem sempre sabemos que tipo de “entidade” estamos canalizando. Ás vezes é um zombeteiro, que passará informações falsas para as pessoas. Neste caso há uma mensagem direta, mas logo em seguida a pessoa que passou a informação começa a se sentir mal, enjôo, cansaço, frieza, calafrios. Isso significa que o “cara lá de cima” passou mensagens falsas para a pessoa, e o sensitivo tem que saber muito bem disso, perceber bastante para não passar mensagens erradas e depois o cliente falar mal, chamando-o de charlatão e mentiroso. Se o sensitivo após uma canalização se sentir mal, a informação é errada, mesmo sendo uma conexão direta, verdadeira, mas com uma “entidade” zombeteira.

Temos que desenvolver os dois lados, o astral e o mental, para sermos completo. Os dois lados são importantes e tem que estar em equilíbrio.

Os Mestres Ascencionados

São mestres iluminados, mas que perderam o corpo físico. Eles têm mais controle, mais evolução espiritual, assim como as entidades espirituais de luz. Buda e os Santos estão todos num mesmo patamar superior, estão na mesma faixa. Os desencarnados, ou espíritos de menos luz, ocupam dentro deste plano, faixas diferentes.

Porém todos eles perderam seu corpo físico, não conseguiram a transmutação, os ascencionados estão um pouco mais conscientes neste plano intermediário do que aqueles que não ascencionaram, mas não temos prova, ou “documento” de que tal mestre realmente ascencionou, mesmo os santos. Quem autorizou a determinar quem é ou não santo? Com certeza não foi J.C.

Se todos eles estão num mesmo patamar, significa que todos estão no mesmo grau vibratório de quem perdeu o corpo físico, não evoluiu o bastante para a transmutação.

Este padrão vibratório é negativo. Eles, mesmo numa posição de ascensão, de uma consciência maior, mesmo assim não estão num plano melhor do que o nosso, num plano evolutivo.

Se eles estão se utilizando do nosso veículo, do nosso ectoplasma para passar mensagens, significa que somos vibratoriamente melhores do que eles, porque a nossa vibração é mais acelerada do que a deles.

Eles perderam o corpo físico, se estão numa vibração que ainda dependem de nós para passar mensagens, nós estamos melhores do que eles, pois dependem de nosso equilíbrio vibratório para passar mensagens ao povo. Caso contrário eles fariam como J.C. ou Ashtar Sheran, ou seja, desceriam direto e diriam o que querem.

Nós estamos num padrão vibratório e espiritual muito acima deles, caso contrário não precisariam de nosso veículo para passar informações ou para pedir ajuda.

Os seres extraterrestres estão também passando mensagens diretas às pessoas paranormais, sensitivas e médiuns, pessoas que tem uma sensibilidade desenvolvida.

Quando se sabe se é um ET ou espírito? Ou quando são os seres telepaticamente na mente da pessoa? É quando você procura, quando você busca, você determina: quero que um ser transmutado (que não morreu) se apresente e nos oriente. Quero um ser que faça parte daqueles que assumiram esse compromisso desde 1971, que é a turma da Confederação, do Ashtar Sheran, cujo trabalho deles termina em 22 de dezembro de 2012. Mesmo assim isso não é confiável na questão da canalização, da telepatia. Quem garante que aquela mensagem é realmente verdadeira ou não tem um pouquinho de invenção mesclada na mensagem?

É desnecessário atualmente lidarmos com o astral (época de mudança de freqüência), pois temos um aliado muito mais eficaz e poderoso que é o Mental. Esse é o caminho que se encaixa com o presente período de Luz com o qual já começamos a interagir.

O Astral: você tem apenas um ângulo de visão. 
O Mental: Trabalho missionário, a pessoa tem um ângulo de visão de 360 graus.

Entidades Espirituais: Pessoas que já morreram e o espírito fica por aí, esperando uma chance, no dia do julgamento (Astral Inferior).

Seres Inferiores: a mão fica quente (obsessores). Seres Superiores: a mão fica gelada.

Seres Superiores: são Seres que já transmutaram, transformaram seus corpos em luz e ressuscitaram como Enoque, Moisés, J.C. Ashtar Sheran, …

Não há evolução no plano espiritual, pois se fosse assim, os obsessores também teriam evoluído, há um estacionamento, e há pessoas aqui da Terra para doutrinar estas pessoas. No Astral Superior, estão aqueles que já aguardam a hora de ir, já estão classificados num plano divino.

Translate »