Postado por

Energia Feminina e a nova humanidade

Energia Feminina e a nova humanidade
Print Friendly, PDF & Email

Ao ver rosas, margaridas, crisântemos, dálias, cravos, copos-de-leite, lírios, hibiscos e azaleias, entre outras flores em suas variadas cores e perfumes, minha memória me leva cerca de 68 anos atrás, por volta do ano de 1953, quando tinha entre 8 e 9 anos e quando ainda frequentava grupo escolar.

Transporto-me mentalmente para uma cidadezinha do interior de Minas Gerais/Brasil e, em ocasião que nela todo o mês de maio uma imagem de Nossa Senhora era coroada.

Nesta coroação no final da aula, uma menina colocava na imagem a coroa e um menino a palma em um altar, que era improvisadamente construído em uma das paredes da sala de aula.

Todos nós levávamos flores colhidas de nossos quintais, que com elas enfeitávamos não só o altar, mas também coloríamos e alegrávamos toda a sala com suas diferentes cores e tonalidades e ainda, a “inundávamos” com seus vários e envolventes aromas florais.

Minha memória me transporta especificamente para o momento, que eu em pé, junto ao altar e na frente dos meus colegas cantávamos canções, para aquela que era a ” mãe” de todos nós.


“Mãezinha do céu, eu não sei rezar, eu só sei dizer, eu quero te amar. Azul é seu manto, branco é seu véu, Mãezinha eu quero te ver lá no céu…” – Imagem da Internet.

Apesar da minha timidez, esse instante da coroação adquiria vida própria, estimulando-me pelo perfume que me envolvia, como também pelas canções que todos cantavam

Na minha simplicidade e inocência de criança vivia nesse instante a presença viva do divino, o que me faz hoje lembrar Mateus, 18:3 – “Com toda certeza vos afirmo que, senão converterdes não tornardes como criança, de modo algum entrareis no “Reino dos Céus”.

Aquela criança foi crescendo e aprendendo a se tornar adulta. Cresceu para atingir o máximo de seu crescimento e de plenitude das suas funções biológicas e assim, obter informações e possuir conhecimentos.

Conhecimentos que com eles buscou iluminar sua mente com pensamentos de sabedoria, para com eles se conservar com o sentimento de “estado de graça” de uma criança.

Na vida colhe-se o que se semeia. E “colher sabedoria” é saber pela mente e pelo coração, viver em harmonia às Leis Universais, para que se possa transformar energia em consciência.

E assim se evoluir, conduzindo-se nas experiências humanas pelo autoconhecimento, para que se possa congregar, religar e realizar.

Exercitar-se pela mente e pelo coração, para poder se religar às dimensões do inviolável, do atemporal, já tendo extrapolado o temporal de sua passageira condição humana.

E desta maneira, ao se inserir à ciência da verdadeira vida iluminada de harmonia e de Sabedoria, procurar a se elevar em consciência e a se unir à fraternidade universal.


A “Mãe” de todos com “seu manto azul e com seu véu branco” assim mencionada e cantada  em versos por uma criança, é mais que frases expressas com sentimentos inocentemente amorosos. É corpo energético de uma consciência em altíssima sutileza vibratória, que  de outro plano de realidade,  mostra-se no mundo físico nas frequências de luzes e cores azul e branca, que com elas “modela/plasma” na mente de algumas pessoas forma corpórea feminina, para  que  possa se identificar e se comunicar. A imagem acima foi fotografada (e depois ampliada) dentro do Cenáculo, Jerusalém. Mais informações deste momento e de outros no texto: Voltando ao Passado, buscando o futuro, no Site  www.pegasus.portal.nom.br  – Foto de Antônio Carlos Tanure

 

———————————————-

 

Cultos às deusas como “mães divinas” sempre estiveram presentes em várias ocasiões e locais da Terra, fazendo parte da história da humanidade

Deusas celtas, nórdicas, túrquicas, siberianas, incas, maias e afro-brasileiras (orixás e iorubás), entre outras deidades até hoje em suas várias concepções continuam veneradas em rituais.

Apesar da ciência arqueológica ainda não reconhecer, estiveram na Terra em tempos mais antigos inteligências (extraterrestres) possuidoras de tecnologias avançadas e tidas como deuses, que foram cultuados em várias epócas e várias regiões da Terra, sendo a “deusa-mãe” entre eles, que criou geneticamente a raça adâmica.

Ninursague (ninhursag; da língua sumeriana “nin” (senhora) e “hursag” ou “hur.sag” (montanha sagrada)), foi a deusa (“dingir”), com os atributos principais de “deusa-mãe”, que para alguns estudiosos existiu em tempos remotos na Mesopotâmia, região que dela faz parte hoje maior parte do atual Iraque e Kuwait, além de partes orientais da Síria e de regiões ao longo das fronteiras Turquia-Síria e Irã-Iraque.

Mas, existem registros arqueológicos do culto à “deusa-mãe” desde da pré-história (paleolítico e neolítico), período que nele pesquisadores encontraram  estatuetas de seu culto, que continuou com várias denominações. Cultos que eram realizados à Tiamat na Suméria; Ishtar (Inanna) e Ninsuna na Caldéia; Asherah em Canaã; Astarté na Síria; Afrodite na Grécia.

E são várias as similaridades entre a história da criação no Enuma Elish da narração babilônica e a história da criação no Livro do Gênesis da narração bíblica. Em ambas narrações a criação se dá nesta mesma ordem: começando na luz e acabando no homem.

As denominadas grandes religiões abraâmicas cultuavam esta deusa (junto com Javé/Yavé), como divindade doadora, da mesma forma que era cultuada na Babilônia Istar e na Grégia antiga Astarte (Afrodite). Todas elas são arquétipos da divindade feminina “deusa-mãe”.


Ninursague (à direita) com o espírito das florestas, junto à árvore da vida (baixo-relevo de Shusha) – Imagem da Internet.

A Terra pela sua natureza geradora de bioplasma é também chamada por muitos como “mãe-terra” e, às vezes ainda, mencionada por esta sua mesma capacidade como “mãe-natureza”. Ela é fonte de vida  para todas suas criaturas, pela sua capacidade de gerá-las e de mantê-las em seu “corpo cósmico”.

Ela foi reverenciada atraves de símbolos femininos em cultos desde de o início da civilização, por povos que a associavam ainda ao significado de “deusa-mãe”.

A arqueologia pré-histórica (sítio de Çatalhüyük/Turquia) registra já em torno de 300.000 a.C. o culto à “deusa-mãe” relacionado à cor do ocre vermelho pela sua cor associada ao sangue menstrual e este, pelo seu poder relacionado à vida.

Sítio arqueológico de Çatalhüyük/Turquia registro pré-histórico da civilização humana – Imagem da Internet

No culto wicca acredita-se em uma força superior ou, na grande divindade de onde tudo veio. Esta força é venerada na forma de um casal divino, que em sua bipolaridade potencializa e gera através desta sua dualidade energético-cósmica, criando o universo com tudo que nele consta.

No culto wicca é muito valorizada a natureza, portanto também a Terra (Gaia) pela capacidade de sua fertilidade em proporcionar a vida. Valorização que se estende à mulher pela sua condição anatomofisiológico ou, de gerar e parir, proporcionando a vida.

O culto à natureza está muito explicito na frase wicca: tudo vem da “deusa” e tudo para ela retorna.

Na cultura  védica (hinduísta), o culto à “deusa-mãe” volta-se para o poder divino gerador associado à “mãe-terra”, que às vezes é mencionada como “mãe universal”, também como mãe dos deuses e ainda, aludida como a “mãe nascida do oceano primordial”.

Todas as diversas entidades femininas hinduístas são consideradas como muitas facetas de uma mesma divindade feminina.

Ilustração da deusa Durga considerada como a deusa-mãe suprema pelos hindus – Imagem da Internet

A Terra com sua especial capacidade geradora de vida, ao possibilitar o surgimento em seu “corpo” de vidas, como entes/indivíduos possuidores também de corpos com as funcionalidades do metabolismo, crescimento e reprodução, pode-se até entendê-la com expressão “mãe-terra”, mas esta expressão ainda não retrata o verdadeiro motivo do surgimento em seu “ventre” da vida em suas várias formas.

É a presença da vibração das ondas modulares originadas da Energia Suprema também chamada de Deus, que possibilita a Terra “viver” e poder também “dar vida” aos corpos das criaturas por ela “gerados” e que nela vivem.-  Mais informações no Site www.pegasus.portal.nom.br, no texto: Ciência Lilarial: Energia Suprema, Ondas modulares

A “maternidade” da Terra relacionada ao surgimento da raça humana vem desde de muito, com um conjunto de informações que não retratam totalmente a verdade.

Informações que incluem as de uma época, quando ainda estavam presentes na Terra os anunnaki,, seres também de outro mundo físico, com conhecimentos científicos e tecnológicos avançados.

Os criadores anunnaki EnKi e sua consorte Ninti/Ninursague em anterior ciclo civilizatório na Terra, usaram de seus conhecimentos e tecnologias para criarem a raça adâmica e, por este motivo são até hoje mencionados com vários nomes e venerados de diversas formas como divindades.

Principalmente Ninti é misticamente tida por algumas crenças como um ser divino, sendo venerada como a rainha do céu e mãe de todos os homens – Mais informações no Site www.pegasus.portal.nom.br com o texto: Nibiru e os Anunnaki.

Consciências mais evoluídas e divinas pela sua capacidade cocriadora são aquelas não mais de mundos físicos, mas de realidades paralelas mais vibráteis/sutis que já são capazes de anularem espaço-tempo e, já tendo transposto o 1º Anel do Sistema Terra, comunicarem com as pessoas, para orienta-las.

Comunicação trazendo informações e conhecimentos que esclarecem, que iluminam em sintonia aos Princípios (Leis) Universais. – Mais informações no Site www.pegasus.portal.nom.br com o texto: O Renascer com a Ciência Lilarial

Conhecimentos que já tinham sido perdidos da Ciência Lilarial e que começam agora a serem revividos, trazendo com eles conceito e sentido vibracional de ondas modulares entrelaçadas de polaridades opostas, que dão respostas para muito do que era até então “fenômeno”.

Respostas que removem conceitos errôneos não só da ciência tradicional, como também crenças de cunho religioso – Mais informações www.pegasus.portal.nom.br  no texto: Em outros tempos no Caminho de Peabiru.


Local do Tanque de Siloé, em Jerusalém onde Jesus, O Cristo mediante “sua ciência” utilizou-se de tecnologia mental em sintonia às Leis Universais, para realizar o que muitos dizem “milagre”, como o de curar um cego de nascença (Jo 9:1- 41). – Foto de Antônio Carlos Tanure

No dicionário a palavra domo significa quanto a sua etimologia cúpula ou teto arredondado, significado de acordo também com a Ciência Lilarial ao caracterizar assim um sustentáculo ou um apoio no firmamento.

Um apoio que possibilita após as camadas da atmosfera da Terra, a presença de uma membrana (uma superfície), que divide “espaços” entre estruturas que se sobrepõem.

Esta Membrana como “luz liquida” que se assemelha à “gelatina” e que já é por alguns estudiosos considerada o 5º estado da matéria, situa-se entre o Sistema Terra (delimitado pelo 1º anel) e o que está além dele.

E o que está além do 1º anel, portanto além do sistema Terra é o universo bioplasmático, que é “luz viva” possuidora de consciência.

Universo bioplasmático de vibração superior ou mais sutil, que o ser humano em outro nível de consciência-razão e com seu campo de energia em frequência de vibração mais acelerada com ele alcança interação, comunicando-se com consciências nele existentes, que se mostram como “luzes”.

É neste plano de realidade de mais sutileza vibratória, que o ser humano já estando também mental e emocionalmente sutilizado, permanecerá em definitivo depois de transmutado.

A maioria das “naves” que se mostram no Recanto de Havalon são bioplasmadas, portanto são corpos energéticos portadores de consciência, oriundos deste plano superior de vibração.


Sonda GNA em vários instantes das emissões de seus flashes como ondas – Fotos www.pegasus.portal.nom.br

As experiências com as realidades paralelas que aconteceram na Sede da Fazenda Boa Sorte, no período entre o ano de1999 e os anos 2006/2007, no até então Projeto Portal, enriqueceram seus participantes com sucessivas informações e conhecimentos, que impulsionaram diferentemente em cada um seu despertar.

Este período de experiências que não mais existirá, foi um manancial de conhecimentos revelados e neles outros eram sucessivamente acrescentados, ocasionando momentos singulares de descobertas, que delas todos eram partícipes

Ocasião única que gerou nos participantes do Projeto Portal estado mental de encantamento, de magia motivando perguntas que a cada momento outras nelas eram acrescidas.

E, quando as respostas eram alcançadas, estavam inseridas com palpitantes experiências mentais, que com elas cada um em sua própria busca “ia desterrando seu tesouro” – Mais informações no Site www.pegasus.portal.nom.br, com o texto: Despertar de um dimensional.

Nesta época de encantamento, de despertamento e tendo ainda a natureza mais presente na sede da Fazenda Boa Sorte, fui chamado já quase noite pelas realidades paralelas, para ir ao bambuzal, local com esta vegetação que não existe mais e, quando ali fui chegando, foi me dada uma pedra materializada não discoide, mas contendo oito faces, que hoje percebo o porquê deste formato e o porquê desta entrega.


Pedra materializada de oito faces que foi posteriormente engastada em ouro, marca com seu formato o porquê de sua entrega uma ocasião especial de aprendizado daquele que a recebeu – Foto de Antônio Carlos Tanure

Depois de ter recebido a pedra de oito faces e já no local do bambuzal, alguns minutos depois chegou uma parceira que foi chamada por aquele que recebeu a “1ª Placa Física”, para que a bipolaridade energética (homem-mulher) se fizesse como um só corpo alquímico e então, já juntos depois de um tempo, percebemos a aproximação de uma energia/frequência.

Uma presença não fisicamente visível, mas constatada em um instante que tudo na natureza em volta parecia ter parado, era só diferentemente percebido um pequenino galho um pouco acima de nossas cabeças, que se movia e de onde surgiu uma voz estranhamente metálica, que parecendo emitida de longe e em eco, mencionou as sílabas: “An…ta…res”.

Foi desta maneira diferentemente telegráfica e com certa sonoridade, que esta consciência comunicou que era de Antares.

E, em um dado momento com esta sua maneira de se comunicar, esta voz disse: “luz… no… chão”, quando magicamente em toda nossa volta, começou como brotasse do chão uma luminosidade, que aparentava ser uma substância, mas que não estava misturada à terra.

Esta luminosidade assemelhava-se em brilho-cor, à luz que naquela ocasião chamávamos de luz verde néon, mas neste caso “mais encorpada” não era só luz, porque ela tinha também consistência, que se assemelhava à espuma de detergente, mas mesclada à da gelatina. Era uma substância diferente, com leis não mais para um mundo físico.

Esta voz continuando “telegraficamente” comunicar conosco, mencionou: “luz…testa”. Ela nos orientava para passar esta luz-substância em nosso frontal e logo a seguir dando a entender, que está luz era de valor incalculável, a parceira que estava comigo, apesar de possuir baixa estatura, pulou-se na frente e começou a pegar do chão e ainda dele raspar grande parte desta luz consistente, que ia com sua mão esquerda acumulando-a, guardando-a em seu peito.

Atitude que fez a voz dizê-la, que dividisse comigo o que ela tinha pegado, o que ela fez e, os dois então puderam passar esta substância em seus respectivos frontais, que ficaram com esta luminosidade estranhamente iluminando também o interior de suas cabeças.

Quando pegamos esta luminosidade no chão, que constatamos ser uma substância com volume, mas sem densidade, sem possuir massa, porque não sentíamos seu peso. Esta mesma constatação tive, ao segurar a “5ª Placa Física”, que anos antes tinha acessado.


O antigo Projeto Portal entre o ano de1999 e os anos 2006/2007, foi um manancial de conhecimentos. Foi um período com mais participantes, mais experiências/aprendizados e a frequência mental de todos era outra. Foi ocasião única de descobertas, que todos mais participativos as buscavam, mas cada um em sua própria procura, ia “desterrando seu tesouro”. Uma época singularmente preciosa que passou e que não mais voltará – Fotos de Antônio Carlos Tanure

Os seres humanos por serem conscientes e mesmo estando na realidade física, são extensões de consciências superiores em planos mais sutis de existência, que com elas possuem conexão.

Estas Frequências Superiores do universo bioplasmático nada têm a ver com os criadores anunnaki, que eram seres físicos oriundos também de mundos físicos e apenas possuidores de conhecimentos tecnológicos, que com eles puderam pela manipulação genética criar o ser humano através da raça adâmica.

Depois da Membrana (no universo bioplasmático) as informações disponíveis ao ser humano estão muitíssimas além, das que ele comumente assimila pelo seu entendimento no mundo físico, por serem apenas alcançáveis dentro dos limites de seus cinco sentidos.

Nesta realidade de existência ele poderá “enxergar” e tudo “ouvir” (mentalmente) o que acontece não só na Terra como também em outras partes do universo. Com estas informações proporcionando conhecimentos mais verdadeiros já com leituras feitas pela mente e pelo coração, ele alcança em outra frequência de vibração a percepção mais ampla, mais clara do que se diz ser Deus, a Consciência/Energia Suprema.


A dupla hélice do DNA vibrando energeticamente em sintonia às ondas que tudo modulam, permitiram aos annunaki através da “Árvore da Vida”, que geneticamente proporcionassem o aparecimento do ser humano. – Imagem da Internet.

As ondas modulares que se mostram energeticamente como vibrações em frequências positiva, negativa e neutra, modulam com suas frequências de polaridades opostas (+ e -) todos os acontecimentos/”fenômenos” do universo. São elas as responsáveis por tudo o que acontece não só na Terra, como também neste universo e nos demais universos.

Fonte Divina, Criador, Vácuo Quântico, Energia Suprema e qualquer outro nome que se queira dar, são várias denominações que procuram identificar Poder e Força, que impulsionam as ondas moduladoras, para tudo gerar.

Estas Potências Divinas são Causa verdadeira chamada mais comumente de Deus, que gera condições à Terra para que se torne “viveiro cósmico” de experiências de vida, que são acompanhadas/”supervisionadas” por seres/consciências mais sutis de realidades em frequências superiores de vibração.

“Viveiro Terra” que foi utilizado pelos anunnaki no passado, para modificarem em benefício próprio, seres vivos que já nele existiam.

O Livro de Gênesis com os atuais conhecimentos da ciência arqueológica, mostra-se em sua maior parte como uma grande metáfora, ao narrar de forma simbólica acontecimentos reais de milhares de anos atrás.

Jeová ou Yavé cria o homem a partir da “deusa-mãe” (Terra), ao soprar vida inteligente no barro (corpo preexistente de um hominídeo). Ele próprio Jeová não está presente nesse corpo físico (geneticamente manipulado pelos anunnaki), mas a “deusa-mãe” (Terra) está nele, faz parte dele (do hominídeo), assim como ela continua também fora, em outros corpos físicos (na natureza).

Em Gênesis o ser humano (seu corpo físico) foi feito por Jeová/Yavé (anunnaki) do corpo da “deusa-mãe” (elementos da Terra), utilizando-se da “Arvore da Vida” (transferência genética pelo DNA), que lhe deu existência ou, forma e inteligência como raça adâmica.

Entretanto, foi também em Gênesis, que a narrativa biblica cultuando Yavé com seu significado masculino dominador e manipulador, suplanta por conveniência o significado da “deusa-mãe”, com seu sentido feminino, pacifico e gerador associado à mulher.

Suplantação que naquela narração subtende-se também,  relacionada à época do último cataclismo global que proporcionou o fim de um ciclo civilizatório e o início da construção de um outro.

Construção que para ela a presença do homem com sua força física era mais necessária, que a força mental da mulher até então mais presente em função também de sua natureza geradora e nem tanto física.

E, a partir desta época a noção da importância do poder do homem (pela sua  força bruta) prevaleceu e continuou substituindo o poder da mulher. Assim as sociedades de até então matriarcais passaram a ser sociedades patriarcais.

Época ainda, quando em função do domínio agora do homem imposta principalmente à mulher, surge também mais voltada à ela, a conveniente noção de pecado mencionada como “conhecimento proibido” e relacionada ao sexo, à sexualidade e à reprodução.


Ilustração das Deusa-Mãe Ixchel (Maia)  e Iemanjá Rainha do Mar (Umbanda) – Imagens da Internet

Para a Terra e para a humanidade começa um  novo tempo e não um recomeço. Fecha-se o ciclo de 25.625 anos, que foi constituido por cinco ciclos ou recomeços de 5.125  anos com sucessivas experiências individuais e coletivas e, se inicia este novo tempo da era dourada voltada à energia feminina.

Uma era que agora cada vez mais presente a potência tecnológica e força das máquinas, vai deixando de ser necessária a força bruta do homem e, ao contrario, vai se fazendo cada vez mais necessária a criatividade da frequência mental, conduzida pela  sensibilidade da mulher.

A era dourada também chamada era de aquário (água elemento gerador) , já não é tanto mais da presença da força bruta do corpo físico, mas da sutil vibração do corpo (campo) mental, para gerar um novo tempo de sintonia à sutileza de ser da criativa alma feminina.

Neste momento do salto quântico da Terra e da humanidade, a mulher principalmente já começa para ele a se estimular. Impelir-se pelos seus 37 canais mentais e a tomar posse de espaços até então ocupados pelo homem, para gerar um mundo de maior compreensão e de fraternidade, do até então.

Um mundo de vibração mais leve, criativo e iluminado, sem se mostrar tanto mais “emperrado”  pela densidade de energias com disputas e conflitos, tão características do mundo dos homens, que assim agem com pouca criatividade pela “lógica limitada” de apenas 18 canais mentais.

A mulher pela maior amplitude de sua sensibilidade amorosa normalmente inserida à sua alma, é mais capacitada em  transformar a frequência do mundo Terra de terceira dimensão à frequência da quinta dimensão, para que nela vibre outro nível de consciência, em frequências de vibração mais universal.

Na literatura cristã primitiva o espírito santo era discutido em termos femininos, especialmente antes de 400 d.C. Discussão correta pela verdadeira expressão energético-vibratória desta frequência  geradora.  A frequência/vibração da energia do espirito santo como energia de vida/kundalini, é a energia que faz acontecer, que gera no mundo fisico Terra.


No Vaticano Francisco junto à escultura inca simbolizando Pachamama ou, a deusa “mãe-terra”, em um momento de homenagem à mãe de todas as mães não só humanas, mas também de todas as demais mães não humanas e de seus filhos, ao lhes dar condições de vida ou, de biologicamente existirem – Imagens da Internet

A Terra ao nível cósmico possui vida, gerando outras vidas. Ela é “amorosa mãe” de seus filhos, mas também é zelosa e os repreende quando necessário.

Ela está muito especialmente no presente educando-os, ao funcionar como gigantesca bateia cósmica, que com seu batear impelido pelas ondas modulares conduzidas por Princípios (Leis) Universais está removendo de dentro de si “entulhos”, para que no final fique/“gere” uma nova e enriquecida humanidade.

Neste seu batear está “garimpando o ouro”, não o que está com ele escurecido/contaminado como sentimentos individuais e coletivos de medo, orgulho e egoísmo, mas para extrair o que se mostra mais brilhante e iluminado, como “ouro” dos sentimentos de fraternidade e de amor que não são físicos, mas que verdadeiramente enriquece por igual todos os “seus filhos”.

Na era dourada que agora começa a ser reconstruída, serão cada vez mais necessárias “ferramentas mentais”, que gerem na mulher sentimentos e atitudes de criatividade inerentes à sua alma feminina e no homem à sua sensibilidade d’alma.

Ferramentas que também ajudarão àqueles, que já estando nesta reconstrução, paralisarão o processo de seu envelhecimento, quando irá ocorrer de vez enquanto de seus campos biomagnéticos (auras), uma descarga ionizada que se mostrará como uma suave florescência, que neles resplandecerá.

Esta resplandecência irá lhes proporcionar a frequência de “super-humanos” ou, a frequência daqueles que já estando despertos, portanto já estando também diferentemente assinalados pelo que pensam e agem, lembrarão os alquimistas de outrora, que eram procurados por serem possuidores e distribuidores de conhecimentos e de ideias, que só eles possuíam.


Naquele que já é portador de conhecimentos e de ideias “diferentes”, já mostra em seu campo de energia uma descarga ionizada como uma suave florescência, que resplandece em seu corpo físico – Imagem de Dakila Pesquisas

As palavras memória e lembrança apesar de terem significados semelhantes nos dicionários, a primeira é mais própria àquele que já usa de sua tecnologia mental em “viagem” no tempo passado ou futuro, ao lhe trazer à sua consciência informações mais consistentes, mais presentes revividas no aqui agora com o auxílio também de seus sentidos comuns ou, de alguns deles.

A lembrança não lhe traz para o presente esta vivificação através de seus sentidos, mas apenas recordação passageira de fatos, de circunstancias.

Enquanto o mesmo período de tempo é pela memória incontáveis instantes sempre disponíveis à alma, que do passado os vivifica no aqui agora, este mesmo período de tempo é pela lembrança alguns momentos que a mente os registra, mas não os vivifica no presente, são apenas recordações depois esquecidas.

Todo acesso à “Placa física” (arquivo cósmico) é do interesse não só daquele que a acessa por despertar sua memória, mas é também do interesse de grande parte da humanidade, porque gera um instante que começa a vibrar e a propagar uma nova frequência por toda a Terra, ajudando no surgimento de uma nova e global consciência.

Aquele que acessa sua “Placa Física”, aumenta sua intuição em relação aos acontecimentos de seu cotidiano e amplia sua percepção em relação ao seu compromisso com o universo, que nela vem codificado (escrito) como sua memória cósmica.

Ela traz ao mundo físico informações codificadas em linguagem universal dos símbolos, experiências do passado e do futuro de quem a acessa (entre 3.000 a.C. e 2.030 d.C.) E, especialmente ela traz registrado seu compromisso com a humanidade, com a Terra e com o Universo.


De cima para baixo e da esquerda para direita: 1ª foto “Quarta Placa fisica”; 2ª foto “Quinta Placa fisica”; 3ª foto aqueles que acessaram no ano de 2001 as “Placas Físicas” anteriormente mencionadas, sendo cumprimentados; 4ª foto aquele que acessou a “Quinta Placa” narrando aos demais como se deu este seu acesso; 5ª foto aqueles que acessaram as doze primeiras “Placas fisicas”, junto àquele que mediou estes acessos. Mais informações no www.pegasus.portal.nom.br, na Página: O Portal e no Texto: No milharal, a entrega da Quinta Placa.– Fotos de Antônio Carlos Tanure

Os participantes do antigo Projeto Portal, hoje Dakila, já possuindo frequência mental mais acelerada e já em outro nível evolutivo buscam a verdadeira riqueza.

Buscam a possibilidade de utilizarem de 123 tecnologias, que os mundos paralelos (49 raças) põem à sua disposição e que juntas às informações e aos conhecimentos com elas associados, poderão se transformar em cocriadores e transformar Zigurats em centro irradiador de ideias para um novo tempo e também local de surgimentos mais constantes de naves bioplasmadas.

 No momento os mundos paralelos já disponibilizaram àqueles, que já sabem utilizar conscientes de sua tecnologia mental, o “fenômeno” de uma grande névoa (biotecnologia) que ao surgir, vai “transformando” a vegetação ao derredor.

“Fenômeno” com intuito de seu aprendizado ao serem direcionados, para que consigam “ver” mentalmente através desta “tecnologia da luz” uma “névoa” (cortina virtual) e assim, ampliarem sua percepção mental/”visão” entre realidades, distinguindo o mundo físico onde se acham, do além dele no extra físico ou, além da “névoa”.

Aqueles que se acham nesta frequência mental de aprendizado, já começam a se enriquecerem, mas não com a riqueza habitualmente compreendida e buscada na realidade física pelo enfoque dos valores pecuniários e materiais.

Sobretudo, já começam a alcançar a riqueza inserida à verdadeira prosperidade, que gera a definitiva abundância e que lhes proporciona, extrapolarem-se da limitação de um mundo físico, que nele é comumente buscado não o perene, mas valores que não se conservam, ao se desfazerem mesmo na densidade de um mundo por igual denso.

São valores que estão inseridos dentro de interesses de um poder globalizado engendrado por uma minoria (“Matrix”), sobrepondo aos interesses da maioria.


Já está enraizando no inconsciente do ser humano, portanto não mais ao alcance imediato de sua consciência submeter-se à vontade de uma minoria, que agindo como uma “engrenagem” de poder, “gira” apenas na direção de satisfazer seus próprios interesses – Imagem da Internet

O momento que os seres humanos estão experienciando, é o da oportunidade de passarem pela “Janela” e, através dela conseguirem sua transmutação, para alcançarem em definitivo planos de existência mais vibráteis, mais iluminados.

Eles experienciam este momento especial em sua jornada evolutiva, procurando desenvolver frequência mental, que os conduzam em seu dia a dia com pensamentos impulsionados por emoções/sentimentos de harmonia, caminhando dentro da Linha B ou do Meios de suas Três Linhas Vida ABC.

Ressureição e transmutação são finalidades últimas que o ser humano busca na realidade física. Ele busca energeticamente ressuscitar seu corpo físico, lhe dando vida após sua morte, para logo a seguir transmuta-lo definitivamente em corpo de pura energia/luz, como fez cerca de dois mil anos atrás o último Mensageiro de Deus.

Aquele que busca sua transmutação deve se impulsionar pela mente e se conduzir pelo coração em estado de graça, para que possa vibrar em sintonia às Leis Universais e direcionar consciente e em harmonia a energia de seu campo biomagnético (aura).

A frequência da “Janela” que se mostra como abertura no espaço-tempo, é ocasião propicia para o salto quântico daquele “diferente”, que já tendo desenvolvido suas habilidades paranormais, interage consciente com os mundos paralelos e procura se conduzir em plenitude espiritual.

Salto quântico que ele alcança mais rapidamente, se seu corpo físico estiver saudável, para que as forças de magnetismo, densidade, pressão e luz (MDPL) possam nele em equilíbrio atuar.


Aqueles que já interagem conscientes com os mundos paralelos, eles já estão se predispondo para seu salto quântico. Acima vários instantes fotográficos de uma energia na frequência de luz/cor azul que se exteriorizou , quando era comemorado com fogos de artifício e com alegria a passagem de ano 2020/2021 no Recanto de Havalon e, quando ao mesmo tempo as “Placas” daqueles que ali achavam, estavam sendo trabalhadas dentro da galeria — Imagens de Dakila Pesquisas

Estando o corpo físico do ser humano na densidade de um mundo também físico, é ele que nesta realidade sustenta seus corpos mental e emocional, para que “se entrelacem” às frequências de realidades mais sutis, mais vibráteis.

Portanto, em função desta sua “funcionalidade” é importante, conservar o corpo físico sem o intoxicar. Ingerir alimentos saudáveis é imprescindível, para que ele permaneça igualmente saudável. Mas, não só toxinas alimentares devem ser evitadas, também as “toxinas mentais-emocionais”.

E neste processo de estar fisicamente saudável ele deve ainda ingerir sem excesso alimentos, que precisam ser menos cozidos e mais crus (legumes, verduras e frutas), porque proporcionam melhor integração dos vários sistemas do corpo humano, fazendo-os funcionar melhor. Alimentação saudável estimula especialmente o sistema nervoso na produção dos hormônios serotonina e dopamina.

Uma alimentação correta evita o surgimento de um padrão energético de tensão, portanto ajuda o ser humano controlar melhor seus pensamentos, ao criar em volta de si (no campo biomagnético – aura) um verdadeiro escudo energético protetor, contra frequências energéticas negativas oriundas do derredor.

As habilidades mentais do ser humano são milhares, portanto não são só as cinco relacionadas aos seus sentidos comuns. Estas outras precisam apenas ser desenvolvidas, para que se tornem também “normais”, àquele que as desenvolve.


Ilustração das duas ocasiões principais da abertura da “Janela”, nos anos 2018 e 2028, quando a onda modular neutra se mostrando mais presente, facilitará a transmutação àquele que se preparou para poder através dela alcançar em definitivo as realidades mais sutis, mais iluminadas – Ilustração de Antônio Carlos Tanure

As habilidades mentais se tornam aplausíveis, quando aquele que as exercita já alcançou nível evolutivo, que é só conquistado por uma mente esclarecida, apta a gerar pensamentos também mais esclarecidos, mais iluminados.

Pensamentos que não geram bloqueios, são aqueles inseridos em mentes alimentadas por paradigmas que esclarecem, iluminam. São pensamentos que com eles caminha-se no dia a dia com equilíbrio emocional, em sintonia à Linha B ou do Meio das Três Linhas ABC da Vida.

Saber lidar com as emoções (sentimentos) é fundamental, porque estas frequências estão diretamente associadas ao bom funcionamento do processo biológico (biorritmo), que com ele é gerado o necessário padrão mental vibratório, para o processo evolutivo do ser humano

Aquele que já pensa e age “diferente” na busca de sua transmutação, ele já procura se conservar em frequência mental e vibratória superiores, ao ostentar atividade cerebral acima de 30Hz e não mais de 14,15 Hz que são baixas frequências e com elas comumente as pessoas se acham.

“Ser espiritual” é saber também vibrar a mente criadora, para que através do campo biomagnético (aura) a energia crística/kundalini possa fazer acontecer, possa gerar na realidade física, como Jesus, O Cristo procedeu com sua tecnologia mental, que para ela deram depois o nome de “milagre”.

Aquele que começa a se mostrar como “diferente”, ele já começa também a entrar em sintonia à “frequência do reino das pedras magicas”, para que nesta frequência identificando-se mentalmente com os seres da natureza, que nela vibram em harmonia e alegria, ele possa ser por estes auxiliado em silencioso encantamento e transformar uma substância em outra, por exemplo, água em vinho.

E neste seu caminhar que é de autoconhecimento ele vai vencendo etapas, passa por ocasiões de discernimento e de aprendizado. São estágios evolutivos, para que ele alcance em outro nível de consciência/razão sua potencialidade cocriadora.

Potencialidade que é alcançada quando não mais se julga superior e nem inferior a ninguém, às circunstâncias e aos acontecimentos da vida, busca-se apenas o equilíbrio mental e emocional, harmonizando-se com todos e com tudo.


Para o seu primeiro milagre da transformação da água em vinho Jesus, O Cristo em sua condição humana passou antes por várias ocasiões de silencioso encantamento e de despertamento – Imagem da Internet

A partir de 1971 o ser humano começou a ser modificado em sua frequência mental e vibratória através da presença da “nave” GNA, que transforma automaticamente o DNA daqueles que nasceram após esta data em GNA ou, em DNA energético.

E aqueles que nasceram antes desta data, para que alcancem a transformação de seu DNA em GNA, eles já precisam da cooperação da “nave” de Gemus.

Portanto, é com o estimulo energético proporcionado por estas “naves”, que possibilita o ser humano possuir de 4 a 5 GNA ou, 5 a 4 DNA já energeticamente ativados/transformados, que aceleram sua atividade cerebral, sua frequência mental e ampliam a vibração de seu campo biomagnético (aura), favorecendo sua transmutação.

E neste atual processo de sua transformação ele deve de sua parte contribuir, conservando saudável seu corpo físico, para que fique com a maior carga elétrica possível.

Contribuição para ser alcançada, ele deve se conduzir com disciplina mental, agindo com consciência/razão, para que seu campo energético-vibratório (biomagnético-aura) não se desarmonize.

Mas, dele irradie frequências/sentimentos, que ajudarão a construir um novo tempo de mais sensibilidade, criatividade e fraternidade.  Ele deve se tornar a semente que caiu em boa terra, mencionada na parábola do semeador. Mateus: 13, 1-8.

Aquele que já despertou e que já está se tornando um cocriador, ele já pode (na realidade física) ser ativado da realidade paralela através de sua “Placa” e também receber “banho de luz”, que ajuda aumentar sua frequência mental, para estimular seu processo evolutivo.

Ainda, como cocriador já com sua carga elétrica aumentada, ele começa a se capacitar com a força de seu pensamento para materializar ouro, que se mostra fisicamente “como vindo do nada”, semelhante ao da materialização da pedra discoide.

Materializar ouro de total pureza mediante sua tecnologia mental, que utiliza de sua vontade conduzida pela sua energia crística/kundalini, para potencializar a força de seu pensamento e gerar este metal no mundo físico.

Este ouro materializado surge das partículas já existentes em suspensão ao derredor, que se aglutinam e não ostentam impurezas, que existem no ouro comumente achado na natureza e que é tolamente disputado na realidade física.

Mas, este outro ouro de total pureza é só materializado por aquele possuidor de sabedoria, que lhe permite conservar em equilíbrio energético seu campo biomagnético – aura, portanto por aquele que ostenta também pureza (equilíbrio) energética.

Ele é alcançável apenas àquele já merecedor. Àquele já apto possuir a verdadeira riqueza, por já perceber o sentido vibracional da real prosperidade, que é colhida no dia a dia, mas só por aquele que se conduz pela mente e pelo coração em estado de graça, sintonizado à Linha B, das Três Linhas da Vida ABC – Mais informações neste Site, com o texto: Sobre as Linhas da Vida.


Pedra discoide (posteriormente engastada em ouro), que se materializou em um instante singular, quando ela como tivesse sido arremessada do alto, caiu na mão direita daquele que a recebeu. O mesmo acontece com o ouro de pureza ímpar, mas ele cai em volta daquele que o materializa – Foto de Antônio Carlos Tanure

A materialização deste ouro de pureza total (monoatômico) que se precipita e se mostra na realidade física, é motivada pela força do pensamento daquele que utiliza da malha eletromagnética, ao vibrar mentalmente através dela em sintonia à frequência universal do ouro (número atômico 79, massa atômica 197 e símbolo Au – na tabela periódica), para que este metal se precipite e fisicamente se mostre

A materialização deste ouro especialmente precioso pela sua pureza, quando acontece não é conquista só de um ou de alguns, mas é conquista de todos os seres humanos. O primeiro (matricial) desta materialização apenas abre a frequência, para que ela possa acontecer também com os demais.

Portanto, é uma materialização que poderá acontecer com todos, que utilizem de seu comando mental, mas se estiverem também, como antes já mencionado, vibrando com pureza de coração, para que aconteça este “fenômeno” que é psicofísico e não paranormal como telepatia, telecinese, premonição e outras habilidades mentais.

“Fenômeno” de materialização é habilidade mental própria da capacidade de realização de um cocriador, que está também se capacitando para gerar sua própria realidade, libertando-se das limitações de um mundo físico.

 “Eu asseguro que, se vocês tiverem fé do tamanho de um grão de mostarda, poderão dizer a este monte: ‘Vá daqui para lá’, e ele irá. Nada será impossível para vocês”. Mateus 17:20.

O ouro puro materializado é benéfico pela alquimia multiplicadora de sua energia, que ressoa para todas as pessoas. Sua pureza vibracional originada de outra frequência de realidade, não possui influência energética de qualquer outro elemento do mundo físico.  Portanto, ele não tem nada a ver com o ouro que foi procurado e utilizado pelos os anunnaki, comumente encontrado no subsolo.


O ser humano ao experienciar na realidade física e nela buscando se orientar pela Linha B ou Neutra de suas Três Linhas da Vida ABC, ele está também procurando se exercitar mentalmente em sintonia ao significado vibracional de Unidade, ditado pelo Primeiro Princípio (Lei) Universal – ilustração de www.pegasus.portal.nom.br

Aquele que possui algum conhecimento sobre as teorias de Carl Jung, tem noção tanto do significado de anima quanto de animus, que talvez estejam de certa forma relacionados no ser humano à pequena quantidade de hormônios do sexo oposto em seu organismo, o que reflete (inconsciente) em sua psique complemento sexual inserido de qualidades também do sexo oposto.

Anima no homem (seu lado feminino) está ligada à emotividade, receptividade, capacidade para proximidade e sentimento de amor. E animus na mulher (seu lado masculino) está ligado à racionalidade, convicção, opinião e princípios.

Anima e animus precisam ser desenvolvidos em cada pessoa, porque sendo personificações do inconsciente, se aflorarem à consciência, não suscitem qualidades desagradáveis. Portanto, não gerem tanto no homem quanto na mulher desequilíbrio emocional.

Aquela ou Aquele que já se despertou, precisa aprender a harmonizar estas suas duas polaridades d’alma, para que possa se transmutar. Nesta sua caminhada que busca se perceber em sua divindade “por inteiro”, precisa o quanto antes tê-las mental e emocionalmente “apaziguadas” em seu mundo interior.

Ou, tê-las sutilmente já “entrelaçadas”, como assim se mostrou em sua bipolaridade o ser divino, que comandou a entrega do livro da aliança.

O texto Entrega do livro da aliança, foi escrito oito anos atrás, em 2013. Hoje, revisado no www.pegasus.portal.nom.br está com mais informações esclarecedoras textuais e de imagens, que se acrescentam às informações deste texto. Portanto, para mais informações e esclarecimentos é aconselhável a leitura destes dois textos nos endereços eletrônicos abaixo:

https://www.pegasus.portal.nom.br entrega do livro da aliança
https://www.pegasus.portal.nom.br energia feminina e a nova humanidade


Anima e animus são duas faces em um mesmo corpo. Aquela ou aquele que possui esta percepção e que já as tem mental e emocionalmente unificadas, move-se “mais inteiro” com sua criatividade cocriadora, seja a mulher com seus trinta e sete canais mentais ou seja homem mesmo com apenas seus dezoito canais – Imagem da Internet

Com a entrega do livro da aliança iniciou-se uma nova virada de página para aqueles, que na realidade física estão ajudando a construir um novo tempo.

Especialmente começou uma nova fase para aqueles que perseveraram desde de o Projeto Portal, quando tiveram o reforço energético e vibratório pela passagem da “nave” de Ophiúchus, que sinalizou para eles naquele momento, o início de uma nova ocasião de grandes e positivas mudanças.

A “nave” de Ophiúchus que naquela ocasião apareceu, trabalhou especialmente o discernimento de seus participantes, que começaram a ter suas atividades voltadas ao senso prático (lógico), no intuito de lhes gerar benefícios mútuos dentro de uma visão coletiva e não mais dentro de interesses particulares de um ou de outro.

E com este objetivo começaram a ser trabalhada em cada um sua intuição e percepção, juntamente com ampliação de sua capacidade mental voltada às suas habilidades extra-sensoriais, buscando maior capacidade de realização e com ela um novo pensar e agir na vida, dentro da Vida.


A “nave” bioplasmada na frequência de Ophiúchus” que majestosamente passou com seu brilho especial no momento da entrega do livro da aliança, vibrou/”mexeu” especialmente nos corações das portadoras dos 37 canais mentais ali presentes. Trabalhou mais diretamente com tecnologia dos mundos paralelos as almas destas filhas da “mãe-terra”, iluminando-as com sensibilidade e amor, mas também com o brilho guerreiro das amazonas, que sabem buscar seus objetivos – foto www.pegasus.portal.nom.br.

Todas aquelas e todos aqueles que buscam se despertar, estão buscando também pela mente e pelo coração sintonia com o pensar e o agir do último Mensageiro de Deus.

Buscam vibrar em sintonia à frequência de “O Cristo”, que não deve ser entendida como em uma só pessoa, mas percebida com seu significado/ Princípio Universal e Cósmico vibrando impessoalmente, portanto presente em cada ser humano como seu Cristo interno.

Só assim, mais esclarecidos, mais iluminados serão capazes de assimilarem neste mundo físico de suas experiências o porquê de nascer e de buscar ressureição e transmutação, que depois de alcançadas, para este mundo em definitivo morrer.

A Vibração na Frequência de “O Cristo” vibra em cada ser humano através de sua energia crística/kundalini, também conhecida como fogo celestial”, serpente ígnea” e fogo sagrado do espírito santo, entre outras denominações.

Com esta energia divina de vida na Vida que o ser humano sublimando-se, torna-se cocriador. Com sua energia crística que ele faz acontecer na realidade física.

Através dela com a força de sua vontade, que ele alcança sua transmutação e, realiza seu “próprio milagre”,

Esta ocasião é ainda do “milagre maior”. É ocasião do salto quântico da “mãe-terra” juntamente com o de seus “filhos”.

É o salto para uma nova era de criatividade que busca o amor fraterno gestado na sensibilidade d’alma tanto das filhas” quando dos “filhos” da “mãe-Terra”, mas especialmente delas pela energia impulsionadora de seus trinta e sete canais mentais.


Registros com máquina fotográfica comum da energia cristica, nas atividades de campo da UFMG, no ano 2003 – Fotos de Antônio Carlos Tanure

Fontes de pesquisas:
Conceituação do arquétipo anima-animus na obra de Jung Fernanda G. Moreira
Anima e Animus – Os Parceiros Invisíveis – Instituto Freedom …
Sociedade Brasileira Eubiose – Conhece-te a ti mesmo
Movimento Gnóstico Cristão Universal do Brasil na Nova Ordem
Wikipédia, a enciclopédia livre
Dakila Pesquisas

Translate »